Terça-feira, 2 de Junho de 2009

apenas mais uma “explicação”

mal ouvi a campainha tocar fiquei logo nervosa – que raio se passa comigo – pensei para comigo – tu estás louca ou a enlouquecer? é apenas um miúdo, como te pode ele por assim só por olhar para ti?. prometi a mim mesma não pensar no assunto e dedicar-me com o profissionalismo possível à missão que tinha pela frente, “explicar”.

abri-lhe a porta quase sem respirar mas, na verdade, ele entrou normalmente e sem me olhar de cima a baixo como na vez anterior e rapidamente perguntou se podíamos ficar na mesa da sala porque precisava de escrever – boa! – pensei eu – ele deve ter percebido a figura que fez da outra vez e deixou-se de brincadeiras. na realidade penso que ele estava realmente nervoso, creio que precisava mesmo de ajuda, ao contrário do dia anterior, e fomos directos ao assunto.

debatemo-nos por algum tempo com as dúvidas dele e aquela hora passou a voar – tem mais tempo para mim? – perguntou ele olhando para o relógio – tem?! – pensei eu de imediato – sacana do puto agora já me trata por “senhora”, sou alguma velha ou quê?sim, quer dizer, se ainda tiveres mais dúvidas e precisares do meu apoio podemos continuar.

ligou à mãe a explicar a situação não fosse ela não concordar e pensar que era eu que estava a tentar “fazer render o peixe” e lá continuamos com os estudos. passados uns 20 minutos chegamos a uma conclusão e ele finalmente percebeu a matéria e esclareceu as dúvidas. desculpe! se soubesse que não iria demorar tanto nem lhe tinha pedido mais uma hora, assim deve ter perdido algum compromisso por minha causa, desculpe!não, nada disso, se aceitei foi porque não tinha nenhum compromisso e já agora podes (e deves) tratar-me por “tu”, ou pareço-te assim tão velha?velha? não, não, nada disso, desculpa, não quis ofender!eu sei que não, estava a brincar contigo.

posso beber um copo de água?ah claro, desculpa, nem te ofereci nada, que cabeça a minha! levantei-me e fui até à cozinha – queres mesmo água ou preferes outra coisa? - @#%^* - o que disseste? – perguntei eu – nada nada, água está óptimo, tenho mesmo é sede! – ele tinha claramente dito alguma coisa e não era o que me respondeu depois mas achei melhor não pegar no assunto.

olha, posso pedir-te uma coisa? – disse ele – sim, o que se passa?nada de mais era só que se realmente não tens nenhum compromisso eu ficava aqui mais uns minutos só para não ir já para casa, é que disse à minha mãe que ia precisar de mais tempo e se chegar cedo ela vai chatear-me a sérioah ah, ok, não tem problema, também estou a precisar de companhia. vives sozinha? – disse ele com cara de espanto -  sim, vivo, porquê?não, pensava que moravas com algum namorado ou marido, sei lá!sorri, não, não sou casada! – depois de uma pausa de alguns segundos retorquiu – mas não deve ser por falta de candidatos! – sorri novamente e não disse nada, na verdade aquele tipo de “piropos” inocentes até estavam a ter a sua piada.

senti novamente aquela sensação do dia anterior em que parecia que a cada olhar ele me despia, aquele miúdo estava a “comer-me” com os olhos, mas porquê, porquê eu? deve haver na escola dele umas 100 miúdas da idade dele bem mais “apetitosas”, decidi ver até onde ia, mas sem exagerar nas provocações ou ser muito descarada mas um simples descruzar de pernas (simples e não ao estilo sharon stone) ou o colocar de um pé apoiado mais alto no apoio da cadeira foi mais do que suficiente para que os seus olhos se fixassem nas minhas coxas e o deixasse quase a suar ;)

que é que este miúdo pensará da vida – cheguei a questionar-me – se eu lhe der um sopro ele cai como um castelo de cartas. confesso que essa ideia de poder ou de controlo absoluto me chegou a pensar em algo mais abusado, mas a consciência falou mais alto e consegui recalcar os meus instintos.

olha, não te estou a querer mandar embora mas acho está na tua horaah, pois, está, como o tempo passa! – respondeu ele com uma voz meio gaguejante – pegando lentamente nas coisas que trouxe foi arrumando e por fim levantou-se para sair, percebi rapidamente o porquê de tanta demora, ele estava nítida e visivelmente excitado, era impossível de esconder o “alto” dentro das suas calças de fato-de-treino, fingi que não reparei e conduzi-o à porta. ele tapando como pode com os livro o que se passava lá se foi despedindo. já fora da porta disse – ah, olha, já me ia esquecendo, para a semana não venho, faço anos e fazer 18 anos é só uma vez!sim, tens razão, aproveita bem então o que te resta dos 17 então, a partir da próxima semana a tua vida muda e muito, vai por mim que eu sei!

