Terça-feira, 8 de Julho de 2008

6ª feira – lady’s night

sexta-feira, final de dia e de semana de trabalho, toca o telefone, era a “su” e que raridade, há perto de uma semana que não sabia nada dela, tinha-me dito que me ia ligar e até àquele momento estava uma completa desaparecida. então amiga, que é feito de ti? – disse-lhe eu com um certo tom irónico. olha, tive uma semana que nem te conto, só tive tempo para te ligar agora. ah é? então e querias falar-me de quê? queria fazer-te uma proposta! eh lá! ;) oh, deixa-te disso, ouve lá! fazermos uma lady’s night! fazermos uma lady’s night? como é isso? isso todas as discos e bares têm às sextas, não te estou a perceber. não! não é nada disso! é uma espécie de festa “caseira” mas só de mulheres estás a ver? a ver estou, só não estou é a ver onde é que isso tem piada ;) mas queres ou não queres? mas e com quem é que vamos fazer essa festa só de mulheres? exactamente por isso é que preciso saber se queres ou não fazer a festa, tenho que combinar com a “mulherada”. ok, que seja o que deus quiser! chama lá a “mulherada” então, mas não chames muita gente senão é uma confusão. não, claro que não, somos nós 2 e mais 2 ou 3 pessoas. quem? conheço? depois vês!

fiquei com uma certa “pulga atrás da orelha”, não gosto nada de “ir ás cegas” seja para onde for, gosto de conhecer bem o chão que piso ;) mas realmente não tinha mesmo nada mais interessante que fazer ou onde ir.

chegada a casa da “su” ainda não estava ninguém, ela estava a fazer de propósito para me “tramar alguma”, eu sentia-o. então, a “mulherada” não vem? vem, mas só daqui a uns 15 ou 20 minutos. então porque me disseste a mim tão cedo? para me ajudares a preparar as coisas ora essa! ah ok!

passada uma boa meia-hora tocam finalmente à campainha eram 3 moças, amigas da “su”, 2 delas eu conhecia de vista, já tínhamos estado algumas vezes juntas a outra era uma total desconhecida. passadas as apresentações começamos a festa pela parte da comida até porque vinha quente e estava a arrefecer. a noite foi longa e sem pressas, depois do jantar seguiram-se uma serie de jogos e brincadeiras da ordem onde há sempre bebida metida “ao barulho” e a primeira surpresa da noite. vamos pôr-nos mais à vontade? – disse a “su”. mais à vontade como? e dito isto e enquanto eu pensava o que ela quereria dizer com “mais à vontade” aparecem-me as 3 moças em trajes de cama. ah, olha, esqueci-me de te dizer, além de uma lady’s night, a festa inclui uma “festa de pijama”. ah, obrigada por me informares, só eu é que não trouxe nada! não faz mal, eu não te disse porque tenho ali já tudo para ti.

