Terça-feira, 9 de Junho de 2009

contas em dia & marias e maneis

hoje foi dia de pôr as “contas em dia” aqui no diário e isso significa normalmente colocar aos olhos de todos as “prendinhas” que me vão chegando (e que bom que é recebê-las) pelo e-mail.

para quem quiser conferir as novidades é só passar na secção respectiva.

mas hoje é também um dia especial, isto porque uma das participações é de uma “senhora maria”, maria porque tem nome, maria porque é verdadeiro e maria porque segundo ela, na sua geração, todas as mulheres eram “marias de qualquer coisa”.

na verdade, esta leitora maria, já passada dos 60 como ela me fez saber, fez-me pensar muito enquanto lia o e-mail que me escreveu. agradeço as suas lindas e verdadeiras palavras e sobretudo, sábias, de quem realmente sabe da vida.

não vou aqui transcrever o e-mail porque é muito pessoal mas realço, comentando, alguns pontos que considero os mais fortes e mais verdadeiros. é bem verdade cara maria, a juventude que se pensa por vezes muito “modernaça” acaba, muitas vezes sem saber, por apenas voltar às raízes, às suas próprias raízes, aquelas que muitas das vezes renega como se fossem motivo de vergonha para alguém. antes de haverem grandes cidades só haviam pequenas cidades e antes delas vilas e aldeias e nelas reside a pureza da vida e também, como me fez ver, da sexualidade.

a leitora maria lembra-me que “jogos de pepinos” (cenouras e outros vegetais e etc e tais) já eram “entretenimento da sua mocidade” para as mais “afoitas”, o sexo (homem-mulher) não era bem aceite nem visto e as “vontades” todos e todas as tínhamos como vocês têm agora (ou mais ainda).

ela conta ainda que as “experiências transcendentes” na forma como falamos delas agora, da homossexualidade ou bissexualidade, das “amigas” mais “amigas” sempre existiram, só que na altura chamávamos-lhe “primas”, que sempre foram “primas” ou de onde acham que vem a expressão “quanto mais prima, mais se lhe arrima”.

a amiga maria, que recusa ser dona de algo mais do que o seu próprio nariz, lembra também acerca das visitas ao campo, ao pinhal ou a outra qualquer lugar campestre - “oh minha amiga, nós estávamos lá os 365 dias por ano” – “não havia capots de carros, mas havia carros de bois e na falta deles muito feno onde deitar”.

e assim, seguindo as ideias que foi lendo aqui no diário, resolveu pegar no seu “manel” e lançar-se na aventura, na aventura de reviver o passado à luz do presente, pela primeira vez “rapei a passarinha” e “olhe que até gosto, fica mais fresca agora para o verão” – diz com um sorriso implícito. e pronto, o resto, foi o que se viu ou o que vai ver agora.

tive curiosidade e perguntei-lhe como conseguiu fazer as fotografias e enviá-las por e-mail. respondeu-me que era “velha” mas não era “burra” e desde que se reformou há cerca de 2 anos e meio que tem frequentado diversos cursos de computadores e internet que existem na junta de freguesia onde mora “aquilo das rendas, ponto-cruz e tricots não é para mim, aquilo é para gente velha de espírito e ainda nova de corpo”, “eu sou o contrário, já vejo muito mal para essas coisas mas ainda apalpo muito bem” – rematou.

há dias assim, em que nos sentimos realmente pequeninos no mundo e mesmo achando-me “madura”, senti que estou bem mais “verde” do que pensava.

o meu obrigada à maria, ao manel,  e a todas as marias e maneis que por aí andam, incógnitos.

sinto-me: de lágrima no canto do olho
banda sonora: christina aguilera - beautiful
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:48

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 2 de Junho de 2009

apenas mais uma “explicação”

mal ouvi a campainha tocar fiquei logo nervosa – que raio se passa comigo – pensei para comigo – tu estás louca ou a enlouquecer? é apenas um miúdo, como te pode ele por assim só por olhar para ti?. prometi a mim mesma não pensar no assunto e dedicar-me com o profissionalismo possível à missão que tinha pela frente, “explicar”.

abri-lhe a porta quase sem respirar mas, na verdade, ele entrou normalmente e sem me olhar de cima a baixo como na vez anterior e rapidamente perguntou se podíamos ficar na mesa da sala porque precisava de escrever – boa! – pensei eu – ele deve ter percebido a figura que fez da outra vez e deixou-se de brincadeiras. na realidade penso que ele estava realmente nervoso, creio que precisava mesmo de ajuda, ao contrário do dia anterior, e fomos directos ao assunto.

debatemo-nos por algum tempo com as dúvidas dele e aquela hora passou a voar – tem mais tempo para mim? – perguntou ele olhando para o relógio – tem?! – pensei eu de imediato – sacana do puto agora já me trata por “senhora”, sou alguma velha ou quê?sim, quer dizer, se ainda tiveres mais dúvidas e precisares do meu apoio podemos continuar.