sinto-me: confusa qb
publicado por diariodeumamulhermadura às 12:20

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Terça-feira, 21 de Abril de 2009

a noite de todas as loucuras

depois de um dia passado numa viagem com várias pausas para observar a paisagem, comer ou ir ao wc decidimos que era melhor parar e procurar um lugar onde passar a noite já que esta altura do ano é sempre muito procurada para férias e turismo e nós como bons aventureiros não tínhamos efectuado nenhuma reserva. circulamos lentamente pelas ruas com as cabeças fora do vidro procurando algo que nos indicasse um hotel e, de preferência, íamos começar a busca por algo não muito “chic” que o dinheiro não era muito.

à segunda tentativa descobrimos um local óptimo, era mesmo no centro e com vista sobre os canais e, curiosamente, e apesar de vista privilegiada, nem era muito caro. marcamos um quarto para os ragazzi e outro para as ragazze, pois apesar da lorena por certo querer ficar com o alberto eu não iria ficar a dormir com o pasquale, certo?

após um rápido instalar nos quartos fomos directos à “janta”, entrámos numa churrasqueira ali perto, não os ia levar por certo a comer uma pizza J. e eles também queriam provar algo tipicamente português. mal entrámos no restaurante sentimos logo aquele aroma a carne grelhada. olhei por breves segundos para o menu que dizia – especialidade: grelhada na mista à casa – nem pensei duas vezes, venha a tal “grelhada mista” bem regada com sangria.

já não me lembrava o bem que se come no norte do país e como as “doses” são verdadeiras “doses”de comida (aliás, devo ter engordado uns 5 quilos nesses dias). comemos bem e bebemos igualmente, rumamos ao hotel já meios “zonzos”, pelo menos eu e a lorena estávamos claramente “alegres”.

tínhamos entrado no quarto há pouco tempo quando decidi tomar um banho a meio do qual ouvi a campainha tocar, fechei por momentos a torneira do chuveiro para ouvir o que se passava, não sabia quem era e apesar da português da lorena já ser muito aceitável podiam não a entender e ela precisar da minha ajuda, mas percebi que era o alberto e que falavam num italiano de tal maneira rápido que nem eu, que já estou algo treinada, percebi nadinha.

ao sair do banho ele já não estava e sentada na cadeira do quarto a lorena olhava para mim com um ar deveras assustador – que foi?aconteceu alguma coisa?não, nada!então porque estás a olhar para mim assim?não, nada, estava só a pensar! enrolada na toalha do banho e enquanto procurava na mala por umas cuequinhas no meio do amontoado de roupa que tinha feito à pressa perguntei – quem tocou à porta? ouvi a campainha quanto estava no banho!ah sim, foram os “ragazzi”, queriam saber se queríamos ir à rua para um “giro”!hummm, estou um pouco cansada, mas se quiseres vai com eles, eu fico aqui não, também não estou com vontade e como não conheço o lugar, melhor fazer a visita amanhã com luz!  e dizendo isto pegou no telefone e ligou para eles.

nem um segundo depois tocaram novamente à campainha – espera, disse eu! – ainda estou semi-nua! – vestindo à pressa o soutien enquanto ela ia à porta ver o que se passava. não deu tempo para mais e só de cuequinhas e soutien enrolei-me na toalha para eles poderem entrar. mas afinal era só o alberto, o pasquale tinha ido à rua ver o ambiente e tirar umas fotos junto à ria. não querem mesmo sair? – perguntou ele mais uma vez – não, estamos cansadas! – respondeu a lorena - então, vão já dormir? – retorquiu ele. a lorena olhou para mim e eu pensando disse – dormir, não, ainda estou um pouco “zonza” da sangria, expliquei por gestos!então que vamos fazer? – e antes que eu pudesse dizer alguma coisa a lorena pega numa almofada da cama e começa a bater-me com ela dizendo lotta dei cuscini”. não tive grande reacção mas à segunda ou terceira pancada tive mesmo que pegar numa e dar-lhe também com ela, parecíamos umas loucas, umas verdadeiras crianças a lutar com as almofadas e o alberto ali, sentado na cadeira do quarto a ver. nisto ela dá-me um empurrão para cima da cama e atirando-se sobre mim num misto de almofadas a voar e pernas as espernear ela diz-me ao ouvido - mi piace leccare il tuo figa” – que é como quem diz em italiano, traduzindo à letra – “adoro lamber a tua cona”.