deu-me um conjunto de babydoll  e cueca em cetim azul clarinho, era um pouco “descapotável” mas como estava tudo mais ou menos para o mesmo não me importei. os jogos continuaram e os copos também e passado algum tempo já estávamos todas bem “bebidas”. foi então que a “su” resolveu rebentar literalmente com a festa. propondo uma sessão de cinema. oh “su”, cinema agora? já ninguém está a ver nada, mas antes que pudesse terminar a frase já estava o dvd a passar na tv, como percebi de imediato não era propriamente um romance, nem uma comédia, muito menos um policial, mas lá que tinha muita acção isso tinha ;) era um porno daqueles impressionantes que nem nos vídeo clubes existem, ela arranjou-o na internet não sei como e tinha cenas realmente brutais. ao primeiro gajo nú e de “mastro armado” surgiram as primeiras reacções da “mulherada” gritando e assobiando e daí para a frente foi sempre “a descer” ou “subir” depende da perspectiva pois os calores começaram a ser muitos e o álcool que ia passando sobre diversas formas de bebida ajuda às desinibições e foi então que a festa se mudou da tv para o centro da sala da “su”, uma das amigas dela por um comentário ao filme foi de imediato desafiada a fazer um strip no centro do grupo e não é que ela não se fez rogada (realmente nunca conhecemos de verdade as pessoas) a mais menina do grupo com ar de quem “não parte um prato” estava a “partir a loiça toda” despindo-se ao ritmo das palmas e gritos do restante grupo. mas como se a coisa não estivesse quente o suficiente, ela resolveu puxar uma das outras amigas para o strip, e passamos a assistir a uma cena hilariante mais profundamente erótica, duas mulheres roçando-se e esfregando-se uma na outra no centro da sala e a coisa estava nitidamente a aquecer e a excitação era geral. do mero “esfreganço” à acção foi um pequeno passo e mais apertão daqui mais mordidela no mamilo dali a coisa começou realmente a ficar muito quente. na assistência já havia quem tivesse abandonado os pijamas e assistisse já só de soutien e cuequinha e com cuequinha fio-dental, foi nesse momento que percebi que a coisa ia ser mais do que uma festa de pijama, a miúda foi literalmente atacada por todas as outras no centro da sala e já com o strip acabado foi a vez de uma coisa totalmente sexual sendo apalpada, tocada, beijada e mordida por todas (incluindo eu) ;) a mais “assanhada” parecia essa que não conhecia antes que não teve problemas em ir directamente ao assunto enfiando-lhe um dedo na ratinha e começando a fazê-la gemer eu e a “su” já estávamos cada uma com um mamilo dela por nossa conta e eu já sentia também uma mão a entrar-me pelas cuequinhas e a tocar-me, a confusão era imensa e já eu confesso que já nem sabia quem era quem, percebi depois que quem me estava a tocar era a miúda que estava deitada ao centro e não só a mim, pois usava ambas as mãos para me tocar a mim e à “su”, a mais “assanhada” estava a surpreender (pelo menos a mim que não a conhecia) pois dava palmadas com alguma violência na ratinha da menina ao que ela gemia e mordia os lábios a bom morder. não deixou mesmo que nenhuma de nós lhe chegasse perto, estava apostada em fazê-la vir-se e assim conseguiu chupando o clítoris igualmente com força. depois foi ela a “próxima” deitando ao centro e abrindo as pernas e com as mãos afastando a própria ratinha. virou-se para mim e disse-me – anda cá! come-me! e eu já na fase em que não há retorno possível, cá vai disto, foi a primeira ratinha que chupei sem ser a da “su”, foi totalmente diferente, mas não deixou de ser uma boa sensação. a “su” aproveitou o momento para se deitar por baixo de mim e com a cabeça entre as minha pernas passou a chupar-me também, fê-lo de maneira diferente, nunca a tinha sentido assim, foi mais “forte” em tudo, aliás, sinto que também eu fui mais “agressiva” que o costume, os cheiros e os odores misturavam-se e o que era uma festa passou a uma orgia de certa forma selvagem, no final creio que todas ficaram satisfeitas, pelos menos eu fiquei, e ficou para a historia uma noite única que realmente como a “su” bem me disse ao ouvido depois de me fazer vir pela ultima vez (vez, e tu que não queria a festa, nem sabias o que ias perder!).

 

sinto-me: em outra dimensão
banda sonora: scissor sisters - i don't feel like dancing
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:27

link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito
Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

sexo em locais públicos – fim-de-semana alentejano

 

um dos muitos “fetiches” que coloquei em prática com o meu “ex” da altura foi o chamado “sexo em locais públicos”, outro dia contei-vos acerca da experiencia no provador de uma loja. hoje quero contar-vos acerca de outra experiencia, mas desta vez, literalmente, ao ar-livre.

era um fim-de-semana prolongado tinha à muito decidido meter um dia de férias e aproveitar a “ponte” para fazermos um fim-de-semana a 2. o meu “ex” tinha um emprego por conta própria que lhe permitia certos “luxos” como estes sem ter que dar explicações a ninguém.

estava um belíssimo dia de sol e rumamos para o alentejo, ele tinha alugado um quarto numa quinta de turismo rural e iam ser uns dias para total descanso longe do mundo e das correrias do dia-a-dia.