ligou à mãe a explicar a situação não fosse ela não concordar e pensar que era eu que estava a tentar “fazer render o peixe” e lá continuamos com os estudos. passados uns 20 minutos chegamos a uma conclusão e ele finalmente percebeu a matéria e esclareceu as dúvidas. desculpe! se soubesse que não iria demorar tanto nem lhe tinha pedido mais uma hora, assim deve ter perdido algum compromisso por minha causa, desculpe!não, nada disso, se aceitei foi porque não tinha nenhum compromisso e já agora podes (e deves) tratar-me por “tu”, ou pareço-te assim tão velha?velha? não, não, nada disso, desculpa, não quis ofender!eu sei que não, estava a brincar contigo.

posso beber um copo de água?ah claro, desculpa, nem te ofereci nada, que cabeça a minha! levantei-me e fui até à cozinha – queres mesmo água ou preferes outra coisa? - @#%^* - o que disseste? – perguntei eu – nada nada, água está óptimo, tenho mesmo é sede! – ele tinha claramente dito alguma coisa e não era o que me respondeu depois mas achei melhor não pegar no assunto.

olha, posso pedir-te uma coisa? – disse ele – sim, o que se passa?nada de mais era só que se realmente não tens nenhum compromisso eu ficava aqui mais uns minutos só para não ir já para casa, é que disse à minha mãe que ia precisar de mais tempo e se chegar cedo ela vai chatear-me a sérioah ah, ok, não tem problema, também estou a precisar de companhia. vives sozinha? – disse ele com cara de espanto -  sim, vivo, porquê?não, pensava que moravas com algum namorado ou marido, sei lá!sorri, não, não sou casada! – depois de uma pausa de alguns segundos retorquiu – mas não deve ser por falta de candidatos! – sorri novamente e não disse nada, na verdade aquele tipo de “piropos” inocentes até estavam a ter a sua piada.

senti novamente aquela sensação do dia anterior em que parecia que a cada olhar ele me despia, aquele miúdo estava a “comer-me” com os olhos, mas porquê, porquê eu? deve haver na escola dele umas 100 miúdas da idade dele bem mais “apetitosas”, decidi ver até onde ia, mas sem exagerar nas provocações ou ser muito descarada mas um simples descruzar de pernas (simples e não ao estilo sharon stone) ou o colocar de um pé apoiado mais alto no apoio da cadeira foi mais do que suficiente para que os seus olhos se fixassem nas minhas coxas e o deixasse quase a suar ;)

que é que este miúdo pensará da vida – cheguei a questionar-me – se eu lhe der um sopro ele cai como um castelo de cartas. confesso que essa ideia de poder ou de controlo absoluto me chegou a pensar em algo mais abusado, mas a consciência falou mais alto e consegui recalcar os meus instintos.

olha, não te estou a querer mandar embora mas acho está na tua horaah, pois, está, como o tempo passa! – respondeu ele com uma voz meio gaguejante – pegando lentamente nas coisas que trouxe foi arrumando e por fim levantou-se para sair, percebi rapidamente o porquê de tanta demora, ele estava nítida e visivelmente excitado, era impossível de esconder o “alto” dentro das suas calças de fato-de-treino, fingi que não reparei e conduzi-o à porta. ele tapando como pode com os livro o que se passava lá se foi despedindo. já fora da porta disse – ah, olha, já me ia esquecendo, para a semana não venho, faço anos e fazer 18 anos é só uma vez!sim, tens razão, aproveita bem então o que te resta dos 17 então, a partir da próxima semana a tua vida muda e muito, vai por mim que eu sei!

sinto-me: confusa qb
publicado por diariodeumamulhermadura às 12:20

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quinta-feira, 26 de Março de 2009

medo e preconceito

hoje queria falar-vos acerca de um tema que penso que posso afirmar que é uma espécie de “fio de prumo” que orienta o rumo da minha vida e também, necessariamente, deste diário. esta abordagem do tema serve também como uma forma de resposta a questões que me foram levantadas recentemente por um dos leitores deste meu cantinho.

 

o leitor em questão abordava a situação do sexo “a mais de 2” e da forma como a sua companheira “anseia”, nas suas próprias palavras, por ter sexo com uma ou mais mulheres mas parece não conseguir arranjar companhia para tal.

 

eu acredito que a liberação ou libertação sexual tem muito a ver com dois aspectos principais: em primeiro lugar o medo; e em segundo lugar o preconceito.

 

quanto ao primeiro aspecto – o medo – incluo nesta categoria, por assim dizer, tudo o que consciente ou inconscientemente nos faz “vacilar”, hesitar e dizer não quando se calhar o que o nosso corpo queria era o oposto. o medo da sociedade e do seu olhar reprovador e crítico, o medo de ser falada, de ser exposta, o medo de não gostar ou de gostar em demasia ;) existem centenas de “medos” que precisam ser vencidos para que haja este tipo de libertação e de liberdade absoluta no aspecto sexual. o primeiro passo creio que parte de nós e não dos outros, sentirmo-nos bem e confiantes em relação a nós próprios, se tivermos medo em nos expormos aos outros iremos certamente passar esse receio sob a forma de uma certa “desconfiança” para os outros que, certamente, se irão retrair e aumentar eles próprios também o seu grau de medo, sim, porque não acredito que seja possivel eliminar de todo o medo, existem sim, diferentes graus, diferentes níveis.

quanto ao segundo – o preconceito – esse sim é um aspecto crítico e decisivo, uma pessoa pode dizer-se muito liberal e “open minded” mas na hora “h” revelar-se uma verdadeira enciclopédia de tabus e preconceitos e isso sim, pode ser verdadeiramente decepcionante para todos os envolvidos.