a tesão explodiu num segundo naquele momento e antes que eu conseguisse fazer a minha própria tradução do que havia ouvido já ela me enfiava um “dedinho maroto” “nela”, excitando-me ainda mais. puxou-me as cuequinhas apenas para o lado e sem as retirar caiu de boca e língua nela lambendo-me de forma frenética e lasciva, sentia a ponta da língua percorrer-me o interior dos lábios e cair sobre o meu clítoris dando-me verdadeiros “choques eléctricos”, senti-me a ficar molhada, muito molhada e o recalcamento da vontade de tive no carro estava agora a vir à tona, o alberto permanecia imóvel, quieto, calado, como que invisível mas eu sabia que ele estava ali e ela também, percebia-se essa tensão no ar numa espécie de “jogo de sedução” em que ela lhe mostrava às claras como fazia comigo. pela primeira vez suspeitei que fora algo preparado e não tão espontâneo assim mas que a língua dela era uma maravilha era e a minha tesão era confessadamente muita.

vim-me pela primeira vez, forte, intensamente, segurei-me aos cabelos dela enquanto vivia aquele orgasmo como se fossem as rédeas de um cavalo selvagem a galope. fiquei imóvel por uns momentos, recuperando o fôlego, olhei pelo canto e vi o alberto ainda sentado na mesma cadeira, como uma estátua, a lorena despia-se, passou pelo alberto e com as cuequinhas dela na mão passou-as pela cara dele dando-lhas a cheirar, subiu para a cama e deitou-se na cabeceira e disse – agora é a minha vez! anda cá, vem, faz-me vibrar como só tu sabes! – percebi a certa teatralização que estava a fazer e que não era comum, dirigindo-se a mim queria na verdade atingir sim e ainda mais o alberto. virei-me, quase nem me levantei, rastejei somente por entre as suas pernas e ao chegar no ponto mordi-lhe o clítoris – gritou! – por certo mais de prazer que de dor pois a mordidela nem foi forte mas o alberto quase saltou da cadeira e ela gostou disso, se gostou, percebeu que estava na “onda” dela e isso deu-lhe ainda mais “corda” para continuar. já bem envolvidas uma na outra e com a minha língua a fazê-la gemer senti um barulho, tentei olhar mas não consegui ver grande coisa, reparei no entanto que o alberto se tinha levantado da cadeira mas não consegui vislumbrar onde estaria.

continuei a devorar a ratinha molhada e gostosa da lorena que gemia a bom gemer e se contorcia dando-me a entender que estaria prestes a vir-se, senti novo barulho de gente a mexer-se no quarto e consegui a muito esforço reparar que o alberto estava de novo sentado na cadeira como se nada fosse, como se nunca se tivesse dali mexido sequer. a lorena atingiu o orgasmo e apertou-me contra ela fazendo o meu nariz quase penetrar por inteiro na sua vagina pulsante. senti algo que não consigo explicar mas senti que algo se estava a passar nas minhas costas e tentei virar-me mas a lorena puxou-me com força para ela, segurando-me a cabeça e impedindo-me de me virar no preciso momento em que senti uma forte e algo brusca penetração, senti-me a ser invadida, quase rompida por algo que não sabia o que era ou quem era, senti-me a ser quase rasgada por algo duro e volumoso e a lorena não parava de me segurar com força. a penetração foi completa, como se algo fosse introduzido até ao fundo da minha ratinha e tivesse parado ali mesmo. respirei fundo tentando “encaixar” aquele volume que me tinha invadido e que não podia ver o que era, sentia-me a latejar por dentro, sentia-me toda dilatada e com a minha ratinha a tentar ganhar elasticidade para tamanho volume introduzido assim de uma só vez como um comboio num túnel.

percebi que a lorena não me ia deixar ver o que se passava e que portanto pouco mais tinha a fazer senão esperar para perceber o que se passava, passou-me pela cabeça que o alberto me tivesse introduzido algum objecto, algum dildo volumoso na ratinha, mas não sentia calor, era algo quente, será que ele me estava a penetrar com o próprio pénis? – pensei – mas já não era a primeira vez que o sentia e apesar de bem dotado não me lembrava de alguma vez ter sentido algo assim a não ser na minha primeira vez, na minha primeira penetração. respirei fundo mais umas quantas vezes e senti que havia agora movimento, estava a sua penetrada num movimento pendular lento mais contínuo e a cada movimento sentia-me toda por dentro, sentia a minha ratinha a vibrar, a dilatar e contrair a cada passagem, sentia-me cheia, verdadeiramente cheia, sentia o fundo da minha ratinha a ser pressionada a cada penetração mais profunda num misto de dor mas prazer até que senti a lorena mexer-se e libertar-me um pouco mais a cabeça olhei de lado e vi o alberto, despido e de pé ao lado da cama e a lorena esticando-se para o alcançar e chupar, mas, se o alberto, estava ali de lado, quem me estava a penetrar e com o quê foi a duvida que rapidamente se acercou de mim, não resisti e olhei por entre as pernas por debaixo do corpo, vi um corpo de homem balançando-se nas minhas costas, e só nesse momento me lembrei do pasquale, era ele, só podia ser ele, tentei levantar a cabeça mas senti a mão da lorena rapidamente a baixar-ma contra a cama – ok – pensei – se não queres que veja eu faço-te a vontade. decidi então desfrutar apenas daquele momento e aproveitar. ao meu lado a lorena já estava de quatro, como eu, e atrás dela o alberto penetrava-a tal como o pasquale me fazia a mim, sincronizados, como se todos fossemos peças de uma mesma máquina, aguentei o mais que pude e vi-me umas três vezes antes dele puxar rapidamente o “monstro” para fora e, arrancando bruscamente o preservativo, fazê-lo jorrar abundantemente daquele néctar quente nas minhas costas, percebi que o alberto também estava no ponto e a lorena virou-se, inclinou a cabeça para trás e recebeu o néctar dele pelo queixo, peito, barriga, escorrendo abundantemente que nem uma cascata e juntando-se numa pequena poça no vale formado pelas suas coxas juntas e encostadas à barriga.

virei-me finalmente e vi o pasquale, estava suado e com um aspecto satisfeito, ainda algo firme olhei demoradamente o pénis dele, era de facto enorme, quase monstruoso mas tinha servido na perfeição para a minha satisfação. levantei-me da cama e senti vários pingos escorrerem pelas minhas costas e rabo e caírem no chão do quarto, dirigi-me a ele e peguei-lhe, ainda estava duro, não resisti a tocar-lhe e a acariciá-lo, parecia um brinquedo novo para mim, comecei a efectuar movimentos masturbatórios, levemente, a minha mão quase não conseguia envolvê-lo, senti que esta a tornar-se ainda mais firme e isso excitou-me, empurrei-o contra a parede e comecei a masturbá-lo com força e a um ritmo alucinante, cheguei mesmo a usar as duas mãos masturbando-o o mais rápido que pude, senti-o gemer, gemia cada vez mais alto e eu sentia a pele dele a ferver na minha mão mas eu queria mais, queria tudo, queria fazê-lo vir-se novamente com as minhas mãos, olhei para a lorena e para o alberto que trocavam olhares entre si ao mesmo tempo que nos olhavam, estiquei uma mão para ela à medida que o pasquale gemia mais e mais e eu sentia que se aproximava o momento desejado, ela, pegando-me na mão ao de leve, trocou um longo beijo de língua com o alberto e um ultimo olhar “cumplice” antes de se ajoelhar a meu lado e partilhar aquele membro juntando uma mão dela à minha. senti que ele se ia vir, senti o pulsar dele e colei a minha cara à da lorena em frente dele enquanto ele se vinha num novo jacto que nos invadiu as caras às duas, trocámos um beijo entre nós, de caras e bocas pingando daquele néctar. depois ela levantou-se e abraçou-se ao alberto que lhe abriu os braços e sorriu.

(to be continued)

sinto-me: maravilhada
banda sonora: jason mraz - i'm yours
publicado por diariodeumamulhermadura às 12:28

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Março de 2009

posições

há posições e posições, há posições que excitam, há posições que transmitem sensações. a nossa postura, a nossa maneira de ser, tudo isto, dizem, pode ser visto pela forma como nos posicionamos. mas porque será que há posições que nos transportam, que nos fazem sonhar, que nos deixam fora de nós?

 

daquilo que conheço dos homens, e também de algumas mulheres, há as posições e a senhora das posições, a “de quatro”, “de gatas”, porque será minha gente, porque será? será que afinal não passamos mesmo de animais e no sexo perdemos a casca da racionalidade e mostramos quão irracionais ainda somos?

 

muitas perguntas, nenhuma resposta.

sinto-me: interrogativa
banda sonora: jennifer lopez - waiting for tonight
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:51

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009

aconteceu – no wc do emprego (continuação)

e não é que ela cumpriu a promessa e voltou mesmo. ainda o relógio não marcava 12:30 já ela lá estava, cumprimentou-me como se não me visse há pelo menos 12 século e perguntou se a “chefa” estava. entrou para falar com ela e apesar de estarem mais 3 pessoas na sala ainda conseguiu com um gesto e um olhar apontar-me novamente para a porta do wc. senti um arrepio de cima a baixo. acho que as férias lhe fizeram mal, ou demasiado bem, se antes andava, como diz a “su”, e passo a citar: com ela a pinchar; agora parece que afinal a fera que havia dentro dela despertou ainda mais e estava de garras mais afiadas que nunca.