ainda não tínhamos chegado ao destino, passeávamos a uma velocidade moderada por uma estrada secundária ladeada por campos de girassóis. estavam abertos, com umas cores fabulosas contrastando com um céu azul apenas salpicado aqui e ali por pequenas nuvens brancas. podemos parar um bocadinho? – disse eu. sim, claro! quero ir ali ver os girassóis de perto. saí do carro e pulando, literalmente, a cerca entrei pelo campo de girassóis dentro. era magnífico, os girassóis estavam altíssimos, com uns 2 metros de altura ou mais cobriam-nos e escondiam-nos por completo. olha que ainda aí aparece o dono disso! – gritou ele lá do fundo. e foi aí que tive uma ideia brilhante, estava disposta a surpreende-lo por completo e era simplesmente o momento e o local perfeito para isso. chamei-o. o que foi? - disse ele. anda cá ver uma coisa!

à medida que o sentia avançando por entre os girassóis e o ia guiando com a minha voz decidi despir-me com alguma rapidez. deixei de o ouvir. perguntou – para onde agora? por aqui, não vês o sítio por onde passei? avançou novamente e passou quase na minha frente mas sem me ver. os girassóis naquela zona estavam mesmo bastante densos e noutras zonas apareciam algumas clareiras.

coloquei-me atrás dele e aproximei-me. ele sentindo o movimento voltou-se e foi aí que teve a visão do que tinha feito. estava completamente nua, tinha ficado apenas com os sapatos. uau! – disse ele. que é que estás a fazer assim? porquê? não gostas? anda cá! quero-te! aqui e agora!

abraçamo-nos e beijamo-nos longamente enquanto ele se ia despindo também com a minha ajuda. baixei-me puxando-lhe os boxers para baixo e abocanhando-lhe logo o zezinho que já estava algo excitado. chupei-o com força e alguma profundidade ficando imediatamente duro, muito duro mesmo. senti que ele, como eu, estava excitadíssimo com toda a situação. chupei-o por mais uns minutos, colocando-me em seguida “de gatas” no chão e dizendo-lhe – anda, quero-me que fodas por trás! ele ficou louco! ele adorava comer-me naquela posição. enfiou-me o pau duríssimo na ratinha que já pingava de tesão e deu-me uma estocada até ao fundo fazendo-me abrir a boca e gemer de prazer. e por ali continuou dando-me com força, com muita força mesmo, senti que ele estava realmente excitado e pedi-lhe que me fodesse mais e mais – quero com mais força! fode-me! mais! – disse-lhe por diversas vezes. largou-me a cintura e pegou-me nas maminhas continuando a dar-me estocadas fortíssimas até ao fundo. sentia-o todo dentro de mim e que duro que estava, já me tinha feito vir duas vezes quando ouvi - ai, vou-me vir! vem-te, vem-te! – disse-lhe eu. quero que te venhas para as minhas costas! quero sentir o teu leitinho quente em cima de mim! e passados segundos foi isso mesmo que senti, um enorme jacto de leitinho que me invadiu as costas por inteiro ao qual se seguiram outros cobrindo-me as costas de leitinho quente. nunca o tinha visto a ter um orgasmo tão longo e com tanta quantidade de leitinho, tal como nunca o tinha sentido tão duro e tão grande. beijamo-nos. ele correu ao carro para buscar algo onde me pudesse limpar para me voltar a vestir.

assim que saímos do campo de girassóis e entramos no carro ouvimos um barulho de motor. olhamos em volta e vimos um agricultor no seu tractor que acabava de chegar junto a nós, olhou-nos mas não disse nada. arrancamos com o carro e olhamos um para o outro – foi por pouco – pensamos, mas estávamos ambos tão saciados que nem nos preocupamos com isso. o hotel esperava-nos e o fim-de-semana prolongado acabara de começar.

banda sonora: alicia keys - no one
sinto-me: maravilhada
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:01

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

“dirty talk” ou a excitação pela linguagem

todos sabemos que mais do que as coisas que são ditas, a forma como são ditas podem ter um carácter ora agressivo, ora cativante, repulsivo ou chamativo e saber dizer as coisas certas nos momentos certos é, sem dúvida alguma, uma arte que convém seriamente aprender.

