Quinta-feira, 4 de Junho de 2009

no comments

estão a ver aquela secção do canal “euronews” onde aparece sempre uma reportagem “sem comentários”, pois é, hoje, ao abrir o meu e-mail também fiquei assim “sem comentários”.

e perguntarão vocês, mas porquê?

resposta: vide secção dos “segredos dos leitores” que ficou a partir de hoje bem mais colorida e mais não digo.

sinto-me: sem comentários
banda sonora: sem música
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:40

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

o uso dos dildos - resultados finais

olá a todos, bem sei que o meu diário anda um bocadinho "parado" como alguns de vós afirmam e me fazem chegar essa "reclamação", mas acreditem que é bom sinal, é sinal que estou a preparar algo diferente e, espero, melhor.

 

hoje venho dar-vos conta dos resultados de mais uma dúvida existêncial, perguntava aos leitores deste diário se já usaram vibradores ou dildos e como, ou, se nunca o fizeram, se pensam vir a fazê-lo.

 

Estes foram os resultados das vossas respostas:

 

 - com 36%, saindo vencedor, ficou o "não, mas penso vir a fazê-lo";

 

 - logo seguido do "sim, em ambas as situações" com 21%, ou seja, já usaram e esse uso foi tanto a "solo" como com companhia;

 

 - no terceiro lugar com 19%, ficou o "sim, mas exclusivamente com o parceiro(a)";

 

 - e, por fim, ficaram empatados no último lugar com 12% as respostas "não, nem penso vir a usar" e o "sim, sozinho(a)", ou seja, são tantos aqueles que nunca usaram esse tipo de objecto como os que o usam exclusivamente para o prazer a "solo".

 

deixadas as conclusões fica o meu obrigada a todos que participaram e participam nas minhas "dúvidas", até breve.

 

sinto-me: ansiosa
banda sonora: within temptation - memories
publicado por diariodeumamulhermadura às 02:14

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008

os males que fazem as férias

3º dia de férias, 4:36 da madrugada era a hora que marcava o relógio quando acordei sobressaltada, tinha acabado de ter um pesadelo impressionantemente estúpido. é verdade que todos os pesadelos tem normalmente algo de estúpido implícito e que normalmente são coisas que não fazem sentido mas o que acabara de ter era realmente estúpido ao quadrado.

não sei se posso dizer que foi realmente um pesadelo, na verdade foi talvez um mero sonho que pelo seu conteúdo classifico como pesadelo. ainda nem estava bem em mim, eu nem queria acreditar que tinha acabado de um sonho erótico que envolvia a minha patroa

como já aqui contei por mais do que uma vez a mulher é hedionda e não pensem que digo isso apenas por ser minha patroa ou por ser mulher, que nós as mulheres temos muito a mania de ter ódios de estimação pelas nossas semelhantes só por serem mulheres e serem mais ricas, mais poderosas ou simplesmente mais elegantes ou bonitas que nós.

o primeiro pensamento foi mesmo esse - “não pode ser!”, seguido do segundo - “estas férias estão mesmo a fazer-me mal!”. mas pior que isso ainda foi constatar um facto inegável, eu estava molhadíssima de tesão. não sei se era a falta de sexo “a sério” que me estava a deixar assim, mas se era precisava fazer algo urgente pois já estava a ter sonhos eróticos com a mulher menos erótica que conheço.

quanto ao sonho, foi um pouco como todos os sonhos, surreal, o local era nitidamente um escritório e ela continuava a ser minha patroa mas todo o resto nada tinha a ver com a realidade, o espaço não era o local onde trabalho nem nenhum outro espaço que me seja minimamente familiar. entrei no sonho sendo chamada por ela (como é normal) e a dirigir-me ao gabinete junto dela, enquanto ela mexia nuns papéis olhei e reparei que ela estava vestida de forma diferente, mais moderna e com um look mais executivo e muito mais consentâneo com a função que exerce (o que não acontece na vida real), além disso reparei que tinha uma tatuagem, (ah ah ah ah) isso mesmo, uma tatuagem no seio direito que aparecia semi-coberta pelo bonito soutien em tons bordeaux acetinado. olhou para mim e compôs-se como quem me tinha apanhado a observá-la. saí do gabinete e voltei ao meu lugar.