 

ao sair, minutos depois, ainda conseguiu atirar-me um “xoxo” e a passar a porta e sem se voltar fez-me aquele sinal tão dela e que bem conheço que quer dizer qualquer coisa como – se precisares de alguma coisa, liga-me!

sinto-me: carnavalesca
banda sonora: andré sardet – adivinha quanto gosto de ti
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:44

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

sem tempo para muitas histórias

 

 

espero que ao mesmo se possam sentir menos "lesados(as)" pela introdução de novos "segredos".

 

beijinhos

 

mm

 

sinto-me:
publicado por diariodeumamulhermadura às 08:56

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009

novidades no diário

olá a todos,

 

bem sabem que costumo pouco dirigir-me a vós, leitores, directamente, até porque um diário é isso mesmo, algo que escrevemos para "ninguém" ler.

 

hoje venho aqui apenas para vos dizer que, finalmente, consegui trazer algumas novidades para o diário e como o natal há muito que passou, aqui fica essa espécie de prenda para todos quantos leitores(as) do diário se interessarem.

 

obrigada, beijinhos e voltem sempre que desejarem,

 

mm

sinto-me:
banda sonora: queen - we are the champions
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:33

link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Novembro de 2008

a luxuriosa lembrança da “su”

a noite estava terminada e bem terminada, pensavamos nós, e os brinquedos já bem limpos e desinfectados, preparavam-se para ser guardados até próxima oportunidade, mas eis que a “su” num dos seus habituais rasgos de criatividade resolve pegar no “brinquedo novo” e diz ela – esperem aí! ainda falta testar uma coisa! – ficamos ambas a olhar para ela como que a pensar do que é que ela se havia lembrado agora.

 

sentada no sofá e já com o “dito” numa mão e o frasco do lubrificante na outra via os olhos dela brilharem de emoção, algo em grande ela estava a preparar, mas o que seria?

 

untou o dildo com lubrificante e depois olhou-o bem de frente como que dizendo – és meu! em seguida retirou as cuequinhas e atirou-as na minha direcção, pegou nele e começou a introduzi-lo na ratinha, eu e a lorena permaneciamos de pé, estupefactas e surpreendidas, o que seria que ela ia fazer que ainda não tivesse sido feito?

 

à medida que ela ia introduzindo o dildo, masturbando-se e vibrando com ele fomo-nos aproximando dela como que atraídas pelo suspense do que se iria passar, sentamo-nos bem junto a ela, no chão e ficamos a observar a cena como se de um filme se tratasse.

 

até ali nada de muito novo ou especial se tinha passado, mas o melhor ainda estava para vir, com o dildo bem enfiado dentro dela sentia à procura da outra ponta e era isso mesmo que ela queira, alcançou-a e pensei para comigo mesmo - olha, afinal ela quer testar também a “dupla penetração”, mas percebi rapidamente que me tinha enganado, ao contrário do que tinha pensado, ela não estava a tentar testar a dupla penetração, ou melhor, estar até estava, mas de uma outra forma, ela estava a tentar penetrar-se com ambas as pontas na ratinha, uma dupla penetração vaginal J

 

não estava a ser fácil e olhei para a lorena como quem diz – vamos ajuda-la? – ela percebeu o meu olhar e passou logo à acção, apesar de ela já estar bem dilatada e lubrificada o dildo era grande, ou melhor, ficava larguissimo com os dois pénis lado-a-lado mas nada que uns empurrõezitos mais fortes à mistura com a lingua da lorena no clitoris dela a estimular e excitar mais a coisa não resolvessem e finalmente entrou, entrou todo, ficou com amabas as pontas enfiadas na ratinha a forçarem a entrada, nessa altura ela gemia a bom gemer e pouco mais podiamos fazer do que mexer levemente no dildo agora quase dobrado ao meio. a cada toque ela gemia e agarrava-se com toda a força no sofá, ela estava realmente muito dilatada e o dildo naquele posição estava constantemente a força-la nesse sentido.

 

acabou por atingir o orgasmo alguns segundos depois e com as enormes contracções do mesmo expulsar o dildo do seu interior, estava com um buracão enorme na ratinha, nem a quando daquela brincadeira com a mão a tinha visto tão dilatada e, ao mesmo tempo, tão satisfeita ;)

sinto-me: especial
banda sonora: 3 doors down - away from the sun
publicado por diariodeumamulhermadura às 08:31

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

surpresa sexual por via postal

cheguei a casa depois de um dia de trabalho extremamente cansativo, abro a caixa do correio e vejo um aviso para levantar uma encomenda postal - uma encomenda postal? – pensei, não me lembrava de ter encomendado coisa alguma que pudesse vir por essa via, que estranho!

 

no dia seguinte, ao sair de casa, lembrei-me do aviso e levei-o comigo, estava curiosa para saber o que raio seria essa encomenda postal que ainda por cima não tinha informação nenhuma do remetente.

