Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

mini-férias escaldantes - sexta-feira (a tarde)

o almoço num pequeno restaurante próximo foi “doloroso”, durante todo o tempo a “su” não parou de me provocar, sentada à minha frente e ao lado do namorado passou todo o tempo a tocar-me com os pés a esfregá-los nas minhas coxas e chegou mesmo ao cumulo de encostar um dos pés na minha ratinha e fazer movimentos com o “dedão”. não podia reagir, não podia sequer dizer nada e ela estava a aproveitar-se disso.

quando no final do almoço me levantei para ir ao wc ela levantou-se e veio comigo e nesse preciso momento sabia que ela não vinha apenas e só fazer-me companhia. entrou comigo, o wc era extremamente pequeno mal cabiam 2 pessoas dentro. fingi que nada se passava e que não imaginava sequer o que ela estaria a pensar, fiz o meu “xixi” com toda a normalidade e recompus-me, mas antes que pudesse dizer algo ela beijou-me com sofreguidão, quase me tirando a respiração ao mesmo tempo que me empurrava contra a parede do wc e me enfiava abruptamente a mão dentro do bikini e os dedos dentro da ratinha, e foram logo 2 de uma vez só, contive um gemido profundo para que não fosse audível, afinal a velha porta de madeira pintada de azul além de ter imensas frestas, por baixo tinha um enorme espaço que dava até para ver os pés de quem passava lá fora.

assim continuou aquele “amasso” com ela puxando-me definitivamente o bikini para baixo até meio das coxas e a enfiar-me os dedos na ratinha já para lá de molhada enquanto me apertava e chupava um dos mamilos já fora do top. aquela adrenalina, o risco, o medo, a excitação e a agressividade lactente e presente naquele momento fizeram-se vir em pouco tempo momento que ela aproveitou para se baixar e lamber-me o clítoris enquanto a minha ratinha pulsava por dentro.

lavámo-nos o melhor que pudemos e regressamos à mesa onde o namorado dela já bebia café – demoraram vocês – disse ele – até já pedi café para mim, querem?não obrigada – disse eu – estava complicado – disse a “su” – o quarto de banho estava superpovoado – rematou ela sorrindo.

era tempo de descansar, desfrutar um pouco da sombra, do ar puro e da companhia porque, afinal de contas, essa seria a nossa última noite por lá, no sábado à tarde regressaríamos às nossas vidas ocupadas e não sabemos quando poderemos repetir.

sinto-me: nostalgica
banda sonora: michael gray - the weekend
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:33

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009

aconteceu – no wc do emprego (continuação)

e não é que ela cumpriu a promessa e voltou mesmo. ainda o relógio não marcava 12:30 já ela lá estava, cumprimentou-me como se não me visse há pelo menos 12 século e perguntou se a “chefa” estava. entrou para falar com ela e apesar de estarem mais 3 pessoas na sala ainda conseguiu com um gesto e um olhar apontar-me novamente para a porta do wc. senti um arrepio de cima a baixo. acho que as férias lhe fizeram mal, ou demasiado bem, se antes andava, como diz a “su”, e passo a citar: com ela a pinchar; agora parece que afinal a fera que havia dentro dela despertou ainda mais e estava de garras mais afiadas que nunca.

 

ao sair, minutos depois, ainda conseguiu atirar-me um “xoxo” e a passar a porta e sem se voltar fez-me aquele sinal tão dela e que bem conheço que quer dizer qualquer coisa como – se precisares de alguma coisa, liga-me!

sinto-me: carnavalesca
banda sonora: andré sardet – adivinha quanto gosto de ti
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:44

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009

aconteceu – no wc do emprego

para não dizerem que conto apenas coisas passadas, venho aqui relatar agora mesmo algo que me aconteceu há poucos minutos.

 

estava eu, ainda quase a dormir, no ponto de trabalho há breves minutos quando senão me aparece quem, a lorena – que fazes aqui? – perguntei eu surpreendida com a visita nada habitual – vim levar umas coisas para a tua “capo” (chefe, patrõa, etc.) – ah, pensei que me vinhas fazer uma visita? ;) – sim, também! ;) – e tu achas que ela está aqui a estas horas?não, por isso que disse que vinha também fazer uma visita! ;) – queres um café enquanto esperas?eu também vou beber um que ainda não tomei e estou a dormir em pé ok, pode ser!