passados alguns minutos ela volta a chamar-me, falando-me num tom de voz totalmente fora do habitual e muito mais amigável diz-me – precisava que me desses aqui uma opinião numa coisa – sim, respondi eu, - reparei que olhaste há pouco para o meu soutien (fiquei roxa de vergonha, no sonho) o que é que achas dele? – o que acho? como? – sim, se gostas ou não gostas, mas quero que sejas sincera, estou farta de gente que me bajula e me diz que sim quando pensam o contrário! – eu não vi assim muito bem, mas acho que é bonito! – tens a certeza? não estas a dizer isso só para me agradares? – não, não, é verdade, gosto!

enquanto falávamos ela desabotoou o botão do casaco, abrindo-o e dando-me a ver o soutien quase na sua totalidade, era de facto muito bonito mas algo de muito estranho se passava na sua atitude, tudo aquilo me parecia estranho e não demorou muito até que “a coisa piorasse” – eu também gosto muito dele, comprei-o ontem, é um conjunto completo – e dizendo isto inclina-se na cadeira e puxando a saia para cima mostrando-me as cuequinhas e o cinto de ligas que lhe seguravam as meias, tudo nos mesmos tons. fiquei em choque, e os olhos quase me saltaram das orbitas “a mulher não está boa da marmita” – pensei eu.

mas fui interrompida nesse meu pensamento porque ela não fazia tenções de parar por ali, continuando – e são tão suaves – disse ela com um ar meloso passando ambas as mãos pelas copas do soutien – pois, devem ser devem! – disse-lhe eu sem saber bem o que fazer ou dizer naquela situação totalmente constrangedora. nisto esticou-me a mão e disse-me – olha aqui, sente como é macia! – e sem saber bem como nem porquê estou a sentir a textura da lingerie dela sendo a minha mão guiada pela dela que me segura pelo pulso.

apesar de já ter percebido, não sou assim tão inocentezinha (nem em sonhos), que o alcance da coisa era bem maior do que apenas sentir a suavidade da lingerie, senti-me constrangida ao perceber que o meu toque estava a fazer com que os mamilos dela estivessem a despertar e a aparecer nas copas do soutien, ela estava visivelmente a ficar excitada e não se coibiu de usar a mão livre para se começar a tocar nas cuequinhas dizendo – olha para isto! olha o que me fazes fazer! estou toda excitada! – eu? - perguntei-me a mim própria – ela é que está aqui nestes preparos parece uma gata no cio e eu é que sou a culpada?

- anda aqui! preciso muito da tua ajuda! – e dizendo isto puxa-me ficando eu de joelhos em frente à cadeira onde ela já estava quase deitada. puxou a saia ainda mais para cima e abriu as pernas pousando-as uma de cada lado dos apoios para os braços, puxou as cuequinhas para o lado e começou a enfiar 2 dedos de uma vez dentro da ratinha que jorrava líquidos do seu interior como eu nunca tinha visto antes – ajuda-me! – gritava ela! – mete-me os teus dedos! – não! com força! não sou nenhuma menina, fode-me a cona toda! com força! vai! mais força! – quase forçada por todo este ímpeto fiz o que me ordenava e poucos segundos volvidos já enfiava 3 dedos dentro dela a grande ritmo, ela não parava de gritar e de me pedir mais e mais e eu meti-lhe mesmo a mão toda dentro continuando a forçar um pouco a sua entrada que não oferecia muita resistência.

alguns minutos depois veio-se num enorme espasmo e num movimento de fecho súbito das pernas que me entalou a mão lá dentro, senti-a as contracções internas dela, olhou para mim, puxou-me para ela e deu-me um beijo na boca e foi nesse preciso momento que acordei no estado que já vos contei, molhada, quente e confusa, como poderia ter tido um sonho destes com uma mulher tão asquerosa?