este assunto veio “à berlinda” após um forward de um e-mail daqueles muito “manhosos” que me chegou já não sei de quem e que enviei de imediato à “su” (ela gosta sempre de estar a par das novidades) era um pequeno clip de vídeo totalmente porno que nem me dei ao trabalho de ver até ao final apesar de ter pouco mais de 1 minuto de duração. reply imediato da “su” – que treta ao menos podia ter som! voltei a abrir o ficheiro e realmente reparei que o clip de vídeo era mudo (o que ás vezes dá imenso jeito para não passar vergonhas no trabalho) mas pensei um pouco no que me tinha dito a “su” e no desinteresse imediato dela pelo facto de não ter som.

realmente uma cena de sexo “muda” perde muito da sua excitação mas porque é que o som é assim tão importante?

tínhamos combinado de almoçar juntas e mal chegamos lancei o assunto. olha lá, porque é que sem som as cenas de sexo perdem a piada? porque sim! – diz-me ela. o que dá “pica” é ouvir os gemidos, as palmadas e principalmente a conversa. a conversa? – perguntei eu. sim, eu adoro os filmes brasileiros por causa disso ;) riu-se. falam a nossa língua e tem muito mais impacto um “me fode” do que um “fuck me” apesar de em ambos os casos sabermos o que significa. pensei por alguns momentos no que me acabava de dizer a “su”. realmente ela tinha razão, recordei naquele momento um “ex-namorado” de tempos bem antigos com o qual tive uma experiencia a esse respeito e perguntei à “su”, e tu? falas muito? dizes o quê? ;) ri

ela na sua descontracção do costume diz-me – claro que falo! digo o quê? de tudo! mas depende daquilo que me dizem. acho que depende de como sou “puxada” para a conversa, quem me souber levar, vou aos extremos! e o que são os teus extremos? – perguntei eu curiosa como sempre. nem queiras saber! extremos mesmo, tudo amiga, digo tudo, digo coisas que nem sabia que sabia dizer – disse dando uma enorme gargalhada.

não estava satisfeita, queria saber mais – vá lá, dá-me exemplos! estás tímida hoje ou quê? tímida? eu? mas queres saber exactamente o quê? o que dizes é para ti, é a forma como o tratas, é o quê? é tudo! há coisas que digo sempre ou quase sempre, eles passam-se, do estilo: “fode-me a coninha toda” ou “dá-me com mais força” ou ainda “quero-te todo dentro de mim”, mas quando vou a extremos sou bem capaz de dizer bem pior, do estilo, deixa-me pensar: “rebenta-me com a cona toda” ou “mete-me esse caralhão todo no cú” ou ainda, a pior: “trata-me como uma puta” ou “vem-te na minha cara”.

bem, tu realmente “dás-lhe forte” na linguagem. e que tal? ficam doidos amiga, ficam alucinados, vão buscar forças não sei onde para me dar tudo o peço e ainda mais ;) mas porquê? não me digas que não falas? falar falo, mas talvez não tanto assim. se calhar sou mais soft, mas reconheço que quando “puxo pelo língua” eles também puxam por tudo. e que é dizes? sei lá, digo, coisas semelhantes às tuas: “mete-me mais fundo”, “quero-o todo”, “quero a tua língua na minha ratinha”, “quero chupar-to” e gosto de perguntar, do estilo “queres a minha coninha agora, queres? ou o meu cuzinho?” isso creio que é o meu extremo. ah, mas tens que experimentar mais amiga, abusa deles, eles gostam, ou melhor, adoram.

saí daquele almoço a pensar, realmente, ouvimos tanto “palavrão” que nos repulsa no dia-a-dia que por vezes nos esquecemos que no momento e local certo, podem fazer verdadeiras maravilhas pela nossa satisfação sexual.

 

sinto-me: tentada
banda sonora: ez special - chama por mim
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:49

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 24 de Maio de 2008

uma banheira de espuma – para duas

 

aproveitei o feriado para fazer uma coisa que raramente faço, visitar a “su” em casa dela. normalmente é sempre ela que vem ter comigo a minha casa nem sei bem porquê, talvez porque tenho o vício de andar sempre ou quase sempre de pijama pela casa e ponho-o logo que chego o que me limita um pouco as saídas porque depois já se sabe, dá aquela preguiça.