 

fomos à “cozinha” fazer o café que, já agora, melhorou, e muito, desde que puseram a nova marca (obrigada lavazza) ;) e a lorena sai-se com uma cena inesperada, enquanto bebia o café dela, sentou-se em cima da bancada ao lado da máquina e pernas entre-abertas – olha aí que ainda entra alguém! – disse-lhe eu meia assustada com o gesto – que foi? qual é o problema? – diz ela – problema seria que ficasse assim – e dizendo esta frase sobe um dos pés para a bancada abrindo ainda mais as pernas e escancarando-me as cuequinhas à vista. tu és mesmo impossivel! – disse eu – porquê, não gostas agora? ah já sei, pouco “caldo”, assim está bem? – diz ela novamente passando a pegar no café com uma mão e a passar um dedo nas cuequinhas fazendo sobressair ainda mais as formas da sua ratinha por detrás delas. mas tu estás louca? já viste se aparece aqui alguém? está sempre gente a entrar e sair daqui o dia inteiro!humm, já percebi! – disse ela dando um último golo no café e pegando-me pela mão. que foi? que estás a fazer? – disse eu, e me confesso, já com as pernas bambas.

 

abriu a porta do wc para deficientes motores e empurrou-me literalmente lá para dentro, fechando a porta em seguida – querias um local mais calmo, era isso? – ainda de café na mão fui forçada a bebê-lo quase num golo enquanto ela me encostava à parede e me puxava a saia para cima e as cuequinhas para baixo num movimento tão brusco que quase as rasgou, apoiando um joelho no chão abriu-me com ambas as mãos e chupou-me o clitóris com alguma força – gemi – aquela brusquidão toda estava a dar-me tesão e a adrenalina subia a cada segundo com o medo de sermos apanhadas por alguém a qualquer segundo, chupou-me e lambeu-me como ela tão bem sabe e metendo-me um dedo dentro começou a fazer movimentos em espiral enquanto me lambia o clitóris, não aguentei nem 2 minutos sem me vir, aliás, ao contrário do que costumo fazer, acho que me concentrei o mais que pude em tudo o que sentia para me vir rapidamente pois se, por um lado, não queria ser apanhada ali, por outro também não queria perder o momento com fingimentos ;)

 

lambeu-me a ratinha melada e disse – humm, que bem que sabe depois do café! – apenas lhe disse – és louca, totalmente louca, só pode! dizendo adeus com os dedos saiu porta-fora do wc dizendo – assim não é justo, mas ok, diz à tua “capo” que volto cerca da hora do almoço!

sinto-me: uau
banda sonora: katy perry - hot n cold
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:16

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008

fetiches – haverá limites para a imaginação?

há tempos, em grupo de amigos, conversavamos sobre o tema, os fetiches, e se os há do mais “fora do comum” que possamos pensar. provavelmente já todos ouvimos falar de pessoas que gostam “disto” ou “daquilo”, ou já lemos nalguma revista ou jornal sobre o assunto, mas, naquele pequeno grupo de pessoas tão intimas umas das outras haveria tanto a revelar.

 

em primeiro lugar chegamos à brilhante conclusão de que todos, sem excepção, tinha um ou vários fetiches, se no capitulo dos homens havia um mais do que comum, as mulheres revelavam-se mais criativas e originais. mas porque será que todos os homens gostam ou gostariam de estar com duas mulheres ao mesmo tempo? – questionei-me. terão vocês dois “coisos” para usar simultaneamente em cada uma delas? rimos todos, mas o facto é que nenhum deles conseguiu explicar o porquê desse fetiche masculino universal.

 

no que aos fetiches estranhos o “j”, mais conhecido pelo nome artístico de “johnny bravo” revelou-nos um dos seus “fantasmas no armário”, quando andava na faculdade teve umas saídas com uma miúda que, basicamente, e resumindo a coisa, só queria que ele lhe desse pancada, mas, segundo ele, não eram cá “pancadinhas amorosas” era pancada mesmo da “grossa”, daquela de deixar marcas. pior do que isso é que, ao que parece, ela pagava mais ou menos na mesma moeda e passando a citar o “j”: “...num broche de 5 minutos deixou-me inactivo para 15 dias...”.

 

violências à parte de muito mais se falou em termos de fetiches e a certa altura a “tê” sai-se-me com esta: “o que eu mais gosto é de meter o dedinho no cuzinho do meu namorado, é logo!”, é logo? mas é logo o quê? – perguntei eu, curiosa e desbocada como sempre – é logo! ele vêm-se logo! – respondeu ela já meio envergonhada com o meu questionário.

 

já tinha ouvido falar desse assunto, ou melhor, de que os homens tinha zonas muito sensíveis no ânus ou junto dele, mas que fazer isso os fizesse vir “na hora” era novo para mim.

 

a “su” sempre sem pejos em abordar as suas experiências mais ou menos bizarras resolveu contar ao grupo uma história que eu já conhecia de há muito, uma experiência de um daqueles “namorados de verão” dela, o gajo adorava enfiar-lhe o “coiso” até à garganta e sem sequer avisar, diz ela que só pensou que ia morrer sufocada, por sorte não tinha comido, senão tinha vomitado tudo.