 

não consegui conter a curiosidade, esperei um pouco e passei nos correios mesmo antes de ir para o trabalho, mesmo correndo o risco de chegar atrasada eu tinha que saber que raio de encomenda era aquela e de quem vinha pois inclusivamente poucas pessoas têm a minha morada de casa e quando normalmente encomendo alguma coisa por via postal costumo colocar a morada do emprego pois assim é mais fácil receber a encomenda, tudo isto me parecia tão estranho.

 

levantei a encomenda nos correios, uma caixa relativamente pequena, mais ou menos do tamanho de uma caixa de sapatos, branca, lisa e sem qualquer indicação de quem ou de onde vinha. no remetente apenas duas iniciais - “a. i.”, rapidamente fiz uma busca na minha agenda mental a ver se conseguia decifrar aquele código, poderia ser “ana isabel”, tirando o facto de não conhecer nenhuma, ou “antónio inácio” que também não faço a menor ideia  de quem seja, de quem seria aquela encomenda e mais, o que estaria dentro daquela caixa imaculada.

 

pelo sim, pelo não levei-a comigo para o carro, “sentei-a” no banco do pendura e olhei para ela umas quantas vezes antes de decidir abri-la, depois pensei comigo mesma – oh pá, não sejas tonta, o que poderá estar ai dentro, não és ninguém famoso para ser uma bomba ;)

 

abri a caixa, dentro tinha um bilhete e um embrulho um pouco mais pequeno mas desta vez envolvido em papel vermelho vivo. se curiosa estava, mais curiosa fiquei, abri o bilhete que dizia apenas – una pequena oferta para una grande persona – percebi rapidamente pelo “português” que só poderia ser da lorena, rasguei rapidamente o embrulho e dei de caras com... mais um brinquedo para a colecção ;) um dildo, mas não um dildo qualquer, um dildo duplo, ou seja, um dildo daqueles maleáveis e translúcidos, comprido e com um formato masculino em cada um dos lados, uma espécie de “serpente de duas cabeças”, uma em cada extremidade ;)

 

surpreendida por tamanha oferta guardei tudo na caixa e rumei ao trabalho que já estava atrasadissima, pelo caminho escrevi uma sms à lorena dizendo apenas – obrigada pela oferta, por certo vai ser muito útil. não tive qualquer resposta e já no trabalho não contive os meus impulsos e enviei nova sms acrescentando – só tenho um problema, não sei como como usar, queres ensinar-me?

 

e a resposta, foi...

sinto-me: expectante
banda sonora: colbie caillat - realize
publicado por diariodeumamulhermadura às 01:01

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 18 de Outubro de 2008

quem é a "mulher madura"? – sobre mim

decidi aceder a um pedido/desafio que me foi colocado vir e-mail por uma leitora/amiga do diário. achei giro o desafio porque é um jogo que costumo fazer entre amigos(as) e que também vem a propósito de um tema que será página do diário muito em breve.

 

o pedido/desafio tinha a ver com uma séria de perguntas à qual deveria dar respostas rápidas (e sinceras) de forma a que me pudessem conhecer melhor em poucos segundos, desafio lançado, desafio aceite cara patrícia ;)

 

nome: -------------------------

 

idade: trinta e poucos anos

 

sexo: feminino

 

orientação sexual: não me considero uma verdadeira bisexual, creio antes que sou uma heterosexual com um certo fascinio por uma ou outra mulher e que de vez em quando prefere uma boa mulher a um mau homem.

 

idade com que teve a primeira experiência sexual: a 2 com quase 19 anos, sozinha com 16.

 

melhor experiencia sexual: ainda está para vir ;) mas já tive muitas e muito boas.

 

pior experiencia sexual: dificil escolher apenas 1, creio que 2, por motivos bem diferentes e das quais já falei aqui no diário (o africano) e a (praia), a pior no sentido da insatisfação foi mesmo a do africano.

 

melhor “piropo” que já recebi: “só de sentir o teu cheiro fico logo com tesão”

 

pior “piropo”que já recebi: “quanto é que queres para me fazeres um broche?”

 

parte que mais gosto do meu corpo: o meu rabo :)

 

parte que menos gosto do meu corpo: as orelhas, são um pouco grandes :)

 

já fizeste fotos/videos nua ou a fazer sexo?: já, mas nunca os mostrei a ninguém ;)

 

pior embaraço sexual: aos 16/17 anos quando fui apanhada pela minha mãe a masturbar-me.

 

gostas mais de provocar ou ser provocada?: ambos, sou uma provocadora, admito-o, mas adoro quando sou eu a provocada.

 

momento sexual que mais te marcou: a primeira vez com a “su”, mudou a minha vida ou pelo menos a forma de ver a vida.

 

melhor posição sexual: não ficar só numa ;) mas gosto muito de ficar de 4 (na minha vertente submissa) e por cima (na minha vertente dominadora).