 

reportando-me às minhas experiências pessoais e às experiências de que tenho um conhecimento muito próximo devo dizer que o mais dificil nesses jogos de “partilha sexual” é a nossa (das mulheres) insegurança e noção de perca ou posse. sou da opinião de que é muito facil vencer, por exemplo, o tabu da homosexualidade feminina entre mulheres, mas muito dificil uma mulher “oferecer” a outra o seu par, o seu marido, o seu namorado, principalmente quando não existe uma segurança muito grande na sua relação, mas mesmo quando ela existe, o medo de perca, de ser trocada, dele gostar mais da outra que de mim existe e existirá sempre, agora cabe-nos a nós saber dirigir esses medos como desafios e oportunidades em vez de como ameaças.

 

ainda respondendo ao leitor, não acredito que se possa perguntar a uma amiga – olha lá queres ir para a cama comigo e com o meu namorado? – a resposta será sempre negativa, mesmo que haja vontade, nem que seja por receio de estar apenas a ser testada pela amiga que suspeita que a outra anda a querer “atirar-se” ao namorado dela. é muito uma questão de tacto, de conhecimento, se ela achar que conhece realmente bem uma das amigas e achar que ela poderia gostar de participar em algo desse género e estiverem dispostos a arriscar, porque é sempre um risco, eu aconselharia um ambiente propício, um jantar, um convivio, algo muito intimo, próximo e familiar entre os 3 ou mais envolvidos, algo doméstico, não creio que se possa convidar um amigo/a para sexo e combinar num motel ou algo do género. e depois é levar as coisas com calma, talvez com alguma exposição vossa ao(s) possivel(is) parceiros até chegar ao momento do convite em jeito de “não te queres juntar a nós”.

 

será que ajudei a esclarecer o assunto?

 

seria interessante que quem tem outras opiniões ou vivências que as pudesse também partilhar já que é mesmo de partilha que se trata.

sinto-me: bem
banda sonora: lady gaga - poker face
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:52

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 12 de Março de 2009

o que não é afinal pornografia?

dada a actual “dúvida existêncial”, prestes a terminar, questionei-me acerca do que seria na verdade pornografia. procurei respostas e descobri que segundo os dicionários mais actuais, a palavra pornografia provem do grego pórne (que significa prostituta) + gráphein (que significa descrever). fiquei assim a saber que pornografia é o acto de descrever (ou representar graficamente) uma prostituta.

 

então, mas se assim é, o que afinal uma prostituta?

 

os mesmos dicionários revelam que uma prostituta é um meretriz; uma mulher que pratica a prostituição; uma rameira.

 

certo, mas então se prostituta é a mulher que pratica a prostituição, o que é afinal considerado prostituição?

 

e prostituição é nada mais nada menos do que uma palavra de origem latina que se refere ao acto ou efeito de prostituir ou seja, praticar a libertinagem.

 

libertinagem?

 

então mas libertinagem não é o mesmo que devassidão, que significa ter uma vida de libertino e já agora, o que é um libertino?

 

do lat.  libertinu, filho de liberto, devasso; dissoluto; desregrado; lascivo; ímpio.

 

assim sendo, fiquei não só a saber que prostituição é um acto praticado por alguém que é desregrado mas que esse alguém é filho de liberto, ou seja, masculino, além de que é um acto ou efeito de desmoralizar, ou seja, tornar imoral, isto é,

violar os princípios da moral vigente; impuro. mas uma coisa impura é uma coisa que não é pura, isto é que tem mistura ou que não é virginal. e não ser virginal quer dizer somente que não é virgem.

 

então, tudo isto que dizer que prostituição é um acto praticado por alguém que não é virgem ou seja, que não é integro nem inocente e se não é inocente quer dizer que tem malícia ou seja, alguém que tem mau carácter ou mau temperamento.

 

resumindo tudo isto, temos que: pornografia é a descrição de um acto praticado por alguém que tem mau carácter ou mau temperamento.

 

mas calma, é que pornografia também é a representação (por escritos, desenhos, pinturas, filmes ou fotografias) de cenas ou objectos obscenos destinados a serem apresentados a um público e, do latim obscenu é alguém contrário à decência ou ao pudor, por assim dizer é alguém impuro e isso já sabemos onde nos leva.

 

afinal, pergunto-me, o que é que não é pornografia?

 

alguém me saberá responder?