 

realmente há cada um/uma, porque será? será que o sexo dito normal não é interessante o suficiente? o que serão na verdade os fetiches e quem os inventou? eu confesso que sempre me excitou o risco, a adrenalina, os locais públicos, o ar-livre, a sensação de poder estar a ser vista por algum mirone e, digamos, a minha fantasia sexual mais arrojada neste contexto acho que era mesmo o confessionário, isso mesmo, aqueles locais das igrejas onde as pessoas confessam os seus pecados, um pouco como eu faço neste meu diário.

sinto-me: bem
banda sonora: brandi carlile - the story
publicado por diariodeumamulhermadura às 13:13

link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
Segunda-feira, 21 de Julho de 2008

o sexo e a areia nas virilhas

uma frase de uma “nova” colega de trabalho fez-me reflectir sobre um assunto que toda a gente fala mas que das duas, uma, ou nunca experimentaram ou então são muito resistentes.

isso mesmo, o “sexo na praia”, isto porque ela me perguntou no outro dia quando ia de férias e eu disse – está quase, mais umas semanas para a praia ao que ela respondeu – uh, verão, calor e sexo na praia! sei que ela o disse na brincadeira mas a verdade é que toda a gente fala de “boca-cheia” do sexo na praia, pois eu digo, eu já experimentei e, não gostei nada! é um facto, não gostei! não do sexo e muito menos da companhia que era óptima, mas da sensação em si, areia por todo o lado (principalmente em zonas onde ela não deveria entrar) e frio, muito frio.

decidi reflectir sobre o assunto e cheguei à conclusão de que o sexo na praia só pode ser uma invenção tropical ou seja, para praticar em locais onde o calor abunda mesmo durante a noite, é que apesar de a areia ter sido muito desconfortável o pior acho que foi mesmo a sensação de humidade da areia fria que me invadiu até aos ossos. conclusão, não desfrutei nada como deveria e o que seria à partida um óptimo estimulante transformou-se numa enorme frustração e numa péssima experiencia, a não repetir, pelo menos para mim, mas, se calhar, o problema é meu, é que sou muito friorenta e prefiro sem sequer hesitar uma manta fofinha em frente a uma lareira no inverno à areia de uma qualquer praia mesmo que o tempo seja bom.

ainda bem que praia não significa só areia e há outros locais muito interessantes para “acasalar” (como diz a “su”) mas isso ficará para outra página deste diário, razão para dizer – não perca o próximo porque nós também não! ;)

 

sinto-me: desiludida
banda sonora: allanis morissette - underneath
publicado por diariodeumamulhermadura às 08:21

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

um comboio rápido demais

o relógio marcava 7h50 de uma manhã de agosto que começava quente e se anunciava tórrida. a estação de s. apolónia estava quase deserta. o meu olhar vazio para a linha era apenas cortado por um ou outro turista com ar de nórdico de mochila às costas que passeavam de um lado para o outro parecendo não saber muito bem para onde ir. o comboio era às 8, ou, pelo menos era essa a hora para a qual estava previsto. estava desejosa que chegasse depressa e a espera e o calor estavam infernais (detesto esperar). ia visitar familiares ao norte numa daquelas visitas anuais e quase de cortesia encomendada pela minha mãe.

finalmente chegou e, curiosamente, na hora prevista, entrei e procurei o meu lugar. não sabendo bem porquê não era à janela (e eu quero sempre lugares à janela) como não estava quase ninguém resolvi mudar de lugar, o comboio ia quase vazio, não iria ter o usar de estar a usar um lugar comprado por outra pessoa. o alfa pendular iniciou o seu andamento, realmente este comboio nada tinha a ver com os que me lembrava da minha infância quando fazia esta viagem todos os anos, religiosamente.

primeira paragem, estação do oriente, nunca a tinha visto desta perspectiva, era realmente um local muito bonito para quem viaja dentro do comboio e pode apreciar as vistas sem um “mar de gente” como era o caso, mas também pouco passava das 8 da manhã. um homem de meia-idade de fato e gravata e carregando uma pasta preta entrou na carruagem onde eu seguia e olhando para o talão que tinha na mão procurava o seu lugar. chegou junto de mim e sentou-se na fila imediatamente à frente. pensei de imediato, “bolas, estava a ver que ele ia querer o meu lugar, era mesmo azar”. como não tinha nada para fazer decidi observa-lo. mal se sentou tirou um computador portátil da pasta e ligou-o. estava a trabalhar em qualquer coisa que não percebi muito bem o que era, mas parecia qualquer coisa de engenharia pois tinha uns desenhos e esquemas. fui tão “descarada” na minha “cusquice” que ele sentiu-se observado e olhou para trás. sentei-me envergonhada, que raio de ideia a minha andar a bisbilhotar no trabalho do homem. passados alguns minutos voltei a olhar e o documento de trabalho tinha dado lugar a um caixa de entrada de e-mails que ele estava a consultar. obviamente que não me ia meter nos assuntos dele mas as risadas que vinham do seu lugar chamam-me a atenção. percebi que estava a ver filmes enviados por e-mail, eram uma espécie de clips de vídeo com acidentes e outras situações mais ou menos cómicas. ouvi um bip-bip contínuo durante alguns segundos, ele fechou o ecrã do computador e olhou em volta. dirigiu-se a mim – desculpe, posso por ventura mudar-me para junto de si?é que tenho bilhete para esse lugar porque aí tem tomada para ligar o computador. ah, claro que sim, eu é que peço desculpa por estar a ocupar o seu lugar, é que gosto de ir à janela e não sei como comprei o lugar errado. não tem problema, só preciso mesmo de ligar o computador porque está sem bateria.

sentou-me ao meu lado e voltou a ligar o computador e a ver os tais vídeos que eu ia espreitando aqui e ali. a certa altura ele abre um ficheiro completamente pornográfico ;) daqueles que recebo da “su” quase diariamente, era terrível aquele ficheiro porque abre uma imensidão de fotografias e quanto mais tentamos fechá-las mais imagens abrem em cascata. não me consegui conter e ri-me. ele percebendo que eu tinha visto o que era ainda ficou mais atrapalhado e envergonhado e fecham o ecrã. para quebrar aquele gelo que se instalou disse-lhe – é fácil, basta carregar na tecla “esc” que isso fecha tudo! ele riu-se ainda meio envergonhado, abriu de novo o computador e carregou na tecla fechando o programa. obrigado – disse ele. os meus amigos às vezes lembram-se de cada uma que só me fazem passar vergonhas. não faz mal, todos recebemos coisas dessas no e-mail, até achei engraçado foi ver a reacção dos outros imaginando a minha quando isso me aconteceu no trabalho ;)

aquele momento acabou por “quebrar o gelo” e dar início a uma conversa. fiquei a saber que ele ia a caminho do porto para uma reunião de negócios. passamos um bom tempo à conversa e quando dei pelo comboio parar novamente já estávamos em coimbra. disse-lhe que a minha viagem era só até espinho e ao chegarmos ao meu destino ele surpreendeu-me. perguntou-me se tinha um tempo ou se estava com muita pressa para o meu compromisso. disse-lhe a verdade, não estava com pressa nenhuma e ele acabou por sair comigo em espinho e convidou-me para um café. sentamo-nos numa esplanada à beira-mar. vinha um ventinho muito apetecível do mar que ajudava a refrescar um pouco. conversa puxa conversa e já era quase hora de almoço. perguntei-lhe se não tinha o compromisso e se estava a atrasar. disse que a reunião dele era só à tarde, mas que ia sempre com muita antecedência para o caso de acontecer alguma coisa pelo caminho ter tempo e não chegar atrasado. era um tipo interessante, bem-parecido, mas tinha aspecto e conversa de quem se dedicara ao trabalho a 100% e se tinha esquecido de viver “as coisas boas da vida”. sem querer (ou talvez não) toquei-lhe com o pé na perna ao cruzar as minhas e apercebi-me de como isso tinha mexido com ele. era realmente um tipo “estranho” parecia que qualquer troca de olhares normal na conversa era assumido quase como uma provocação. comecei a ter um certo receio do que dali poderia vir. queria ir-me embora mas já tinha dito que não estava com pressa e foi então que “magiquei” um plano arriscado mas que poderia ser a minha salvação.

comecei, por assim dizer, a ser mais insistente com as provocações, digamos que “a expor-me mais”, deitei-me para trás na cadeira como que procurando o céu por detrás daquele chapéu-de-sol amarelo que me protegia dele. percebi logo que a posição era o suficiente para que ele me pudesse “observar” mais descaradamente sem ser rapidamente apanhado. olhou directamente para as minhas pernas e fixou-se nas minhas coxas bastante expostas pela posição. passados alguns minutos debrucei-me para falar com ele dando-lhe a olhar toda a profundidade do meu “generoso” decote. notei que estava excitadíssimo e isso começava a notar-se, estava a ter uma erecção, ele estava a ficar “de pau feito” com aquelas coisas e o meu plano estava a resultar. resolvi abusar (e ver até onde é que aquilo ia) rodei e afastei ligeiramente a cadeira e fui, lentamente, entreabrindo as pernas para que ele pudesse observar directamente para dentro delas. felizmente estava com as cuequinhas nesse dia e deve ter sido só isso que ele viu, o que imaginou não faço ideia, mas é um facto que alguns segundos depois saiu a correr dizendo que tinha que ir ao wc e foi a chance que eu estava à espera para ir à minha vida.

nitidamente aquele homem estava a precisar de uma mulher mas não iria ser eu com toda a certeza, assim ficamos, acabei por faze-lo ejacular (ao que parece) nas calças e tudo isto sem sequer lhe tocar, o que apesar da nítida necessidade em que ele estava, me fez bem ao ego saber que ainda tenho qualidades que me permitem coisas destas ;)

 

sinto-me:
banda sonora: pedro khima - o gesto que é meu
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:07

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

sexo em locais públicos – fim-de-semana alentejano

 

um dos muitos “fetiches” que coloquei em prática com o meu “ex” da altura foi o chamado “sexo em locais públicos”, outro dia contei-vos acerca da experiencia no provador de uma loja. hoje quero contar-vos acerca de outra experiencia, mas desta vez, literalmente, ao ar-livre.

era um fim-de-semana prolongado tinha à muito decidido meter um dia de férias e aproveitar a “ponte” para fazermos um fim-de-semana a 2. o meu “ex” tinha um emprego por conta própria que lhe permitia certos “luxos” como estes sem ter que dar explicações a ninguém.

estava um belíssimo dia de sol e rumamos para o alentejo, ele tinha alugado um quarto numa quinta de turismo rural e iam ser uns dias para total descanso longe do mundo e das correrias do dia-a-dia.

ainda não tínhamos chegado ao destino, passeávamos a uma velocidade moderada por uma estrada secundária ladeada por campos de girassóis. estavam abertos, com umas cores fabulosas contrastando com um céu azul apenas salpicado aqui e ali por pequenas nuvens brancas. podemos parar um bocadinho? – disse eu. sim, claro! quero ir ali ver os girassóis de perto. saí do carro e pulando, literalmente, a cerca entrei pelo campo de girassóis dentro. era magnífico, os girassóis estavam altíssimos, com uns 2 metros de altura ou mais cobriam-nos e escondiam-nos por completo. olha que ainda aí aparece o dono disso! – gritou ele lá do fundo. e foi aí que tive uma ideia brilhante, estava disposta a surpreende-lo por completo e era simplesmente o momento e o local perfeito para isso. chamei-o. o que foi? - disse ele. anda cá ver uma coisa!

à medida que o sentia avançando por entre os girassóis e o ia guiando com a minha voz decidi despir-me com alguma rapidez. deixei de o ouvir. perguntou – para onde agora? por aqui, não vês o sítio por onde passei? avançou novamente e passou quase na minha frente mas sem me ver. os girassóis naquela zona estavam mesmo bastante densos e noutras zonas apareciam algumas clareiras.

coloquei-me atrás dele e aproximei-me. ele sentindo o movimento voltou-se e foi aí que teve a visão do que tinha feito. estava completamente nua, tinha ficado apenas com os sapatos. uau! – disse ele. que é que estás a fazer assim? porquê? não gostas? anda cá! quero-te! aqui e agora!

abraçamo-nos e beijamo-nos longamente enquanto ele se ia despindo também com a minha ajuda. baixei-me puxando-lhe os boxers para baixo e abocanhando-lhe logo o zezinho que já estava algo excitado. chupei-o com força e alguma profundidade ficando imediatamente duro, muito duro mesmo. senti que ele, como eu, estava excitadíssimo com toda a situação. chupei-o por mais uns minutos, colocando-me em seguida “de gatas” no chão e dizendo-lhe – anda, quero-me que fodas por trás! ele ficou louco! ele adorava comer-me naquela posição. enfiou-me o pau duríssimo na ratinha que já pingava de tesão e deu-me uma estocada até ao fundo fazendo-me abrir a boca e gemer de prazer. e por ali continuou dando-me com força, com muita força mesmo, senti que ele estava realmente excitado e pedi-lhe que me fodesse mais e mais – quero com mais força! fode-me! mais! – disse-lhe por diversas vezes. largou-me a cintura e pegou-me nas maminhas continuando a dar-me estocadas fortíssimas até ao fundo. sentia-o todo dentro de mim e que duro que estava, já me tinha feito vir duas vezes quando ouvi - ai, vou-me vir! vem-te, vem-te! – disse-lhe eu. quero que te venhas para as minhas costas! quero sentir o teu leitinho quente em cima de mim! e passados segundos foi isso mesmo que senti, um enorme jacto de leitinho que me invadiu as costas por inteiro ao qual se seguiram outros cobrindo-me as costas de leitinho quente. nunca o tinha visto a ter um orgasmo tão longo e com tanta quantidade de leitinho, tal como nunca o tinha sentido tão duro e tão grande. beijamo-nos. ele correu ao carro para buscar algo onde me pudesse limpar para me voltar a vestir.

assim que saímos do campo de girassóis e entramos no carro ouvimos um barulho de motor. olhamos em volta e vimos um agricultor no seu tractor que acabava de chegar junto a nós, olhou-nos mas não disse nada. arrancamos com o carro e olhamos um para o outro – foi por pouco – pensamos, mas estávamos ambos tão saciados que nem nos preocupamos com isso. o hotel esperava-nos e o fim-de-semana prolongado acabara de começar.