 

 

e pronto, aqui estão as respostas ao inquérito/jogo, o original que me foi enviado era bem mais extenso mas creio que algumas das perguntas não fazem muito sentido para aqui e portanto as respostas a essas perguntas ficam no segredo dos deuses, pode ser patrícia?

 

quem quiser entrar no jogo sinta-se à vontade para o fazer.

 

sinto-me: divertida
banda sonora: ez special - my explanation
publicado por diariodeumamulhermadura às 03:19

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quinta-feira, 9 de Outubro de 2008

a colega italiana – novos desenvolvimentos

depois daquele primeiro episódio “curioso” nasceu entre nós uma amizade que perdurou mesmo quando ela voltou ao seu local de trabalho de origem. não há dia que ela não me mande 5 ou 6 e-mails pessoais ou simples fw, daqueles que mandamos (erradamente) para toda a nossa lista de contactos.

 

no outro dia convidei-a para jantar, aliás, para jantar comigo e com a “su”que entretanto arranjou um “furo” na sua agenda para estar comigo e por a conversa em dia. já tinha falado nela à “su” mas apenas pelo telefone, quando lhe contei a história da banana e ela estava também muito curiosa para a conhecer.

 

fomos jantar num sitio calmo, os dias tinham andado do pior que pode haver em termos de trabalho e de stress e precisavamos mesmo era relaxar. a “su”, como sempre, conhece tudo, e lá arranjou lugar para nós num restaurante (não muito caro) para os lados da marina de cascais.

 

quando chegamos (a lorena foi à boleia comigo) a “su” já estava à nossa espera, entramos sem demoras que a fome já apertava. era um restaurante italiano ;) e, como tal, deixamos a nossa amiga fazer as honras da casa e ajudar-nos na escolha dos pratos, ela lá foi dizendo que a comida italiana em italia é um pouco diferente da que temos em portugal mas fizemos um mix de pratos e comemos de tudo um pouco.

 

um jantar bem comido e bem regado com vinho italiano, pelos menos elas duas beberam que se fartaram, eu não é que não goste mas prefiro o retiro do lar para beber, até porque como estava a conduzir também não dava muito jeito ficarmos a pé. a lorena é assim mesmo, muito expontanea, quando vê ou ouve algo que lhe chama a atenção não se coibe de comentar e/ou perguntar coisas e tanto eu como a “su” gostamos disso. conversamos um pouco sobre as nossas vidas e, acima de tudo, rimos muito. desde que iniciei convivencia com a lorena não sei se foi ela que aprendeu muito melhor o português ou eu o italiano, mas o facto é que nos conseguimos entender quase perfeitamente.

 

se ela já se tinha mostrado pouco inibida no dia-a-dia então no nosso meio e com uns copitos a festa era geral e mais cedo ou mais tarde a conversa teria (inevitavelmente) que ir parar ao tema de sempre – sexo.

 

falamos e falamos, rimos e disparatamos até que chegou a hora de ir para casa, mas o estado assim o pedia que evitassemos muitas viagens e fomos todas para a minha. fiz questão de a pôr à vontade com o espaço e tudo o que precisasse, perguntou se podia tomar um banho que não conseguia dormir “suja”, a “su” num dos seus repentismos habituais perguntou-lhe logo se ela precisava de ajuda no banho, ao que ela recusou, sorrindo.

 

passados segundos voltou à sala já enrolada numa toalha a perguntar-me se por acaso tinha uma escova de dentes a mais, claro que sim, tenho sempre! e disse-lhe novamente que estava em casa, podia tirar da gaveta por baixo do lavatório ao que ela respondeu - em casa não estou, mas quase! estranhei a resposta e perguntei – porquê? falta-te alguma coisa que precises? – não, disse ela, mas se estivesse em casa andava nua, adoro andar nua em casa! olhem só o que ela foi dizer, respondi de pronto, se quiseres anda, ninguém leva a mal! e mal tinha acabdo a frase já ela soltava um “yupi” de alegria (também alcoolica) e atirava a toalha ao ar ficando apenas de soutien e de cuequinha.

 

uau, disse logo a “su”, que lindo conjunto tu tens – referindo-se à cuequinha e soutien que por acaso eram realmente muito bonitos, ela ou não percebeu ou fez-se despercebida e segurando por baixo das copas do soutien e puxando ligeiramente para cima disse – sim, são duas! rindo em seguida.