 

tínhamos combinado um programinha “em casa”, ver um dvd ou coisa do género, que a noite não estava nada agradável para saídas e ambas trabalhávamos no dia seguinte (não temos direito a pontes).

 

mal cheguei sentamo-nos as duas no sofá a decidir qual o dvd que iríamos ver, mas como sempre, a decisão não é nada fácil nem consensual, nesse aspecto nunca foi, eu sou mais acção e policiais, ela é mais comédias e romances. ficamos nisto algum tempo com as caixas em cima da mesinha da sala a ver se chegávamos a um acordo até que ela me diz, olha, vê lá o que queres ver que eu hoje não estou numa de grandes discussões, escolhe é uma coisa “light”, não quero um desses teus filmes complicados que se perco 2 segundos da trama já não percebo nada. eu vou aproveitar para tomar um banho e pôr-me mais à vontade.

 

enquanto ela foi tomar o banho eu lá continuei na minha buscar por algo que agradasse minimamente ás duas, mas como disse, não é tarefa fácil, é que a “su” compra tudo o que há de novidades no campo dos dvd, tem uma colecção infindável (vinda directamente da feira mais próxima). liguei a tv e fui remexendo nos dvd ao mesmo tempo que via qualquer coisa para me entreter.

 

o banho estava demorado, já tinha passados largos minutos e não havia maneira da “su” aparecer. estás bem? – gritei eu na esperança de ter alguma resposta dela. mas nada. será que lhe tinha acontecido alguma coisa. sei bem como as casas de banho podem ser perigosas, já fui parar ao hospital por causa de uma.

 

levantei-me e fui ver o que se passava com ela, estava mesmo preocupada. mais preocupada fiquei quando ao chegar ao corredor percebi que a porta não estava fechada razão pela qual ela deveria ter ouvido a minha pergunta e ter-me respondido. entrei num repente – “su”, estás bem?

 

ao contrário dos meus maiores medos, estava bem, aliás, estava muito bem. deitada na sua enorme banheira que quase lhe ocupa a totalidade da casa de banho ;) e quase de olhos fechados. mas após esta primeira imagem e do sorriso dela apercebi-me que algo mais se passava, via a água mexer ligeiramente, não estava a acreditar, ela estava a masturbar-se. “su” minha parva, eu aqui doida de preocupação contigo e tu está na banheira a “coçares a ratinha”? estava a ver que nunca mais vinhas, diz-me ela com “aquele olhar”, olha o que eu fiz? e dizendo isto levantou o rabo do fundo da banheira mostrando-me a sua ratinha lisinha e acabada de rapar. confesso que foi uma imagem com tanto de inesperado como de excitante.

 

não queres entrar? diz ela. anda, vem fazer-me companhia. pensei 2 segundos em tudo aquilo mas como quase sempre a libido foi mais forte e comecei a despir-me. a “su” olhava-me e à medida que me ia despindo tocava-se e excitava-se, senti-me uma “stripper” do momento e do improviso mas entrei no jogo. despi-me deixando apenas a lingerie que fui despindo de forma ainda mais lenta e com gestos sugestivos. já só de cuequinhas cheguei-me à banheira e disse-lhe ao ouvido, tira-as tu! ela como sempre não se fez rogada, meteu-me a mão no meio das pernas passado-me a palma da mão pela ratinha até alcançar com os dedos a parte de trás das minhas cuequinhas, puxando-as em seguida com alguma força de forma a que o seu indicador me roçasse desde o cuzinho até à entradinha da ratinha já bem húmida. percebi e antecipei em pensamentos nesse exacto momento o que ela iria fazer, procurou a minha entradinha e enfiou todo o dedo dentro de mim fazendo-me soltar um gemido profundo, voltou a retirar o dedo e a repetir o mesmo procedimento mais 2 ou 3 vezes. em seguida puxou-me as cuequinhas para baixo que caíram até aos tornozelos com ambas as mãos abriu-me mais e juntando desta vez 2 dedos voltou a penetrar-me com alguma força fazendo-me mais uma vez soltar um gemido de prazer.