sinto-me: maravilhada
banda sonora: alicia keys - no one
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:01

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 3 de Junho de 2008

caraíbas – sol, praia e sexo

as férias estavam a correr bem melhor após o novo bikini, o sol e a temperatura convidavam a um banho nas águas azul-turquesa e lá fui eu. quando voltei tinha vizinhos, um casal tinha-se instalado ao meu lado. percebi após alguns minutos que eram italianos e acabamos por trocar dois dedos de conversa num misto de italiano, português e inglês  eram de génova e estavam ali em lua-de-mel. deviam ter mais ou menos a minha idade, talvez até menos e estavam ambos muito bem cuidados do físico. o tom de pele deles indicava que já por ali estavam há uns dias. ele morenão, ela loirita, formavam um casal muito giro e sensual. ela meteu conversa comigo dizendo que gostava muito do meu bikini (fiquei ainda mais orgulhosa com a compra). o dela também lhe ficava muito bem, mas se o meu era “pequenino” o dela era uma miniatura. disse-lhe que inveja a coragem dela para o vestir mas que lhe ficava muito bem. rimos e conversamos um bom bocado. confessou-me que não costumava vestir coisas tão mínimas pela europa mas que tinha sido uma prenda “especial” do marido para a lua-de-mel.

ele vestia uma daquelas “sungas” à brasileiro (e pelos vistos à italiano) altamente sensuais e que deixavam igualmente transparecer as suas formas e dimensões ;). é verdade, confesso, não resisti a olhar diversas vezes para ele apreciando as ditas “formas e dimensões”. acabamos por ir almoçar juntos ali mesmo num restaurante esplanada dentro do areal. depois do almoço eles foram fazer uma “sesta” (pensava que eram só os espanhóis) e eu fiquei à sombra a ler um livro na mesma esplanada, resguardando a minha pele “branco-lixivia” daqueles raios de sol violentos.

passadas algumas horas voltaram à praia já eu estava de volta à espreguiçadeira e quase a dormir. convidaram-me para um mergulho no mar e como não tinha mais o que fazer mesmo, lá fui. tinha tido como objectivo destas férias “fugir” de tudo e de todos, mas confesso que aquela surpreendente companhia desconhecida e bem-humorada me estava a fazer melhor que o completo isolamento. mais uns minutos e decidi recolher-me ao quarto, tomar um demorado banho e vestir algo diferente para a noite. estava disposta a ver como era a noite daquele local e se valeria a pena ou não.

o jantar era “buffet” uma mistura de tudo um pouco, desde as caraíbas à europa e até áfrica. sentei-me numa mesa ao fundo da sala e decidi começar a provar um pouco daquelas iguarias. estava eu a deliciar-me com uma salada de lagosta quando ouvi um “buona sera”, eram eles de novo e estavam deslumbrantes, ela de vestido de gala todo branco muito fino e transparente com apliques em prateado, parecia quase um daqueles vestidos de “danças de salão” e ele também muito elegante de fato mas sem camisa mostrando o peito musculado. pareciam duas estrelas de cinema na noite dos óscares. acabei por passar a noite com eles e fomos juntos beber uns “drinks” depois do jantar.

a noite foi muito gira e acabamos por nos conhecer melhor, combinamos encontrarmo-nos no dia seguinte na praia mais ou menos no mesmo local mas sem hora marcada porque nestas coisas de férias não há espaço para a ditadura dos relógios.

no dia seguinte quando cheguei à praia lá estavam eles a desfrutar do sol e do mar, reparei que a sunga do marido tinha mudado de cor e se no azul que tinha antes já era o que era, nem vos digo de como ficava em branco e molhada, digamos que era quase como se estivesse “nú” aos meus olhos. pela primeira vez senti real inveja dela, ele era muito bom mesmo. confesso que nessa manhã fiquei largos minutos perdida na sunga dele, tão perdida que a certa altura fui “caçada” pela mulher a olhar para ele. assustei-me ao ver que tinha sido “apanhada” e pedi-lhe desculpas, ela riu-se e disse: não faz mal, eu sei o que tenho! e estou habituada a que muitas mulheres o desejem. somos muito liberais nessas coisas, somos muito unidos, inseparáveis mesmo, por isso que não tenho medo de o “perder”. sorri também ainda meio envergonhada e acabei por comer à pressa e me refugiar do sol mais cedo do que o normal e, desta vez, no quarto.

deitada na cama tentando ler o livro mas aquelas formas não me saiam da cabeça, o homem era mesmo “bom demais”.

saí apenas ao final da tarde e fui para a piscina mas não demorou nem uma hora para que nos voltássemos a encontrar, algo tinha mudado, sentia-o. podia ser só o meu receio pelos pensamentos que tinha tido, mas sentia que algo tinha mudado. convidaram-me a ir para outra piscina, uma mais pequena e mais reservada na parte destinada aos casais em lua-de-mel, pensei em recusar mas acabei por ir, era uma zona muito mais reservada do hotel, de acesso quase exclusivo e sem janelas para evitar “mirones”. entramos os 3 na água mas após alguns minutos reparei que a mulher tinha saído e estava enrolada na toalha. vou subir! divirtam-se! e piscando-me o olho saiu. assustei-me um pouco. que é que ela quereria dizer com “divirtam-se”. percebi rapidamente, o marido aproximou-se e encostando-se a mim fez-me “senti-lo”, arrepiei-me toda e os meus mamilos denunciaram-me de imediato explodindo de tão duros. tocou-me e eu não consegui recusa-lo, não consegui afasta-lo de mim nem sequer questionar qualquer coisa do que estava a acontecer. colocou-me as mãos grandes e fortes na barriga e subindo lentamente retirou-me o top do lugar aconchegando as minhas maminhas nas suas mãos. eu está já a “ferver por dentro” e ele pegando-me ao colo, levantou-me como uma pena e colocou-me no bordo da piscina. abrindo-me as pernas puxou-me as cuequinhas do bikini para o lado e chupou-me de imediato o clítoris com alguma força. não contive um longo gemido. continuou a lamber-me toda num vulcão de sensações, nunca tinha sentido uma língua assim, parecia que torcia e retorcia entrando e saindo de mim, tocando em tudo o que era lugar. não demorou muito até que me viesse num orgasmo enorme, muito alto na escala da “su” ;) ainda não me tinha refeito da sensação e reparei que a mulher já estava ao nosso lado, olhou para mim, sorriu e disse: agora, o resto é para mim e dizendo isto sentou-se numa espreguiçadeira, baixou-lhe a sunga e chupou-o todo de ponta a ponta. fiquei inebriada com tudo aquilo, pasmada com o que me estava a acontecer. chupou-o e lambeu-o por algum tempo até que ele se veio num jacto que lhe invadiu a cara e a boca. com o dedo ele apanhou tudo o que tinha saído e guiou-o para a boca dela que o engoliu todinho, depois, deram um enorme beijo de língua com as bocas meladas do "néctar" dele e piscando-me o olho despedindo-se de mim.

saí da piscina rapidamente e dirigi-me ao quarto. entrei na banheira, deitei-me e pensei: estas férias realmente estavam a ser inesquecíveis.

 

sinto-me: boquiaberta de espanto
banda sonora: david fonseca - rocket man
publicado por diariodeumamulhermadura às 03:07

link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Sexta-feira, 23 de Maio de 2008

calores imensos

verão, férias, praia, calor, míni-saias e muita festa. estava eu no quarto a brigar com as gavetas da roupa quando entra a “su” – olha lá, tu não te despachas hoje? está tudo à tua espera! não consigo encontrar umas cuecas de jeito – respondi eu já para lá de danada. ela riu-se a bom rir (o que me enervou ainda mais) e, em seguida, soltou umas das suas brilhantes pérolas do “desenrascanço” – então, grande problema, nada mais fácil, vais sem elas! estas mas é parva, vou agora sem cuecas para a rua e ainda por cima com uma míni-saia destas, havia de ser bonito. então porque não, vais com um look paris hilton ;) e riu novamente a bom rir. pois, mas eu não sou a paris hilton para andar por ai numa boa a mostrar a ratinha ao pessoal.

cafona! arcaica! medieval! – retorquiu ela rápida e até algo agressivamente. olha vai com as cuecas da minha avó, se quiseres peço-lhe umas daquelas até ao pescoço! se nervosa estava fiquei em ponto de ebulição, detesto que me falem assim! ai é? eu é que sou a “velha” aqui, então vais ver, já me estou a vestir e não levo nem cuecas nem soutien, hoje vai tudo ao léu. e tu minha paleolítica? vais de cuequinhas não é? (confesso que depois pensei que não fazia grande sentido aquilo que acabara de dizer até porque se fosse paleolítica com certeza não deveria usar cuecas ).

desafio lançado e desta vez, por mim. a estes desafios a “su” nem pensa, age. e antes que eu pudesse dizer mais alguma coisa já ela estava de cuecas na mão e a atirar-mas para cima. soutien não tiro porque já não tenho, fica mal com este top. por acaso era verdade, o top dela era muito giro e totalmente despropositado para um soutien manhoso a aparecer, tal como o cai-cai que eu decidi vestir.

tudo pronto, e bem arejado, lá saímos nós para jantar totalmente cabriolet, ou como disse a “su” com um look paris hilton.

confesso que no início me fez alguma confusão saber que estava sem nada por baixo e que à mínima coisa poderia ficar numa posição algo desconfortável, mas à medida que as horas foram passando e a animação ganhando terreno esqueci-me até desse pormenor.

a noite foi óptima e era já perto de 6 da manhã quando saímos da discoteca já bem alegremente alcoolizadas e sem a menor noção de como tínhamos saído de casa. entre sair da discoteca e voltar a casa a “su” lembrou-se que queria porque queria ir ver o nascer do sol na praia e lá fomos, sentamo-nos na areia fria e algo húmida da praia e ali ficamos por alguns minutos meio anestesiadas a olhar o mar na esperança de ver o sol nascer. pela praia passeavam alguns turistas que pareciam ter o mesmo programa e foi já com o sol à vista que nos lembramos, olha lá, a gente estamos sem cuecas! pois é! e agora? estamos aqui sentadas à quase uma hora, já passou tanta gente, nunca mais me lembrei disso.

não faz mal – diz a “su” descansadamente, se alguém nos viu nestas figuras por certo irá recordar para sempre este lindo nascer do sol ;)

 

sinto-me: descapotável
banda sonora: colbie caillat - realize
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:59

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Maio de 2008

fetiches por cuequinhas

estava eu a beber o meu cafezinho do final de tarde de verão na esplanada, desfrutando do sol já baixo e do som do mar quando sou interpelada pela “su”. olha lá, já viste aquele ali? que é que tem? não pára de olhar para as tuas pernas, está a ver se dás uma hipótese e ele te topa as cuequinhas. quê? se me vê as cuecas? para quê? queres ver que não sabes que os gajos são viciados em ver as nossas cuequinhas. há gente mesmo louca, faz tudo por um bom “upskirt”. há mais isso tem nome técnico e tudo? claro que tem, chama-se “upskirt” ou, traduzindo, “saia-acima”, é uma verdadeira religião.

ok, confesso que uma lingerie bonita pode ser muito interessante, mas daí a haver viciados em cuequinhas, são viciados em quê? não vêem nada mesmo, a menos que estejamos sem elas ;) rimos as duas lembrando um outro assunto que fica para outro dia ;)

sim, mas isso é isso que lhes dá “pica”, imaginarem que podem ver ou o que podem ver a qualquer momento, bem como imaginar o que está por detrás do tecido muitas vezes transparente, como tu gostas ;)

mas se ele quer ver cuequinhas, então cuequinhas vai ter? que é que vais fazer? não sejas louca? chiuuu, abre lá as perninhas! és mais é louca, vou agora abrir as pernas ao gajo que nem conheço e além do mais é feio que se farta ;) nada disso, abre as pernas mas não directamente para ele, desvia-te um pouco para o lado só para vermos o que ele faz. assim fiz e, realmente, não demorou mais do que alguns segundos para que o homem mudasse de mesa de forma a tentar “ver a cena”. o homem é louco, não abro mais as pernas coisa nenhuma, ainda me ataca. não ataca nada, vamos lá as duas, ao mesmo tempo, estás preparada? (ela sabe que detesto estes desafios) estou! se é assim, cá vai disto! e dizendo isto abrimos ambas as pernas de forma quase a escancarar as ratinhas aos olhos de um individuo de bigode, com cara de louco e que não conhecíamos de lado nenhum. o homem mudou literalmente de cor, ficou boquiaberto e quase a babar olhando directa e prolongadamente para o interior das nossas saias. a “su” ria-se que nem uma perdida, quase descaradamente. cala-te! ele ainda nos “topa” a cena. quero que ele se lixe! – diz ela rapidamente, não queria ver cuecas, aqui tem! e são bem bonitas! ;) rimos as duas.

passados alguns minutos nisto o homem sai apressadamente da mesa onde estava e vai embora. a “su” grita – olha olha o gajo, vai-se embora, aposto que vai “bater uma” à nossa custa! vai o quê? claro que vai, aposto que se vai tocar pensando naquilo que viu e que não viu mas imaginou.

está bem, mas vamos embora, está a ficar tarde e essa ideia agora deixou-me pouco confortável, ainda está por aí nalguma esquina à nossa espera para nos agarrar. isso é que era bonito. levava logo e não eram poucas.

confesso que mais tarde fiz uma busca no google pelo tal “upskirt” e percebi que realmente, e como a “su” dizia, parece quase uma religião. ao que parece, sem querer, hoje tínhamos “dado missa” ;)

 

sinto-me: curiosa acerca do assunto
banda sonora: entre aspas - uma pequena flor
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:49

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

mini-férias escaldantes -...

aconteceu – no wc do empr...

aconteceu – no wc do empr...

fetiches – haverá limites...

o sexo e a areia nas viri...

um comboio rápido demais

sexo em locais públicos –...

caraíbas – sol, praia e s...

calores imensos

fetiches por cuequinhas

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

segredos do diário

blogs SAPO

subscrever feeds