 

 

sinto-me: confusa
banda sonora: joão pedro pais - um "volto já"
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:33

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Terça-feira, 3 de Março de 2009

é oficial, a “su” tem namorado novo

eu bem que estranhei algumas das reacções dela nos últimos tempos, mas, como ela não disse nada, pensei que fosse apenas as contingências do dia-a-dia, mas agora não, agora ela não pode fugir mais, pois apanhei-a no shopping com ele e pelos vistos a coisa parece ser séria, muito séria mesmo pois parece que não se conhecem desde “ontem” e ela nunca me falou dele nem me ligou a dizer “é pá, comi um gajo altamente” e quando ela nada diz sobre o assunto é porque o caso é mesmo sério.

de qualquer das formas já a intimei a comparecer em minha casa esta noite para ser “interrogada” a esse respeito.


de resto ando meio desapontada, um pouco em baixo, nem sei bem porquê, mas, acredito que melhores dias virão. o diário também anda “chato”, sem graça, preciso de mudar algo, perdeu toda a “adrenalina” de outros tempos e eu a vontade de contar nele as minhas histórias e os “segredos” que pareciam, ao início, uma boa ideia também não me estão a satisfazer minimamente, sinto-me como se me despisse e me expusesse em frente a alguém e esse alguém virasse a cara para o lado para a tv ou outra coisa qualquer.

sinto-me: em baixo
banda sonora: clã - o sopro do coração
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:53

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2009

sexo - a 2 é bom, a 3 é interessante, a 4 é fenomenal

depois daquela célebre tarde tivemos uns dias afastados, ausentei-me para o cumprimento dos deveres de filha na época natalicia, ou seja, visitar os pais.

 

no segundo dia fora, recebi uma sms da lorena desejando-me um feliz natal mas com uma espécie de post scriptum no final que dizia mais ou menos assim “quando estiveres de volta avisa-me, tenho algo para te propor”. realmente aquela italianinha estava muito sabida e já estava a conhecer-me bem demais ;) passei o dia seguinte sem pensar noutra coisa a não ser na “proposta” que ela teria para me fazer.

 

logo que pude rumei a casa e pelo caminho liguei-lhe, não me quis dizer pelo telefone do que se tratava, disse que era assunto para falarmos “ao vivo” e não pelo telefone mas acabou por me levantar um pouco a ponta do véu ao perguntar-me pela “su”.

 

a “su” deveria estar mais ou menos na mesma situação que eu, liguei-lhe logo para saber onde estava e quando chegava e para a acelerar contei-lhe logo da proposta da lorena, respondeu de imediato, vou à depilação agora encontramo-nos em tua casa daqui a 2 horas, pode ser?

 

bem mais de 2 horas depois lá estavamos as 2 em minha casa, sentadas no sofá a imaginar o que a lorena nos iria propor, estava a caminho, ela e claro, o alberto e a nossa imaginação já ia a mais de 1000.

 

chegaram! – gritou a “su” ao ouvir o elevador chegar e correu para a porta, nem lhes deu tempo de tocarem à campainha pois abriu logo tal era a sua ansiedade.

 

ficamos por alguns momentos os 4 sentados no sofá da sala a pseudo-conversar sem tocarmos no assunto que, na verdade, nos tinha ali reunido, como que sem saber por onde começar ou quem daria o primeiro passo até que o alberto se ausentou para ir ao wc e a lorena disse: amigas, tenho uma proposta para vos fazer, os nossos olhos devem ter esbugalhado e o mundo como que parou de girar enquanto ouviamos as suas palavras, no final,  olhamos umas para as outras e sorrimos. olhei para a “su”, peguei-lhe na mão e ela apenas disse no seu estilo peculiar “eu tou pronta”.

 

a lorena foi para dentro ao encontro do alberto enquanto nós nos punhamos mais confortáveis, ou seja, sem roupa, enquanto tirava os sapatos olhei para a “su” que já estava só de cuequinhas e disse: bolas, estás com pressa! rimos as duas.

 

fechamos as persianas, acendemos apenas o candeeiro de pé no canto da sala e algumas velas, alguns segundos depois entra a lorena trazendo pela mão o alberto envergando apenas uma toalha à cintura e de olhos vendados. sentou-o numa pequena poltrona que tenho num dos cantos da sala e colocando-se de pé por trás dele chamou-nos para junto deles.

ainda vendado começou a acariciá-lo passando-lhe as mãos pelo peito e beijando-o, retirou ela também o soutien juntando às caricias com as mãos o toque dos seus seios e mamilos pela nuca e ombros dele, alcançou as minhas mãos e juntou-as às dela acariciando suavemente o peito e abdomen do alberto e pediu, sempre sem falar, à “su” que se juntasse a nós também, agora o alberto tenha as nossas 6 mãos passeando e acariciando-lhe o peito, os ombros e o abdomen ao mesmo tempo que a lorena lhe tocava com os seios e mamilos na face. de quando em vez ele virava a face e tantava alcançar um dos mamilos, chupando-o, mas ela logo se afastava retirando-lhe esse “doce” e levando a provocação e a excitação ao máximo.