a verdade é que aconteceu e era notório no meu corpo que me havia dado tesão assim sendo, adivinhem quem “pagou as favas” no meio da madrugada, claro, o meu querido desodorizante que me ajudou a satisfazer aquela necessidade imensa. tentei pensar em tudo menos no sonho, mas a verdade é que não consegui e acabei por transportar tudo aquilo que sonhei para o acto de me masturbar, até tenho vergonha só de pensar – “que mal me estavam a fazer estas férias!” – pensei antes de adormecer novamente.

sinto-me: envergonhada
banda sonora: pink – just like a pill
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:49

link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

rexona women um “deo roll-on” de grandes sensações

de férias mas retida entre 4 paredes e pior, sozinha, os desarranjos e descombinações de ultima hora assim o justificavam pelo menos por mais 2 ou 3 dias. o tédio era grande e a praia apesar de ali tão perto não me cativava minimamente pois conseguia ouvir o vento lá fora e eu detesto praia com vento. nada para fazer, se ao menos tivesse a “su” para coscuvilhar ao telefone, mas nem isso era possível. resolvi desfazer as malas e arrumar tudo muito arrumadinho em gavetas e cabides como quem vai ficar 6 meses e não 15 dias.

 

a verdade é que tinha planeado muita coisa para estes dias e a espera estava a deixar-me louca e pior que louca, louca de tesão, isso mesmo, estava com uma daquelas vontades que só eu sei e nada melhor que fazer trabalhos domésticos para “cortar” essas vontades, é melhor que um banho frio, mas nesse dia nem isso me valeu, estava mesmo “assanhada”, sentia-me desejosa por um bom “pau duro” dentro de mim (o verão faz-me destas coisas) e lembrei-me que nem sequer o vibrador tinha trazido, achei que não iria precisar, que iria ter melhor, que engano.

 

a caminho da casa de banho para colocar os meus objectos de higiene pessoal tive uma visão (nada de religioso, muito pelo contrário) o meu desodorizante, o meu rexona women que mudou recentemente de embalagem (só faço publicidade porque estes senhores merecem mesmo) e que grande e maravilhosa mudança, não sei quem o pensou, mas está realmente perfeito para uma mulher, ou pelo menos para uma mulher como eu ;) nem pensei duas vezes, descolei cuidadosa e o mais rapidamente possível todos os autocolantes da embalagem, lavei-a, tirei num ápices as cuequinhas e “cá vai disto” enfiei-o directamente na minha ratinha já para lá de molhada de desejo e que bom que era o raio do desodorizante, digo-vos mesmo, não fica nada atrás de algumas coisitas realmente feitas e pensadas para esse efeito que há por ai e com ele brinquei longa e demoradamente aproveitando tudo o que ele me podia dar naquele momento de grande necessidade.

 

após alguns minutos tive um principio de orgasmo que decidi não reprimir e levar até ao orgasmo propriamente dito em segundos caindo em seguida de costas na cama. ali, deitada, olhei uma vez mais para o desodorizante beijei-o e disse-lhe: “obrigada rexona women” por esta evolução.

 

foi realmente uma experiência muito boa e inesperada da qual me surgiu a ideia de escrever ao fabricante perguntando para quando uma embalagem de 150 ml a 200 ml em vez dos normais 50 ml ;)

 

 

sinto-me: deliciada
banda sonora: clã - sexto andar
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:59

link do post | comentar | ver comentários (22) | favorito
Quinta-feira, 24 de Julho de 2008

momentos de “mau génio” na sex-shop

a “su” convidou-me para irmos às compras e eu, claro, fui, sem sequer perguntar nada ou pensar sequer onde íamos a certa altura dou por mim a entrar numa loja de artigos eróticos (sex-shop) e pergunto-lhe – olha lá, que é que viemos aqui fazer? era aqui que me querias trazer às compras? – não, espera! – disse ela logo, mas vi aqui a loja e lembrei-me de ver as “novidades” ;) ah sei, as novidades!