 

anda cá! disse ela fazendo-me entrar na banheira com ela. a água estava quentinha e apetecível com imensa espuma e um aroma intenso e muito agradável a sais de banho. ficamos frente a frente acariciamos as maminhas uma da outra em simultâneo com água e espuma do banho, os meus mamilos já estavam rijos de tanta excitação e os dela também que eu bem os sentia. continuei a acaricia-la com uma das mãos no peito deslizando a outra mão para dentro da banheira e para o meio das suas pernas. apesar de feita a lâmina, a depilação dela estava muito bem feita, muito lisinha e escorregadia e por ali fiquei algum tempo apreciando a suavidade e passeando o meu dedo dentro dos seus lábios carnudos ora tocando no clitóris ora descendo até a penetrar na vagina.

 

aproximou-se de mim, tocamo-nos peito com peito e ela disse-me ao ouvido, quero mais, quero muito mais! sei que já não fazemos isto faz muito tempo mas quero que me fodas como nunca o fizemos antes! aquela linguagem ao meu ouvido e a forma inesperada como ela o fez foi a gota que fez transbordar o copo, os meus mamilos explodiram mesmo e os poucos e curtos pelinhos que tenho na minha ratinha iriçaram-se como um ouriço antecipando o que estava para vir. guiou a minha mão por entre as pernas dela e pedindo-me – penetra-me! assim o fiz e recordando o evento anterior ainda fora da banheira enfiei-lhe um dedo com alguma força – soltou um “ah” profundo de prazer o que assumi como carta branca para mais do mesmo, repetindo o que me havia feito juntei 2 dedos e dei uma estocada dentro dela – retorceu-se e gemeu – foi demais? perguntei? não, aliás, não senti nada, só tens isso para mim?

 

os leitores mais fidelizados com este meu diário já sabem que não posso que me façam estas coisas e ela sabe-o bem, bem demais até. assim sendo, ela queria festa, e eu ia dar-lha. continuei a empurrar-lhe os dedos juntos dentro dela até ao fundo fazendo-a gemer levemente – mais! – dizia ela – quero mais! e eu, sem pensar, juntei mais 1 e passei a penetrá-la com 3 dedos mas a reacção dela parecia sempre a mesma, gemia profundamente à primeira estocada mas depois de algumas penetrações pedia mais e eu deixei de perguntar e fui metendo até meter os 5 dedos dentro dela. ao fazê-lo disse – “su” tu tens noção? eu tenho os dedos todos dentro de ti! – cala-te e enfia! ainda falta a mão! – disse-me ela de uma forma quase assustadora mas como a ratinha ela dela foi forçando guiada por ela até que senti os meus dedos desaparecerem dentro dela bem como a parte mais grossa da minha mão, a minha mão estava literalmente dentro da ratinha dela e ela dizia apenas  - não pares! continua a mexer, quero-me vir assim! e foi o que aconteceu após alguns segundo, num urro enorme de prazer ele veio-se retorcendo-se toda.

 

após alguns minutos de recuperação daquele estado ela vira-se a diz – agora és tu! “su”, és louca, eu não aguento uma mão dentro da minha ratinha, nem penses nisso vais-me rasgar toda! calma, relaxa, e desfruta, só vou até onde tu quiseres! trocamos um olhar de cumplicidade e deitei-me no lugar dela na banheira. começou a penetrar-me como o havia feito no inicio e, como eu, foi juntando aos poucos mais um dedo, aos 4 tive receio e pedi-lhe que não metesse mais, estava óptimo assim, sentia-me cheia e as estocadas que me dava com os 4 dedos acompanhadas dos toques e movimentos circulares que me fazia no clitóris com o polegar, o único que estava de fora estavam-me a deixar louca de prazer. não demorou muito até que atingisse talvez o maior orgasmo da minha vida, valor para lá de máximo na escala da “su”.