 

colocou-se lateralmente do lado esquerdo do alberto e pediu-me que me colocasse em igual posição à direita, abraçou-me puxando-me e apertando ligeiramente a cabeça do alberto entre as nossas 4 maminhas, beijámo-nos. a “su” estava agora encarregue das pernas e coxas do alberto e era já claro e notório um enorme alto que se erguia dentro da toalha e que a fazia abrir-se, o pénis do alberto estava a abrir caminho por entre a toalha e já espreitava ligeiramente pelo meio, a “su” estava extasiada com a visão e a lorena sorrindo disse-lhe que sim. ela não se fez rogada e agarrou-o com as duas mãos fazendo o alberto estremecer, estava visivelmente muito excitado.

 

deixamos por algum tempo que ele pudesse brincar com a lingua ora nos mamilos da lorena, ora nos meus enquanto a “su” o masturbava já com algum vigor, a lorena percebeu a vontade dela e tocando-lhe na cabeça levou-a até junto do pénis dele começando a “su” a chupá-lo e lambê-lo lentamente.

 

a lorena estava agora apostada em passar à acção e movimentando-se até junto de mim pegou na mão direita do alberto  que segurava no apoio dos braços da poltrona e guiou-a até às minhas cuequinhas, ou melhor dizendo, até à minha ratinha. fechei os olhos por um momento e tentei sentir apenas aquele toque, senti a mão da lorena a acariciar-me os ombros beijando-me em seguida como que dizendo-me relaxa e disfruta, percebi aquele gesto e confesso que sem saber bem porquê me deu imensa confiança começando a disfrutar de uma forma mais leve e relaxada daquele momento tão especial. quando abri os olhos a lorena já estava do seu lado disfrutando tal como eu da outra mão do alberto. senti a excitação a aumentar ainda mais, o alberto soltava já pequenos gemidos tal como a lorena que mordia o lábio, senti a minha ratinha invadida por 2 dedos molhados e quentes num movimento vai-vem contínuo e frenético. num movimento com tanto de brusco como de inesperado a lorena arrancou a venda do alberto que permaneceu de olhos cerrados de excitação e prazer, percebemos todas que estava prestes a vir-se e a lorena como que avisou a “su” disso mesmo, olha quem, a “su”, retirou-o da boca e masturbou-o vigorosamente até sentir um longo jacto a invadir-lhe a cara, olhos e cabelo, voltou a chupá-lo, sugando-lhe todo o nectar que restava, percebi que o tinha guardado na boca e o que iria fazer, levantando-se aproximou-se da lorena e, beijando-a, transferiu todo o nectar que tinha guardado na boca para ela dizendo-lhe em seguida: toma, é teu!

 

nessa altura já o alberto estava de olhos bem abertos e a ver toda a cena, com tudo aquilo não tinha chegado a perder grande parte da sua excitação e estava com o seu membro bem erecto. era a vez da lorena que se sentou de pronto em cima dele e o começou a cavalgar. a “su” apressou-se a deitar-me no sofá ao lado e a retirar-me as cuequinhas enroladas pela mão do alberto, caindo-me em seguida de boca e lingua na minha ratinha.

 

a “su”, fazendo uma pequena pausa, correu ao armário dos “brinquedos” e trouxe-os a todos, dispondo-os na mesinha de apoio, em seguida tirou as cuequinhas dela e deitou-se por cima de mim ficando a chupar-mo-nos e lamber-mo-nos mutuamente num maravilhoso 69 enquanto olhavamos a espaços a lorena frenética na sua cavalgada sobre o alberto.

 

alguns minutos passados senti-mo-la vir-se e a ele também, quase simultaneamente, mas desta vez o nectar ficou mesmo apenas e só para ela e bem dentro dela.

 

enquanto eles se refaziam dos seus orgasmos, a “su” colocava-me o famoso “strap-on” e deitando-se em seguida no sofá bem encostada a eles disse-me: anda, é agora a vez de seres o meu homem e me dares prazer. comecei a penetrá-la com o “strap-on” ajustando-me também ao tal detalhe interior para que tivesse também algum prazer mas pouco depois senti algo a penetrar-me, era a lorena que usando o outro vibrador me estava a penetrar a ratinha, fui uma sensação estranha mais ao mesmo tempo saborosa, penetrar e sentir-me penetrada ao mesmo tempo e ela estava a ir fundo mesmo, enfiava-me o vibrador até não dar mais e isso fazia-me a mim estocar também a “su” com mais força fazendo-a gemer alto e bom som.

 

quem também gostou da ideia foi o alberto que logo se aproveitou da posição felina da lorena e a agarrou por trás, a confusão era brutal, uma espécie de sequencia de penetrações onde o único que não estava a ser penetrado por ninguém era mesmo o alberto ;)

 

a primeira a vir-se desta vez foi mesmo a “su” e foi um orgasmo daqueles que eu bem senti, pouco depois as penetrações da lorena na minha ratinha que entretanto resolveu ligar a vibração também produziram efeitos orgásmicos, quanto a eles 2 lá continuavam de 4, percebi que o alberto preparava algo, ao inicio a lorena retraiu-se um pouco, ele queria o rabinho dela. posicionamo-nos melhor, fiquei frente-a-frente com a lorena segurando-a no meu colo e enquanto que a “su” lhe acariciava a ratinha em movimentos circulares sobre o clitoris o alberto lá ia “abrindo caminho” no rabinho dela, aos poucos.