já que ali estávamos decidi acompanha-la na visita à loja e realmente era parecia fascinada com as novidades, parei junto de uns aventais de cozinha extremamente cómicos com formas de mulher e homem nus mas logo ela me gritou do fundo da loja – anda cá ver isto! – passei logo uma vergonhaça pois todos os olhares da loja se voltaram para mim mas lá fui – que é que tu queres? precisas gritar? está tudo a olhar para mim! – deixa-te disso, olha aqui! – bem, que monstruosidade! – disse eu de boca aberta. para que é que isso serve? esta foi a frase que me levou à segunda vergonhaça do dia, é que atrás de mim estava uma moça que trabalha na loja que rapidamente me explicou com todos os detalhes para que servia ou poderia servia o produto – é um plug disse ela – serve para introduzir na vagina ou ânus com o intuito de induzir o prazer sexual provocando dilatação há de diversos tamanhos para quem é iniciante recomendo um mais pequeno – já roxa de vergonha agradeci a informação mas não gostei mesmo nada da conversa “pindérica” do “para quem é iniciante recomendo um mais pequeno”. o tal plug era realmente enorme, com um formato em forma de cone fino na ponta mais muito largo na base onde tinha uma espécie de ventosa, não tinha nada de fios, pilhas e essas coisas pois não tinha vibração e era relativamente curto mas mesmo muito largo na base, como é que alguém consegue enfiar isto na ratinha? e no rabo? bolas! pior ainda! pior que enfiar a mão toda lá dentro – pensei eu com os meus botões.

ainda não tinha acabado de ter esse pensamento oiço a “su” a dizer – vou levar um! – vais o quê?  foi isso mesmo que ouviste, vou levar um! talvez este – disse ela escolhendo o tamanho médio e foi nessa altura que me deu mais um daqueles meus acessos de raiva incontroláveis, não era tarde, nem cedo, era mesmo agora – ai é, levas esse, pois eu também levo um – e dizendo isto peguei no grande e segui atrás dela a caminho da caixa, ao chegar lá espetei literalmente com o “coiso” no balcão e disse – é para levar se faz favor! a moça arregalou os olhos e engoliu em seco e eu pensei – toma lá e vai buscar! – deseja mais alguma coisa, talvez um lubrificante? – não obrigada, está bem assim! e sai porta-fora cantando vitória e pensando – para a próxima não fazes sugestões sem tas pedirem oh pindérica! (sou mesmo má ás vezes eu sei).

 

(ah! ia-me esquecendo, se querem saber o que aconteceu com os plugs estejam atentos(as) aos próximos posts) ;)

 

sinto-me: controlando a fúria
banda sonora: amy winehouse - tears dry on their own
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:04

link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
Terça-feira, 1 de Julho de 2008

masturbação – poderosa terapia anti-stress

tenho andado stressada, já o saberão pois já dei disso conta, bem como dos motivos desse mesmo stress no meu último post. e para quando o stress aperta e não dá sequer vontade de estar com outras pessoas há uma terapia “a solo” que descobri há já muito tempo atrás mas que parece não ter perdido eficácia com o passar do tempo, antes pelo contrário, parece cada vez mais apurada, isso mesmo – a masturbação, mas não uma masturbação qualquer, mas não uma masturbação à pressa, “a correr” ou com tempo contado, nem sequer uma masturbação espontânea, do momento ou por impulso. antes aquilo a que chamo “vim” ou “masturbação vip”. e como é que é essa “masturbação vip”? é fácil, eu explico.

em primeiro lugar, e como já disse, não é “espontânea”, tem hora e local marcado ou, melhor dizendo, é necessário “reservar” espaço e tempo para que ela ocorra sem perturbações de qualquer espécie.

em seguida devemos tratar de nós como se nos estivéssemos a preparar para o “encontro das nossas vidas” e não como algo que como é para nós não precisamos “caprichar”, precisamos sim, aliás, exactamente por ser de nós para nós é que devemos cuidar ainda mais todos os detalhes. um banho demorado de espuma ou sais pode ser uma importante parte dos “preliminares”.

devemos também pensar no que queremos ou nos apetece fazer e preparar antecipadamente o que precisamos ou podemos vir a precisar, se gostamos de usar acessórios, lubrificantes ou seja lá o que for devemos ter “tudo à mão” e não interromper o processo a meio só porque nos lembramos de fazer “isto” ou “aquilo”.

como disse antes, nesse “período reservado” não há espaço para telefones, campainhas ou outros motivos de interrupção ou distracção, o rádio ou a tv são acessórios que poderão ser usados mas convém que não seja quando estão a dar as noticias ou algo do género.

eu é assim que faço, um belo banho seguido de uma auto-massagem com óleo para ficar macia, hidratada e sedosa. coloco uma lingerie “sexy” (tal e qual como se fosse para alguém), preparo o que preciso e coloco junto do local escolhido (isto se decidi usar algo mais que as mãos  ), desligo o telemóvel e começo a sessão vagarosa e suavemente como se tivesse todo o tempo do mundo, toco-me nos seios em movimentos circulares da base para o centro em direcção aos mamilos pondo-os duros, depois desço vagarosamente e massajo as pernas e as coxas em direcção às virilhas.

quando chego à ratinha gosto de passar um bom tempo tocando-me suavemente por cima das cuequinhas sentindo-me a ficar molhada e as cuequinhas a ficarem húmidas. depois de bem húmida gosto de passar um dedo pelo centro, abrindo os lábios e provando o meu sabor, depois coloco a mão dentro das cuequinhas (sem as tirar) e vou-me tocando mais em baixo, mais em cima, brincando bastante com os lábios, o clítoris, a entrada da vagina e até mesmo o buraquinho do rabinho, uso diferentes dedos e diferentes partes do dedo, por vezes a unha (com cuidado) e vou metendo também a ponta dos dedos na vagina. gosto também de dar pequenas palmadinhas junto ao clítoris, são como pequenos choques eléctricos, muito estimulantes

quando por fim tiro as cuequinhas e me abro toda, é a hora de mudar também bastante de ritmo, vou introduzindo e retirando 1, 2 ou mais dedos na vagina com algum ritmo num movimento deslizando a palma da mão, acompanhando a forma de concha da minha ratinha tocando a palma da mão no restante. por vezes volto às palmadinhas mas desta vez com a mão mais em concha fazendo um movimento de uma certa “sucção” (que só resulta plenamente quando bem depilada).

depois é a fase mais hard com, ou sem acessórios (na maioria das vezes sem), trato da minha ratinha pelo menos com 2 dedos em movimentos vaivém frenéticos misturados com toques circulares no clítoris com a outra mão até me vir por completo num orgasmo daqueles de saltar e ficar a tremer por dentro durante uns bons minutos.

qual é o meu “segredo” para esses orgasmos brutais, já me têm perguntado algumas pessoas, inclusivamente pelo e-mail aqui do blog. o segredo, se assim se pode dizer, é tocarmo-nos onde gostamos, é explorarmo-nos sem medos nem tabus e, no meu caso, resulta muito bem “pausar” quando sentimos que estamos prestes a atingir o orgasmo, e ir “pausando”, moderando a intensidade e ir tendo “micro-orgasmos” ou “quase orgasmos” culminando com um último daqueles que vêm mesmo das profundezas e o qual somos incapazes de parar.

comigo, resulta! e o stress, vai-se todo

caso o stress seja mesmo grande, é apenas uma questão de repetir a dose as vezes necessárias até o eliminar por completo  ;) diz quem sabe que é uma das melhores terapias para evitar a depressão ou para curar quem sofre de uma.

 

sinto-me: curada
banda sonora: keane - is it any wonder
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:21

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

falando de sexo – a vegetariana

sexta-feira à noite, jantar em minha casa, a “su” tinha como sempre trazido uma das suas preciosidades culinárias para jantarmos, a sua famosa lasanha (do lidl) ;)

lasanha no forno a aquecer e a conversa também, olha lá qual foi a coisa mais estranha que já te propuseram fazer na cama? quê? qual foi a coisa mais estranha, mais bizarra, mais fora do comum que já te propuseram fazer? sei lá “su”, tanta coisa ;) rimos as duas. ok, há uma que na altura achei uma loucura total e ainda hoje acho ;) sexo num elevador. e chegaste a fazer? mais ou menos, chegar chegamos mas foi tudo muito rápido e eu detesto rapidinhas, a menos que a seguir haja mais no programa ;) mas porquê essa pergunta agora? por nada em especial, estava aqui a olhar para o teu frigorifico e lembrei-me de uma coisa. para o meu frigorífico? não me digas que já fizeste dentro de um frigorífico ou te propuseram isso?  ri. não, não foi nada disso! mas já fiz uma que nunca te contei ;) riu-se envergonhada (o que é coisa para além de rara, muito difícil de acontecer). então, desembucha, conta lá o que foi? propuseram-me umas brincadeiras com uns acessórios diferentes. sim, mas o que é que isso tem a ver com o meu frigorifico? tem, no sentido em parte desses acessórios estão dentro dele! o quê?

eu explico, digamos que usamos como “dildos” frutas e vegetais. uau! grande cena! e que tal? muito giro, mas acima de tudo muito diferente. mas conta lá isso melhor que eu quero pormenores. sim, mas a lasanha já está pronta, vamos para a mesa que já te conto o resto.

fomos jantando e conversando mais sobre esta experiência transcendente, frutas e vegetais, é verdade que já tinha visto vários mails sobre o assunto ;) e até ouvido falar sobre isso, mas nunca tinha conhecido alguém que tivesse experimentado e o admitisse.

sim, foi isso, experimentei diversas coisas e digo-te que as sensações são bem diferentes ;). mas experimentaste o quê? então olha, banana, cenoura e até pepino. pepino? bem, espero que não tenha sido dos grandes ;) gargalhada. não, foi um médio ;) mas há quem use mais coisas, tipo maçarocas de milho e tudo o que tenha uma forma adequada

bem, e que tal a sensação? é interessante, mas não tem nada a ver com a coisa real nem sequer com um vibrador, é muito mais frio e arrepiante, mas é um arrepio que também consegue dar um certo prazer e depois varia a banana é mais soft, a cenoura é gelada e o pepino como deves calcular “enche tudo” e tem aqueles pontinhos salientes como alguns vibradores que são o máximo ;)

acabamos de jantar e fomos para a cozinha lavar a loiça ao sair a “su” deitou o olho para as bananas na fruteira, apenas lhe disse – não te ponhas com ideias e rimos as duas.

 

sinto-me: curiosa e espantada
banda sonora: da weasel - toque toque
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:27

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

dúvidas existenciais

fantasias sexuais ja realizadas
sexo anal
sexo bi-sexual
sexo com 2 mulheres ou 2 homens
sexo com 1 casal
masturbacao em grupo (homens)
masturbacao em grupo (mulheres)
sexo em grupo
swing (troca de parceiros)
sexo em locais publicos
sexo na internet (webcam)
sexo com assistencia
gravar sexo em video
fotografar durante sexo
dupla penetracao
mulher com mais de 2 homens
homem com mais de 2 mulheres
sexo com desconhecido(a)
sexo com prestador de servicos (carteiro, canalizador, pizzaboy, etc)
sexo com animais
sexo com objectos bizarros
sexo com objectos sexuais volumosos
  
pollcode.com free polls
vestida para seduzir
calca e blusa bem justinha
calcao e top com muita lycra
mini-saia
decote generoso
lingerie e saltos altos
com a roupa que viemos ao mundo
a roupa nao importa, o olhar e fatal
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 1
homem
mulher
casal
grupo de amigos
grupo de amigas
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 2
menor de 18 anos
de 18 a 25 anos
de 26 a 35 anos
de 36 a 45 anos
de 46 a 55 anos
mais de 55 anos
  
pollcode.com free polls

posts recentes

no comments

o uso dos dildos - result...

os males que fazem as fér...

rexona women um “deo roll...

momentos de “mau génio” n...

masturbação – poderosa te...

falando de sexo – a veget...

leitores do diário

Offshore Jones Act
Offshore Jones Act Counter

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

leitores online

Users Online

segredos do diário

prémios do diário

Photobucket
blogs SAPO

subscrever feeds