 

que noite! lavamo-nos trocando caricias, ela emprestou-me uma roupa e acabamos por dormir as duas, exaustas e satisfeitas. quantos aos dvd lá ficaram, na mesa da sala, esperando por “piores” dias ;)

 

banda sonora: timbaland - the way i are
sinto-me: deliciada
publicado por diariodeumamulhermadura às 06:02

link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Segunda-feira, 19 de Maio de 2008

masturbação feminina – mitos e realidades

em mais uma das suas leituras das revistas (que ela devora por inteiro) a “su” comentava ao almoço. já viste, aqui diz que as mulheres afinal masturbam-se mais do que aquilo que se pensa. apenas não o admitem pois a masturbação feminina não é tão socialmente aceite como é a masculina. sim, e qual é a novidade? então, porque é que raio os gajo podem “esgalhar o pessegueiro” a toda a hora (adoro as expressões únicas dela, tive mesmo que lhe perguntar como é que isso se escrevia ;) ) e nós não podemos “brincar com o mexilhão”? não acho justo!

deixa-te disso, sabes bem que a maioria das mulheres podem e fazem tudo e mais alguma coisa, mas são assim tem vergonha de o admitir. e vergonha puxa vergonha e muita vergonha dá repressão. mas tu nem sequer te podes queixar, a tua nunca a tiveste ;) e ainda bem!

mas falando nisso, é uma treta essa de porem rótulos nas pessoas e principalmente nas mulheres só porque gostam disto ou daquilo, se gosta de sexo, só pode ser puta! se fala ou admite isso então é porque é de certeza! que eu saiba putas são aquelas que vendem o corpinho, ou mais propriamente pequenas partes dele, e eu não vendo nada, portanto, não sou! nem mais!

mas voltando ao assunto, e tu? quantas vezes “afagas o mexilhão”? oh “su”, que raio de pergunta. sei lá agora! algumas! às vezes apetece não é? eu sei, a mim também, no banho então, adoro longos banhos de espuma com água bem quente, musiquinha e um belo “esfreganço” para relaxar no final de um dia duro de trabalho ;) rimos as duas.

olha, sabes uma coisa? conta conta – dizia ela com aqueles olhos arregalados quase a saltar das orbitas. e, no trabalho? no trabalho? amiga, tu andas a “coçar a micose” no trabalho? cala-te lá que eu não tenho micoses! não ando, mas já o fiz, um dia estava com uma destas “tesões” pré-mestruais e como estava sozinha nem pensei duas vezes, tirei as cuecas, puxei a saia um pouco para cima, abri as pernas e foi mesmo ali à secretária. mas ninguém te topou? claro que não! seria a maior vergonhaça da minha vida. não estava ninguém, foi numa altura que estava muita gente de férias e aquilo estava calmo ;)

bem amiga, que espectáculo, tu de vez em quando ainda me consegues surpreender ;) rimos. mas e tal foi? excelente! a adrenalina estava no máximo pois apesar de estar sozinha estava sempre com um certo receio que alguém pudesse entrar e ser apanhada então foi do melhor, tive um daqueles orgasmos que parece que até fiquei sem ver. quanto na escala? ;) eu sei lá dessa tua escala, muito, muito mesmo. a cadeira quando me levantei estava toda molhada, ainda bem que é de pele senão havia de ser bonito. rimos as duas a bom rir.

eu adoro masturbar-me - dizia a “su” com aquele ar de satisfação, mas acho que é ainda melhor quando não o faço sozinha. como assim? sim, quando me masturbo para eles verem, é o máximo, ficam que nem loucos pois o trato é não me poderem tocar enquanto o faço, só ver! bem, devem rebentar! rebentam sim, rebentam comigo a seguir ;) vêm com a “gana” toda a seguir. essa não sabia, nunca experimentei, mas já vi que tenho que seguir os teus conselhos ;)

claro que sim! mas depois, já sabes, quero saber todos os pormenores ;) como sempre, como sempre!

 

banda sonora: nelly furtado - maneater
sinto-me: com ideias
publicado por diariodeumamulhermadura às 08:49

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

concurso do “diário” – dá...

os ares do mar dão-me tes...

jogo do banquinho

a mais poderosa das “máqu...

depilação ou sadomasoquis...

revistas e descanso... ou...

rexona women um “deo roll...

plug and play (big) adven...

momentos de “mau génio” n...

só um tapinha não dói

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

segredos do diário

blogs SAPO

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub