Terça-feira, 29 de Setembro de 2009

concurso do “diário” – dá-nos o teu melhor

o “diário” resolveu promover um concurso entre todos os seus leitores e fiéis amigos. este concurso será dividido em 3 categorias: homens; mulheres; e casais, sendo que a categoria de casais estará aberta a todas as preferências sexuais sem qualquer discriminação.

os concorrentes, para participarem no concurso do “diário”, deverão enviar uma fotografia original na qual esteja claramente presente o “diário” seja por imagem ou por referência escrita desde que esta não seja adicionada digitalmente à fotografia, ou seja, basta uma fotografia com, por exemplo, em que tenham um papelinho com o endereço do site do “diário” ou apenas com o nome do mesmo, como preferirem. adicionalmente à fotografia deverá ser enviado um pequeno texto ou frase comentando o trabalho enviado a concurso ou legendando-o. os trabalhos poderão ter o nome dos participantes ou um outro nome fictício ou pura e simplesmente permanecer totalmente anónimos.

em cada categoria haverá um vencedor que terá o seu trabalho exposto no “diário”, bem como, um certificado do mesmo prémio que poderá colocar no seu próprio site ou blog, caso o possua (e outras surpresas).

lembrem-se que a criatividade é um ponto essencial e que será sempre muito bem vinda. todas as participações terão que ser enviadas para o e-mail do “diário” em diariodemulher@sapo.pt . o prazo do concurso finda a 31 de outubro podendo as participações serem enviadas a partir deste momento.

obrigada a todos em nome do “diário” e os desejos de boa sorte.

mm

sinto-me: interactiva
banda sonora: queen - we are the champions
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:16

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Setembro de 2009

os ares do mar dão-me tesão

fui passear à beira-mar, de carro, nem saí, o vento que estava lá fora desencorajava qualquer um a aventuras. apesar disso uns quantos surfistas teimavam em não sair da água. estacionei o carro de frente para o mar e ali fiquei a olhá-lo e aos “maluquinhos” que nele se aventuravam. não percebo muito de surf mas o pouco que percebo faz-me dizer que aquilo não era surf coisa nenhuma, era apenas uma luta contra as ondas e o vento pois não vi ninguém capaz de se colocar em cima de uma das várias pranchas que por ali andavam. abri um pouco o vidro e senti o cheiro a mar, aquele cheiro que é salgado mas que é ao mesmo tempo doce. tive um desejo, desejo de me tocar, de me sentir naquele lugar com aquele cheiro a mar, lembrei-me que ainda estava “naqueles dias do mês” e que também me ajuda a estas vontades repentinas, mudei de lugar, saí da frente do volante e passei ao lugar do pendura, olhei em volta e para além de 2 ou 3 carros mais um menos distantes e dos “maluquinhos” surfistas não vi ninguém, abri as pernas e levantando a saia de pregas que trazia vestida (eu sei que já saiu de moda, mas eu uso) e espreitei para dentro das cuequinhas. o penso ainda tinha algum sangue e resolvi trocá-lo, alcancei a minha mala no banco de trás e retirei uma toalhita húmida, limpei-me e substitui o penso por um tampão, era inevitável, estava com uma tesão enorme, ao limpar-me arrepiei-me logo ao passar a toalhita fria pelo clítoris e decidi, é agora, é agora mesmo.

tampão colocado mas cuequinhas não vestidas comecei ali mesmo a tocar-me levemente, lá fora o sol punha-se mais cedo que o habitual, estava um pouco escuro o tempo e ao olhar novamente para fora apanhei um susto, um casal estava agora à frente do meu carro olhando o mar e eu nem dei por eles passarem, mas depois do susto inicial vi que estavam bem longe e, claro, mais interessados no mar do que em mim, provavelmente nem devem ter sequer reparado que estava ali alguém, voltei a tocar-me mas desta vez sem os perder de vista, que nunca se sabe. a certa altura ele apalpa-lhe o rabo, num apalpão daqueles bem por baixo que a “su” se ali estivesse diria que era para ver se tinha ovo e isso excitou-me, porquê, não sei, mas excitou-me, foi como se aquele apalpão de tivesse transmitido a mim e isso fez-me masturbar mais e mais até quase me vir. aguentei, respirei fundo e acalmei um pouco mas sem parar de me tocar, sentia já o tampão a ensopar de líquidos mas continuei apenas no clítoris e arredores, não queria correr o risco de fazer uma enorme porcaria dentro do carro, à segunda não resisti e continuei, fui até ao limite e vim-me, num orgasmo intenso, daqueles que só o clítoris nos dá, fechei-me ainda com a mão entre as pernas e fechei os olhos por uns segundos, ao abri-los olhei novamente para fora, não vi ninguém.

tirei outra toalhita e limpei-me novamente, o tampão estava ensopado mas pouco vermelho. coloquei um penso, vesti as cuequinhas e voltei a casa, era hora de voltar e deixar os ares do mar.

sinto-me: angelical
banda sonora: baia de cascais - delfins
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:54

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quarta-feira, 22 de Julho de 2009

jogo do banquinho

jogadoras: mínimo 2 (3 ou mais para haver alguma emoção)

 

nível de dificuldade: variável (mas igualmente proporcional ao nível de diversão)

 

material necessário:

- dildos com ventosa de diferentes tamanhos e/ou diâmetros em número igual ou superior ao das jogadoras;

- banquinhos ou algo onde se possa “colar” os dildos;

- papelinhos numerados até ao número de “aparelhos existentes”.

 

duração: quanto mais melhor!

 

juntem-se umas quantas amigas com o material acima descrito, junte-se uma conversa apimentada e talvez uns quantos copos de uma qualquer bebida espirituosa.

 

após preparação e aquecimento prévio, dá-se início ao jogo que consiste em tirar à sorte o número de um “posto” a que equivale um dado dildo. cada participante terá que aceitar o “posto” que lhe coube em sorte e desfrutar dele o melhor que puder e souber. o decorrer da tarefa pode ser feito à vez ou em simultâneo, devendo no caso de ser escolhida a primeira hipótese, sortear novamente a ordem de “actuação”.

 

 

nota importante: como sempre convém pensar em prémios, talvez poder levar o seu “posto” para casa não seja uma má ideia.

 

sinto-me: divertida
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:17

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Terça-feira, 4 de Novembro de 2008

a mais poderosa das “máquinas de prazer”

o que são os chamados fetiches? como surgem? e porquê? estas são dúvidas que sempre me assaltaram desde o final da adolescencia e por toda a vida adulta. será que todos nós temos “desejos secretos”? e se temos porque é que não os conseguimos resolver? será que os fetiches foram feitos para ser sempre cumpridos ou alguns servem apenas para “puxar” pelas nossas mentes e estimular a nossa sexualidade.

 

como muita gente, eu, tenho vários, muitos, como já disse aqui uma vez, parece que quantos mais “cumpro” mais aparecem, como uma espécie de puzzle de 2000 peças que ao ser completo nos faz querer partir de imediato para um de 3000 ou 4000. será que o ser humano é insatisfeito por natureza? ou querer conhecer mais não significa que estamos insatisfeitos mas que simplesmente somos curiosos e sedentos de experiencias novas?

 

um desses fetiches que, recorrentemente, me assaltava a mente e me levava a pensar se alguma vez o iria cumprir tem a ver com esse dilema universal - o sexo é para ser unicamente a 2 ou haverá espaço para 3 ou, quem sabe, até mais?

 

há alguns anos atrás descobri uma forma de exorcisar alguns desses fantasmas que recorrentemente me levavam a pensar em mais gente na minha vida, convem referir que, na altura, tinha um namorado fixo e uma vida que posso considerar estável, se bem que vista à luz dos dias de hoje era um pouco “enfadonha”. ;)

 

numa conversa com o meu namorado na altura contei-lhe que tinha recorrentemente esse “sonho” que se tornava “desejo” que ter sexo com mais pessoas mas que, na realidade, e bem acordada, não me imaginava sequer a fazê-lo e ele então descobriu algo que me ficou profundamente marcado, descobriu uma forma de termos sexo a 2 mas, virtualmente, acompanhados por mais pessoas.

 

não, não falo de nada “internético”, aqui a virtualidade foi outra, apagamos todas as luzes do quarto deixamos apenas a porta aberta e a luz do corredor ligada criando uma ambiencia de pouquissima mas de alguma luz, depois ele abriu a porta do roupeiro que na altura tinha um enorme espelho no interior e ali mesmo começou a penetrar-me por trás de encontro ao espelho, no inico não percebi, mas depois ele pegou-me na cabeça e encostou-me bem ao espelho, o que vi? eu própria, e ele, ambos semi-reflectidos no espelho, percebi o que ele me quis mostrar, parecia que tinha na minha frente uma outra mulher a ter sexo com um outro homem, bem na minha frente, bem colada a mim, com a cara dela na minha, com a boca dela na minha e com as maminhas dela nas minhas, entrei no jogo, esqueci-me que era eu e comecei a imaginar aquela mulher e aquele homem ali, comecei a ouvir os seus gemidos que afinal eram os nossos mas que importa, comecei a beijar-lhe aquela boca que era minha e a tocar-lhe as maminhas, mas, o curioso de tudo isto é que, na realidade, isso me excitou, me despertou a líbido e me fez ter um enorme prazer, e, no exacto momento do meu namorado se vir, peguei-lhe no pénis teso e fi-lo vir-se para o espelho onde partilhei do seu nectar com a minha amiga virtual.

 

desse dia e desse acontecimento retirei uma conclusão irrefutável, a mente humana consegue ser não só uma poderosa máquina de sonhos, mas igualmente uma poderosíssima máquina de prazer, basta que a saibamos usar.

 

sinto-me: nostálgica
banda sonora: jorge palma - encosta-te a mim
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:21

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Sábado, 13 de Setembro de 2008

depilação ou sadomasoquismo caseiro?

aproveitando a oportunidade, cada vez mais rara, de nos encontrarmos resolvi aceitar o convite da “su” para sairmos, não fomos para nenhuma saída nocturna que essas andam ainda mais escassas mas ela foi visitar uma amiga e eu aproveitei a boleia para sair de casa e fui com ela. não fomos muito longe, apenas alguns quilometros e pouco mais de 45 minutos nos separaram do destino. durante a viagem o tema de conversa só podia ser um, a recente aventura em que nos metemos no diário.

 

nos últimos dias não tinha tido muito tempo para lhe dedicar uma vez que o trabalho tem sido muito mas sempre foi dando para responder a uma ou outra solicitação, ela estava “em pulgas”, queria saber quantas vezes já mandei a foto dela e quais as reacções, mas, acima de tudo, qual tem sido a reacção dos leitores/as ao desafio e a conversa por aí foi durante a viagem.

 

tinha marcado encontro com a amiga num pequeno shopping da cidade, o w (passe-se a publicidade mas os leitores às vezes pedem-me para contextualizar mais as coisas) e facilmente demos com ela. era uma miúda que aparentava ser uns anitos mais nova que nós e tinha a particularidade de apesar de ser visivelmente de origem africana tinha uns enormes e lindos olhos verdes, apresentamo-nos e fomos conversando, pelo que percebi ela deve ser gerente de alguma loja no tal shopping mas confesso que estava a prestar mais atenção aos olhos dela do que à conversa ;)

 

a certa altura a “su” começou a ficar irrequieta e a amiga perguntou-lhe – então, que é que passa, estás com comichões? não consegui conter-me e ri, a “su” entre coçadelas discretas lá se riu também e disse, por acaso estou, sabes lá, pus-me a brincar às depilações agora nas férias e agora aguento as consequências! – dizia ela. rimos todas a bom rir, tentei animá-la dizendo-lhe – é só agora, se te habituares, isso com o tempo nem sentes mais! – pois, e é por tua culpa, só me dás ideias destas! rimos novamente as 3. e foi então que a amiga da “su” se revelou – mas olha lá, tu fazes isso com o quê? não me digas que usaste lâmina? – não, não, esta tonta convenceu-me a fazer com cera! – apontando para mim. ah, menos mal, mas olha, porque é que não experimentas com a depiladora.

 

:x deu-se um enorme compasso de espera quebrado pela “su” – com o quê? com a depiladora? que depiladora? a das pernas? – sim, disse ela com a maior das naturalidades – tu só podes estar louca! como é que é possivel? eu até nas pernas dou saltos quando uso aquilo imagino aqui, acho que tu não percebeste bem, eu não me estou a quiexar das virilhas ou algo assim, eu desta vez fiz a ratinha toda! – sim, eu sei! eu percebi perfeitamente, eu também faço! – fazes? – sim, faço, porquê, achas que és única, não? eu sempre detestei pêlos e desde muito nova que sempre fiz de há uns anos para cá comecei a usar a depiladora, as primeiras vezes doeu um bocadinho, mas depois tens a vantagem que não precisas deixar que eles cresçam muito para fazer com a cera, fazes logo e vais fazendo à medida que eles vão crescendo, e como eles não crescem todos ao mesmo tempo assim nunca são tantos para fazer!

 

ficamos as duas boquiabertas de espanto com aquela lição de depilação dada por aquela miúda numa fase em que ambas nos julgavamos já doutoradas no assunto. mas ela ainda rematou o assunto – assim andas sempre limpa e lisa e não tens essas comições dos pêlos quando começam a nascer, acredita, eu já não mudo!

voltamos de lá já tarde, acabamos por levá-la a casa e na viagem de volta a conversa tinha mudado, esquecemos, por momentos, o diário e apenas pensavamos “será possivel?”.

 

confesso que apesar da explicação ter sido muito pormenorizada a vontade de experimentar é mínima, diria mais, ínfima, já a “su”, passou-lhe logo a coceira.

sinto-me: com sono
banda sonora: classificados - um segredo fechado
publicado por diariodeumamulhermadura às 02:55

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2008

revistas e descanso... ou nem tanto

segundo dia de férias ou melhor deverei dizer, quase-férias, o mesmo para fazer que no anterior, ou seja, nada! a praia continuava pouco ou nada agradável para ir a banhos mas achei que pelo menos daria para apanhar um arzinho, pelo caminho parei num quiosque e comprei uma daquelas revistas à “su” mas que é o que apetece ler quando não estamos com a mínima atenção e disponibilidade mental (atenção amiga que não te estou a chamar burra).

sentada ao sol, se bem que vestida pois ainda não tinha tido coragem para me despir com aquele fresquinho todo, comecei a folhear a dita revista despreocupadamente e sem grande interesse lendo apenas as “gordas” e vendo as fotos ;) até que... algo que despertou de súbito o interesse. tirei os óculos de sol e coloquei-os na cabeça para ver e ler bem aquilo que estava naquele artigo sobre as novidades “hi-tec” para senhoras, ou como dizia o título “lady’s new gadget”.

o artigo era sobre um tal de “ohmibod”. e o que é o “ohmibod” para quem, como eu, nunca tinha ouvido falar dele, é uma espécie de acessório para usar com o ipod, mas não é apenas mais um acessório para o ipod, é o acessório que nos faz literalmente vibrar de prazer. já lá chegaram? eu explico, é um vibrador (nem mais nem menos) que se conecta ao mais comum dos ipod e que nos faz vibrar ao ritmo das nossas playlists, nada mais a propósito depois do dia que tinha tido e das descobertas que tinha feito, mas a minha primeira reacção foi mesmo – isto existe? parece que sim, existe mesmo e segundo o artigo tem feito sucesso pelo mundo, ao que dizem, até quem não era grande fã de música ritmada passou a possuir no seu ipod um conjunto de faixas tecno e outras que tal, parece que quanto mais “batida” tiver, melhor! ;)

realmente há coisas que parece que nos aparecem aos olhos de propósito, já sei o que comprar quando voltar a ir de férias, não vá a coisa repetir-se como este ano. ;)

e porque o diário também é serviço à comunidade ;) as interessadas poderão consultar aqui o site mais novo “amiguinho” do ipod ou nosso. fico à espera de feedback de alguém que já tenha experimentado e me queira contar que tal é ;)

sinto-me: curiosa
banda sonora: lulla bye - a bigger plan
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:40

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

rexona women um “deo roll-on” de grandes sensações

de férias mas retida entre 4 paredes e pior, sozinha, os desarranjos e descombinações de ultima hora assim o justificavam pelo menos por mais 2 ou 3 dias. o tédio era grande e a praia apesar de ali tão perto não me cativava minimamente pois conseguia ouvir o vento lá fora e eu detesto praia com vento. nada para fazer, se ao menos tivesse a “su” para coscuvilhar ao telefone, mas nem isso era possível. resolvi desfazer as malas e arrumar tudo muito arrumadinho em gavetas e cabides como quem vai ficar 6 meses e não 15 dias.

 

a verdade é que tinha planeado muita coisa para estes dias e a espera estava a deixar-me louca e pior que louca, louca de tesão, isso mesmo, estava com uma daquelas vontades que só eu sei e nada melhor que fazer trabalhos domésticos para “cortar” essas vontades, é melhor que um banho frio, mas nesse dia nem isso me valeu, estava mesmo “assanhada”, sentia-me desejosa por um bom “pau duro” dentro de mim (o verão faz-me destas coisas) e lembrei-me que nem sequer o vibrador tinha trazido, achei que não iria precisar, que iria ter melhor, que engano.

 

a caminho da casa de banho para colocar os meus objectos de higiene pessoal tive uma visão (nada de religioso, muito pelo contrário) o meu desodorizante, o meu rexona women que mudou recentemente de embalagem (só faço publicidade porque estes senhores merecem mesmo) e que grande e maravilhosa mudança, não sei quem o pensou, mas está realmente perfeito para uma mulher, ou pelo menos para uma mulher como eu ;) nem pensei duas vezes, descolei cuidadosa e o mais rapidamente possível todos os autocolantes da embalagem, lavei-a, tirei num ápices as cuequinhas e “cá vai disto” enfiei-o directamente na minha ratinha já para lá de molhada de desejo e que bom que era o raio do desodorizante, digo-vos mesmo, não fica nada atrás de algumas coisitas realmente feitas e pensadas para esse efeito que há por ai e com ele brinquei longa e demoradamente aproveitando tudo o que ele me podia dar naquele momento de grande necessidade.

 

após alguns minutos tive um principio de orgasmo que decidi não reprimir e levar até ao orgasmo propriamente dito em segundos caindo em seguida de costas na cama. ali, deitada, olhei uma vez mais para o desodorizante beijei-o e disse-lhe: “obrigada rexona women” por esta evolução.

 

foi realmente uma experiência muito boa e inesperada da qual me surgiu a ideia de escrever ao fabricante perguntando para quando uma embalagem de 150 ml a 200 ml em vez dos normais 50 ml ;)

 

 

sinto-me: deliciada
banda sonora: clã - sexto andar
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:59

link do post | comentar | ver comentários (22) | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

plug and play (big) adventures

olha lá, o que vais tu fazer com isso agora? – diz a “su” para mim na saída da loja – vou guardar e oferecer-to no natal! – respondi eu ainda com algum mau génio. eh lá que ela está mesmo brava hoje! calma amiga, foi só uma pergunta. é que a mim estava-me mesmo a apetecer experimentar o meu ;) és louca! agora! como? – ela aproxima-se de mim e diz-me ao ouvido – queres ir até minha casa para vermos se isto é mesmo bom ou não? – arrepiei-me toda, ela sabe perfeitamente que falar-me assim ao ouvido é “muita maldade” derreto-me toda. olhei para ela, ri-me, respirei fundo e disse – bora lá! ;)

chegadas a casa dela a “su” não está cá com meias medidas, baixa as calças mesmo na entrada da porta, tira a camisa já no sofá e que nem uma criança com um brinquedo novo vai de abrir o pacote. quanto fechei a porta e olhei para ela já ela estava só de soutien e cuecas com um sorriso lascivo de volta do saco. eu não acredito! já estás assim? – não vou perder mais tempo, desde que pus as mãos nisto na loja que estou “cheia de tesão” para o experimentar ;)

ai amiga, desculpa! – o que foi? que é que aconteceu? – abri o teu sem querer, são iguais por fora e agora? – agora olha “abriu vai ter que enfiar”! – disse eu rindo que nem uma doida aproveitando as deixas da “su”. quê? tu é que tás louca! onde é que eu tenho cona para uma “bisarma” dessas? – quero lá saber! é o destino! não o querias no natal ele vingou-se e quis-te a ti agora! ;)

mas estás a falar a sério? ok, se não queres se quer tentar não vou ser eu que te vou obrigar, certo? fogo! sabes que não gosto que me fales assim! alem de que quem faz esse papel sou eu e não tu. pois é amiga, a vida dá muitas voltas e chegou a hora de provares um pouco dos teus “feitiços” ;) ok, aceito o desafio, dá cá isso! e pegando no enorme plug ficou ali a olhar para ele. ai ai e agora? espera, vou buscar um pouco do óleo johnsons para ver se ajuda.

plug bem besuntado de óleo passei-lho para a mão e disse, é agora! cala-te, eu sei que é agora! – disse ela nervosa. acho que nunca a tinha visto assim nervosa por iniciar uma experiencia mas percebo perfeitamente pois eu também estava e “não era nada comigo”.

colocou o plug no chão e ele de imediato ficou colado com a tal ventosa, ok, vamos a isto mas com jeitinho! – disse ela falando para o plug ;) tirou as cuequinhas e com os dedos engordurados do óleo passou na entradinha da ratinha, colocou um pé de cada lado do plug e baixou-se colocando-se de cócoras com a ponta do plug apontada à ratinha, baixou-se mais deixando que ele começasse a entrar devagarinho. até entrou um bom bocado, mais do que estava à espera. então, que tal? – perguntei eu? – não está mal, é grosso que se farta mas desliza imenso e é macio. e lá foi tentando baixando-se e levantando-se em movimentos lentos. olha, sabes que mais! – diz ela – isto nem é assim tão difícil, esta posição é que me mata, está muito baixo. tentamos pensar numa solução para pôr o plug mais alto e mudamo-lo para o canto da mesinha de centro, assim estava bem melhor. sentada no sofá apreciava agora directamente de frente a cena, ela estava a safar-se bem mais uns centímetros e o plug desaparecia dentro dela. estás a gostar? – perguntei eu – hum hum respondeu ela acenando com a cabeça e já gemendo e foi então que ela se sentou literalmente em cima dele e o “engoliu” por completo, quase saltei do sofá mas ela parecia estar a adorar, apenas gemeu mais forte e continuou a “cavalgar” o plug agora com bastante mais força e ritmo.

passou-me o nervosismo também a mim e comecei a ganhar “tesão” também assistindo a tudo aquilo, ajoeilhei-me junto dela e lambi-lhe o clítoris enquanto ela cavalgava, sabia a óleo mas não se pode ter tudo ;) ela olhou para mim e sorriu olhando para o saco como que me dizendo “tens ali um se quiseres”. percebi o “toque” e decidi experimenta-lo, mal me dirigi ao saco ela riu-se novamente e acenou que sim novamente com a cabeça. sentei-me no sofá em frente dela e apenas tirei as cuequinhas pois estava de saia e peguei no “médio” começando a passa-lo na minha ratinha molhando-o com o meu próprio liquido que se soltava abundantemente da minha ratinha, realmente eram muito mais lisos e macios que o vibrador e não demorou muito até que o introduzisse dentro de mim e começasse a desliza-lo num vaivém ritmado dentro de mim enquanto olhava para a “su” a cavalgar o “gigante”. quase sem querer meti-o todo dentro, deslizava mesmo muito bem  ;) a “su” estava a vir-se gritando e gemendo dando-me a entender que a “coisa” estava muito boa para o lado dela, deitei-me e relaxei desfrutando ao máximo do meu.

passados alguns minutos senti uma mão a tocar-me, era a “su” pegando no meu plug e a meter-mo com mais força para dentro, retirou-o e caiu de boca em mim chupando-me o clítoris e lambendo-me bem fundo, senti um daqueles míni-orgasmos de antecipação muito bons (adoro). senti-a novamente a meter-me o plug mas percebi rapidamente que não era o mesmo. abri os olhos para ver o que se estava a passar e tentei agarrar-lhe a mão – está quieta! – gritou ela – não estavas bem como estavas? – deita-te e aproveita – olha que tu tem cuidado! – disse eu a medo – claro que sim, relaxa, estou só a brincar um bocadinho com este para o sentires.

e brincadeira vai, brincadeira vem que fui sentindo a minha ratinha a dilatar mas como não me estava a doer não dei importância, estava a senti-lo deslizar bem e isso estava a dar-me imenso prazer, num segundo senti um ultimo alargamento e um súbito relax na pressão, olhei e percebi que ela me tinha metido o “gigante” todo na ratinha sem que eu tivesse percebido, sorri e disse-lhe – tu és tramada! já estás satisfeita? – ainda não disse-me ela passando a fazer movimentos circulares com ele todo enfiado dentro e a chupar-me o clítoris ao mesmo tempo. senti rapidamente um calor a tomar conta de mim e breves segundos depois explodi num enorme orgasmo, senti-o todo, a minha vagina contraía-se mas como estava tão cheia senti todas as contracções internas de uma forma bem mais notória e diferenciada.

trocamos um beijos e dissemos quase ao mesmo tempo  - muito bom! rimos em seguida. a caminho do banho diz-me a “su” – gostaste da tua compra? quando queres experimenta-lo no rabo?

não respondi sequer.

sinto-me: no céu
banda sonora: ez special - alguém como tu
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:47

link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Julho de 2008

momentos de “mau génio” na sex-shop

a “su” convidou-me para irmos às compras e eu, claro, fui, sem sequer perguntar nada ou pensar sequer onde íamos a certa altura dou por mim a entrar numa loja de artigos eróticos (sex-shop) e pergunto-lhe – olha lá, que é que viemos aqui fazer? era aqui que me querias trazer às compras? – não, espera! – disse ela logo, mas vi aqui a loja e lembrei-me de ver as “novidades” ;) ah sei, as novidades!

já que ali estávamos decidi acompanha-la na visita à loja e realmente era parecia fascinada com as novidades, parei junto de uns aventais de cozinha extremamente cómicos com formas de mulher e homem nus mas logo ela me gritou do fundo da loja – anda cá ver isto! – passei logo uma vergonhaça pois todos os olhares da loja se voltaram para mim mas lá fui – que é que tu queres? precisas gritar? está tudo a olhar para mim! – deixa-te disso, olha aqui! – bem, que monstruosidade! – disse eu de boca aberta. para que é que isso serve? esta foi a frase que me levou à segunda vergonhaça do dia, é que atrás de mim estava uma moça que trabalha na loja que rapidamente me explicou com todos os detalhes para que servia ou poderia servia o produto – é um plug disse ela – serve para introduzir na vagina ou ânus com o intuito de induzir o prazer sexual provocando dilatação há de diversos tamanhos para quem é iniciante recomendo um mais pequeno – já roxa de vergonha agradeci a informação mas não gostei mesmo nada da conversa “pindérica” do “para quem é iniciante recomendo um mais pequeno”. o tal plug era realmente enorme, com um formato em forma de cone fino na ponta mais muito largo na base onde tinha uma espécie de ventosa, não tinha nada de fios, pilhas e essas coisas pois não tinha vibração e era relativamente curto mas mesmo muito largo na base, como é que alguém consegue enfiar isto na ratinha? e no rabo? bolas! pior ainda! pior que enfiar a mão toda lá dentro – pensei eu com os meus botões.

ainda não tinha acabado de ter esse pensamento oiço a “su” a dizer – vou levar um! – vais o quê?  foi isso mesmo que ouviste, vou levar um! talvez este – disse ela escolhendo o tamanho médio e foi nessa altura que me deu mais um daqueles meus acessos de raiva incontroláveis, não era tarde, nem cedo, era mesmo agora – ai é, levas esse, pois eu também levo um – e dizendo isto peguei no grande e segui atrás dela a caminho da caixa, ao chegar lá espetei literalmente com o “coiso” no balcão e disse – é para levar se faz favor! a moça arregalou os olhos e engoliu em seco e eu pensei – toma lá e vai buscar! – deseja mais alguma coisa, talvez um lubrificante? – não obrigada, está bem assim! e sai porta-fora cantando vitória e pensando – para a próxima não fazes sugestões sem tas pedirem oh pindérica! (sou mesmo má ás vezes eu sei).

 

(ah! ia-me esquecendo, se querem saber o que aconteceu com os plugs estejam atentos(as) aos próximos posts) ;)

 

sinto-me: controlando a fúria
banda sonora: amy winehouse - tears dry on their own
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:04

link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Julho de 2008

só um tapinha não dói

em amena conversa em grupo alargado de mulheres debatia-se o assunto “dor vs prazer” ou em como a dor pode ser causadora de prazer no que ao sexo diz respeito. tudo isto porque uma das amigas da “su” resolveu revelar (e revelar-se) dizendo que tinha acabado de por um piercing no clítoris, isso mesmo, no clítoris.

a miúda é toda dessas ondas “alternativas” tem imensos piercings visíveis e, pelos vistos. alguns não tão visíveis assim, bem como imensas tatuagens.

mas se a conversa começou por aí foi caminhando a passos largos para outros campos bem mais íntimos e privados, se é que já não é intimo e privado dizer-se que se pôs um piercing no clítoris. a miúda (alguns anos mais nova que nós) chegou ao ponto de admitir que adora a “dor” ou melhor dizendo, que a “dor” física (bem aplicada – segundo ela) pode ser uma fonte enorme de prazer, chegando ao ponto de aplicar a frase: “não há nada melhor que uma boa dose de dor para nos fazer atingir o máximo prazer”. ficamos todas de queixo caído, sem saber muito bem o que dizer mas logo a “su” com a sua curiosidade (que normalmente mata o gato) quis saber mais e mais.

mas como é isso? gostas de sm é isso? gosto! – os nossos olhos quase saltaram das orbitas – mas não desse sm que se vê por aí pela net ou em filmes, aquilo é muita encenação e teatro e por vezes para atingirmos o prazer não precisamos de tantos exageros. um exemplo - quem não gosta de uns bons “tapinhas”? fez-se silencio e olhamos todas umas para as outras e rimos. pois é, todas gostamos e não só nós, eles também! experimentem a dar-lhe uns bons “tapinhas” se querem ver como eles saltam. eu foi por aí que comecei e não me arrependi, depois foi uma questão de curiosidade e de ter um companheiro com os mesmos interesses e curiosidades e claro também há coisas que eu não gosto, a sensação de sufocação por exemplo, há pessoas que adoram isso, têm orgasmos brutais com a sensação mas eu detesto, experimentei uma vez e jurei para nunca mais. gosto de coisas mais simples, umas molinhas por exemplo nos mamilos e mesmo nos lábios uns “tapinhas” com mais ou menos força entre outras coisas.

a esta altura comecei a pensar que a minha depilação era “coisa de meninas” comparada com os relatos desta miúda e ela falava com uma convicção impressionante. guardei toda esta informação na minha cabecinha, nunca se sabe quando pode ser precisa ;)

e o piercing? – não resisti a perguntar. olhem, é realmente doloroso, mas só por breves segundos e também porque escolhi o método mais tradicional de o fazer, há formas mais soft. depois a sensação é apenas de dormência e passados 2 dias já nem nos lembramos que o temos ali. quanto à sensação em acção ainda não testei, ainda está muito “fresco” para essas andanças ;)

a caminho de casa fui a pensar, realmente é verdade, aprendemos mesmo até morrer e eu não quero morrer nem nova nem estúpida portanto, tenho que pensar seriamente no assunto ;)

 

sinto-me: tentada
banda sonora: pedro abrunhosa - momento
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:09

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

dúvidas existenciais

fantasias sexuais ja realizadas
sexo anal
sexo bi-sexual
sexo com 2 mulheres ou 2 homens
sexo com 1 casal
masturbacao em grupo (homens)
masturbacao em grupo (mulheres)
sexo em grupo
swing (troca de parceiros)
sexo em locais publicos
sexo na internet (webcam)
sexo com assistencia
gravar sexo em video
fotografar durante sexo
dupla penetracao
mulher com mais de 2 homens
homem com mais de 2 mulheres
sexo com desconhecido(a)
sexo com prestador de servicos (carteiro, canalizador, pizzaboy, etc)
sexo com animais
sexo com objectos bizarros
sexo com objectos sexuais volumosos
  
pollcode.com free polls
vestida para seduzir
calca e blusa bem justinha
calcao e top com muita lycra
mini-saia
decote generoso
lingerie e saltos altos
com a roupa que viemos ao mundo
a roupa nao importa, o olhar e fatal
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 1
homem
mulher
casal
grupo de amigos
grupo de amigas
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 2
menor de 18 anos
de 18 a 25 anos
de 26 a 35 anos
de 36 a 45 anos
de 46 a 55 anos
mais de 55 anos
  
pollcode.com free polls

posts recentes

concurso do “diário” – dá...

os ares do mar dão-me tes...

jogo do banquinho

a mais poderosa das “máqu...

depilação ou sadomasoquis...

revistas e descanso... ou...

rexona women um “deo roll...

plug and play (big) adven...

momentos de “mau génio” n...

só um tapinha não dói

leitores do diário

Offshore Jones Act
Offshore Jones Act Counter

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

leitores online

Users Online

segredos do diário

prémios do diário

Photobucket
blogs SAPO

subscrever feeds