 

para facilitar um pouco a tarefa que ia árdua e dificil, a “su”correu a buscar um pouco do meu óleo que foi deitando suavemente sobre a entradinha já ligeiramente dilatada, com o óleo foi um ápice enquanto a ponta entrou no rabinho dela e o resto, já diz o ditado, é só empurrar ;) com a sua tarefa cumprida a “su” voltou à posição de estimuladora clitorial ;) enquanto eu lhe continuava a acariciar os mamilos que estavam agora enormes e duros.

 

a habituação veio depressa e com ela os movimentos aumentaram de ritmo e senti que ela começava realmente a sentir verdadeiro prazer, numa penetração mais profunda ela acabou por se agarrar e aproximar mais de mim e foi então que tive uma grande ideia, ainda com o “strap-on” colocado, deitei-me no sofá e puxei-a mais para cima de mim, o alberto acompanhou o movimento, olhei nos olhos da lorena nos quais se notava uma certa surpresa, a “su” veio em auxilio e com a ajuda de todos colocamos a lorena em cima de mim sem que o alberto deixa-se de lhe penetrar o rabinho, aprontei o “dildo” e cá vai disto que amanhã é tarde, como diz a “su” ;) enfiei-lho na ratinha, soltou um gemido longo e profundo agarrando-se com força a mim, chegando mesmo a vincar-me as unhas, esperou 3 ou 4 segundos de olhos fechados, depois olhou-me fixamente, sorriu e disse sono impossibili, que é como quem diz que “sou tramada” ;)

 

fomos ganhando ritmo e ligação naquela dança de corpos e se a 3 estava muito interessante, melhor ficou quando a “su” resolveu subir para o sofá e colocar-se  por cima de mim, quase que sentada na minha cara, disfrutando a espaços quer da minha lingua, quer da lingua da lorena que, no balanço, muitas das vezes lá chegava e assim permanecemos durante mais um grande orgasmo da lorena e até que o alberto atingir também o seu último da sessão derramando ainda algum líquido que lhe sobrava por cima da entrada dilatada do rabinho da lorena.

 

se a 2 era bom, a 3 estava interessante, a 4 foi uma coisa verdadeiramente fenomenal foi a conclusão que todos retiramos, exaustos acabamos por ir ao banho e dormir todos em minha casa. se o natal fora interessante, este caminho até à passagem de ano começava a revelar-se inesperadamente fabuloso.

sinto-me: apaixonada
banda sonora: natasha bedingfield - these words
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:02

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Terça-feira, 6 de Janeiro de 2009

o natal de todas as festividades

a época das festas foi excelente e cheia de apetitosas novidades, tantas que nem tempo houve para ir dando conta delas à medida que iam acontecendo, mas agora sim, que a coisa acalmou um pouco, chegou a hora de “pôr a escrita em dia” ;)

 

começando pelo natal e pelas surpresas das quais já vos comecei a dar conta, o alberto, namorado da lorena, resolveu fazer uma chegada de surpresa uns dias mais cedo que o previsto e finalmente pudemos conhecê-lo, combinamos “de emergência” um jantar um pouco tardio para que a “su” também pudesse estar presente. e deixem-me que vos diga, o alberto é realmente um “homemzão”, alto, atlético e muito charmoso. o alberto tem aquele aspecto algo “desleixado” de barba por fazer há 2 ou 3 dias e, por outro lado, extremamente bem vestido, dando-lhe aquele “ar” de galant de cinema que só muito poucos homens sabem ter.

 

o jantar correu de uma forma engraçada com a lorena a fazer um pouco de interprete visto que ele, ao contrário dela, ainda não está familiarizado com o nosso “italianês”. a lorena estava excitadissima, via-se, sentia-se, tinha um brilho imenso naqueles olhos já por si sempre deslumbrantes e notámos que passaram o jantar a trocar pequenas carícias nas coxas um do outro (isto segundo o olho-clínico da “su”).

 

depois do jantar troquei duas ou três palavras com a “su” e decidi fazer-lhes eu também uma surpresa, é sabido que a lorena vive habitualmente num quarto arrendado e que a privacidade por lá não é muito grande, assim, decidi por-lhes a minha casa à disposição nessa noite, indo dormir a casa da “su”. eles ao inicio ficaram de certa forma constrangidos com a situação, pois tinham pensado ir para um hotel mas depois de lhes passar a chave para as mãos lá cederam, aceitaram e agradeceram a oferta.

 

o noite deles teve ser sido bombástica pois só pude voltar a entrar em casa no dia seguinte lá para meio da tarde ;) mas, como esperava, portaram-se lindamente e cuidaram das minhas coisas como se deles fossem.

 

já a minha noite em casa da “su” foi passada mais a conversar e a disparatar do que a dormir, devemos ter adormecido já altas horas, pelos menos 4 da madrugada ou mais, e adivinhem o que estivemos a “cuscar”, nem mais, o alberto, a lorena e o que se estaria a passar em minha casa. ;) a “su” estava doida de todo, passou o jantar a tirar as medidas ao alberto e a noite a comentar como ele deveria ser na cama ;) a conversa por aí seguiu e a certa altura fomos bater numa frase da lorena de há uns tempos atrás quando falamos deles e da relação que eles tinham, “... atenção que ele é meu... quanto muito posso talvez emprestá-lo um pouquinho ...“, bloqueamos as duas por momentos, olhámos uma para a outra (será?) e rimos às gargalhadas em seguida.

 

depois dessa conversa a minha cabeça viajou longe nessa noite em pensamentos, ideias e sonhos ;) nada mais, mas essa frase tinha ressuscitado “velhas” ideias e tanto eu como a “su” estavamos mais do que dispostas a ver até que ponto tinha sido uma mera brincadeira ou um verdadeiro desabafo.

sinto-me: curiosa
banda sonora: sting & craig david - rise and fall
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:00

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

o que desejaria receber do "diário" neste natal?

foi esta a pergunta que vos fiz a todos quantos visitam este meu cantinho que é também um pouco vosso. como tal, é isso que quero saber, os vossos desejos ;)

 

para responderem é só escolherem uma das opções nas "dúvidas existênciais" ou, caso nenhuma das opções vos agradar, escrevam-me um comentário ou e-mail dizendo o que vos agradaria.

 

beiijnhos a todos.

 

mm

sinto-me: natalícia
banda sonora: da época
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:53

link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

“…os homens são uns perfeitos anormais…”

há dias um grupo de 4 homens conversavam alegremente em alto e bom som sobre “gajas” (como eles diziam). é perfeitamente normal que homens juntos falem de mulheres como as mulheres juntas também falam de homens, a menos que sejam das que trocam um bom naco de homem por uma ida ao shopping, o que não é, como sabem, o meu caso. ;) e nesse caso um grupo dessas mulheres falariam de compras (bahhhh)

 

a conversa ia aquecendo à medida que as “bejecas” iam descendo pelas gargantas e chega ao ponto de falarem de sexo anal e logo um diz: “…é do melhor, lembras-te da rita, a da perfumaria, amiga da teresa, era sempre a aviar… uma vez até lhe fui ao olho dentro do carro na serra de sintra…” ao qual outro logo respondeu: - “pudera, essa gaja é mesmo uma granda porca”.

 

resumindo, da conversa deste grupo de “idiotas” retiro a seguinte conclusão: “…os homens são uns perfeitos anormais…” em primeiro lugar acham-se no topo da espécie por terem sexo anal que é “…do melhor…” mas depois chamam às mulheres que lho permitem, e porque o fazem, de porcas.

 

eu escolheria outro animal para as classificar, talvez de “burras” por darem “…do melhor…” a bestas deste calibre que nem uma “rata mal-lavada” mereciam lamber.

 

só me apetece dizer com tamanho desânimo “qualquer dia viro lésbica”.

sinto-me: danada
banda sonora: the script - the man who can't be moved
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:48

link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008

fim-de-semana foto(porno)gráfico

depois de uma semana de intenso trabalho e muitas horas-extra não remuneradas chegou o tão esperado fim-de-semana. a “su” que esteve de míni-férias esta semana resolveu preparar um fim-de-semana diferente, aproveitamos e rumamos ao alentejo. as nossas viagens agora têm sido ainda mais animadas desde que ao grupo de sempre se juntou a lorena, que está sempre mortinha por alinhar em todas as nossas aventuras e desventuras. o alentejo é uma zona que eu a “su”adoramos para descansar e aproveitamos o facto da lorena não conhecer para fazer um pequeno “tour-relax” que sabe sempre bem nestas alturas.

 

chegadas ao destino, exaustas, tivemos direito aquilo que realmente precisávamos naquele momento, um belo banho e uma noite descansada de sono.

 

na manhã seguinte acordo com alguém a bater à porta do quarto, era a lorena – que fazes aqui? que horas são? 7,30 diz ela com um grande sorriso nos lábios, hora de ir comer! enquanto ela descia em busca do pequeno-almoço eu acordava a “su” e arranjava-me para sair.

 

na mesa do pequeno-almoço diz a lorena – ah, alguém trouxe una fotocamera?

 

olhamos umas para as outras como que à espera que alguém acusasse tal lembrança mas nada, ninguém se tinha lembrado de trazer máquina fotográfica e o passo seguinte foi o de tentar encontrar uma loja onde pudéssemos comprar uma mas áquela hora da manhã havia pouco a fazer, decidimos dar uma volta a pé pelo lindíssimo centro da cidade de évora, a lorena estava encantada, adorava cidades históricas, fazia-a lembra-se de casa, a cidade de génova de onde era natural apesar de muito diferente pois génova é uma cidade mais parecida com a baixa de lisboa, de frente para o mar.

 

acabamos por esbarrar com uma loja de fotografia e a lorena comprou uma máquina, o senhor simpático que nos atendeu ficou tão embasbacado a olhar para ela que no final até lhe ofereceu um cartão de memória de mais capacidade ;) e lá começamos o passeio mais a sério.

 

a meio da tarde, já cansadas de andar resolvemos voltar ao hotel para relaxar um pouco e foi então que a paródia principal do fim-de-semana começou, enquanto a “su” foi ao wc, eu atirei-me para cima de uma das camas e a lorena, sentada num cadeirão que havia no quarto, via as fotografias do passeio, e foi nesse momento que tudo começou, a lorena resolveu começar a tirar-me fotos comigo deitada na cama, nisto chega a “su” do wc e vendo a cena começa a fazer “poses” no canto da parede e a lorena sempre a disparar flashes em todas as direcções, até ai tudo normal a risada era mais que muita com as figuras que íamos fazendo mas a “su” resolveu dar asas à sua (já conhecida veia artística) e começou a despir-se e a fazer poses mais “hot” à medida que a lorena ia tirando mais e mais fotos, a coisa começou mesmo a “aquecer” e não demorou muito até que a “su” já estivesse só de cuequinhas, de maminhas de fora e a fazer poses com os dedos entre dentes, a festa já ia alta e a “su” resolveu meter-me ao barulho saltando para cima de mim e puxando-me a saia para cima para a lorena me tirar fotos, puxou-me as cuequinhas para cima enfiando-as pelo meio do meu rabinho, e não só, e continuaram a sessão, voltei-me e puxei-lhe as dela com alguma força para baixo, senti-as rasgar mas ela nem se importou, puxei novamente e ela ficou nua em frente à camera da lorena que não parava de mandar flashes de luz para cima de nós.

 

puxei-a para mim pelos braços para cima da cama e agarrando-a com a cabeça dela junto à minha ratinha abrir-lhe as nádegas para a foto da lorena, imaginava como tinha ficado cada cena e isso estava a excitar-me, a “su” reclamando comigo de tal cena, virou-me e deu-me uma palmada no rabo, momento também registado pela lorena e com os dedos bem marcados, em seguida puxou-me as cuequinhas e meteu-me a língua por baixo tocando-me ao de leve na ratinha, virei-me e abri as pernas, foto da lorena e em seguida língua da “su” que com alguma sofreguidão me sugou as partes intimas, a lorena assistia e tirava fotos de quando em quando, senti-a aproximar-se e vi uma luz forte de um flash a invadir-me por baixo e por entre as pernas e foi o último flash de que me lembro, pois a língua da “su” fez-me esquecer tudo o que se passava em volta.

 

satisfeita pelo orgasmo que me foi oferecido daquela forma levantei-me para o retribuir e percebi que a lorena tinha pousado a máquina e estava a masturbar-se no cadeirão, não resisti a fazer uma pequena pausa e a ligar a máquina e, colocando-a em frente à ratinha da lorena de onde entravam e saíam os seus dedos molhados, disparar 2 ou 3 vezes, ela apenas sorriu e continuou a masturbar-se enquanto eu tomava conta da “su”.

 

ouvi-a gemer enquanto atingia o orgasmo e pouco depois a “su” também lá chegou, olhei para trás e levei com novo flash e com a frase - solo alla fine! J

sinto-me: pronta, para mais um!
banda sonora: brandi carlile - the story
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:17

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

dúvidas existenciais

fantasias sexuais ja realizadas
sexo anal
sexo bi-sexual
sexo com 2 mulheres ou 2 homens
sexo com 1 casal
masturbacao em grupo (homens)
masturbacao em grupo (mulheres)
sexo em grupo
swing (troca de parceiros)
sexo em locais publicos
sexo na internet (webcam)
sexo com assistencia
gravar sexo em video
fotografar durante sexo
dupla penetracao
mulher com mais de 2 homens
homem com mais de 2 mulheres
sexo com desconhecido(a)
sexo com prestador de servicos (carteiro, canalizador, pizzaboy, etc)
sexo com animais
sexo com objectos bizarros
sexo com objectos sexuais volumosos
  
pollcode.com free polls
vestida para seduzir
calca e blusa bem justinha
calcao e top com muita lycra
mini-saia
decote generoso
lingerie e saltos altos
com a roupa que viemos ao mundo
a roupa nao importa, o olhar e fatal
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 1
homem
mulher
casal
grupo de amigos
grupo de amigas
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 2
menor de 18 anos
de 18 a 25 anos
de 26 a 35 anos
de 36 a 45 anos
de 46 a 55 anos
mais de 55 anos
  
pollcode.com free polls

posts recentes

contas em dia & marias e ...

apenas mais uma “explicaç...

medo e preconceito

o que não é afinal pornog...

é oficial, a “su” tem nam...

sexo - a 2 é bom, a 3 é i...

o natal de todas as festi...

o que desejaria receber d...

“…os homens são uns perfe...

fim-de-semana foto(porno)...

leitores do diário

Offshore Jones Act
Offshore Jones Act Counter

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

leitores online

Users Online

segredos do diário

prémios do diário

Photobucket
blogs SAPO

subscrever feeds