 

ficamos um bocadinho palermas com mais esta atitude, a italianita tinha atitude mesmo, postura rebelde, como nós gostamos. ;)

 

ela foi tomar o banho e nós duas ficamos na sala a comentar a lingerie dela ;) era um conjunto realmente muito bonito com uma cuequinha com uma forma “sui generis” nem era normal nem era tanga, era algo intermédio que lhe assentava muito bem nas formas redondinhas mas, curiosamente, bem firmes e sem uma única estria (segundo o olho atento da “su”). era sem dúvida uma mulher muito bonita vestida e igualmente linda despida ;) segundo a “su” ela tinha corpo de brasileira e não de italiana (vá-se lá saber de onde ela conhece mais italianas para comparar ;)

 

confesso que aquela cena me deu uma certa “vontade” de ver até onde é que ela dava, mas nem abri a boca sobre o assunto senão a “su” era bem capaz de estar a fim de uma das dela. mas nem precisei de abrir a boca que ela saiu-se logo com um “olha lá, achas que ela alinhava num ménage feminino?” – e eu sei lá “su”, não te ponhas a dar-me ideias, ela nem nos conhece bem ainda é capaz de levar a mal. nisto entra ela de novo na sala, enrolada na toalha mas desta vez notoriamente acabada de sair do banho. se isso for possivel estava ainda mais arrebatadora, acho que qualquer homem (ou mulher) lhe cairia o queixo ao ter aquela visão, como nos aconteceu a nós duas.

 

dirigiu-se a mim e perguntou-me se tinha alguma loção de corpo que ela pudesse usar. claro que sim, levantei-me e fui buscá-lo enquanto ela se sentou no sofá junto da “su” – está aqui! disse-lhe eu, fazendo em seguida uma pausa trocando um olhar com a “su” – queres ajuda para pôr? não resisti, tinha mesmo que fazer esta pergunta.

 

ela olhou-nos por um instante e acenou com a cabeça que sim, virando-me as costas para que pudesse começar, sentei-me atrás dela e comecei a passar o creme massajando levemente aquela pele macia, libertou mais a toalha para que pudesse descer e pude reparar que estava totalmente nua, continuei a massajar-lhe as costas enquanto a “su” já pegava no frasco para me “ajudar”, começando a espalhar-me creme nas pernas. senti que ela estava a gostar, e muito, da massagem e que à medida que iamos avançando ela se ia descontraindo mais e mais.

 

finalizadas as costas ela abriu a toalha mostrando-nos totalmente as suas formas femininas, deitando-se em seguida de barriga para baixo em cima dela. estava realmenente muito bem cuidada e tinha umas linhas muito bonitas, um peito bonito de dimensões bastante boas e muito firme, a ratinha estava delicadamente aparada e depilada com as virilhas bem cavadas deixando um fio de um dedo de largura apenas no centro.

 

passamos a massajá-la nas costas, braços, coxas e pernas a 4 mãos, contornando as suas formas e de vez em quando subindo pelo interior das coxas até quase tocar na ratinha dela, sentia soltar pequeninos gemidos cada vez que isso acontecia e não demorou até que entrasse a 100% no jogo, voltando-se ao contrário e dizendo - ora é l'altra faccia! que é como quem diz – falta o outro lado!

 

comecei bela barriga também ela firme e trabalhada mas logo ela me guiou as mãos para o peito, e que peito ;)

 

a “su” continuava nas pernas mas começou a “abusar” um pouco mais tocando-lhe directa e diversas vezes na ratinha, situaçoes que a faziam estremecer, após algum tempo pegou-me na mão e guiou-a até a ratinha dela começando a masturbar-se usando a minha mão. os movimentos foram acelerando o ritmo e não me coibi de lhe começar a enfiar um dedo na ratinha cada vez que a mão descia, ela parecia estar a adorar o que nos deu ainda mais vontade de continuar, algu]em me puxava o braço para o lado, era a “su” já cheia de vontade de lhe enfiar a lingua (ela não perdoa mesmo) e assim fez mas apenas por breves segundos pois ela rapidamente atingiu o orgasmo, segurou-nos nas mãos e puxou-nos para ela abraçando-nos uma de cada lado.

 

e a noite por ali ficou, ela acabou por adormecer no extase do orgasmo, deixamos as conversas para o dia seguinte, tapamo-la e fomos também nós dormir, ou, pelo menos, fomos para a cama (que mulher também não é de ferro). ;)

 

sinto-me: deslumbrada
banda sonora: scissor sisters - i don't feel like dancin
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:47

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

dúvidas existenciais

fantasias sexuais ja realizadas
sexo anal
sexo bi-sexual
sexo com 2 mulheres ou 2 homens
sexo com 1 casal
masturbacao em grupo (homens)
masturbacao em grupo (mulheres)
sexo em grupo
swing (troca de parceiros)
sexo em locais publicos
sexo na internet (webcam)
sexo com assistencia
gravar sexo em video
fotografar durante sexo
dupla penetracao
mulher com mais de 2 homens
homem com mais de 2 mulheres
sexo com desconhecido(a)
sexo com prestador de servicos (carteiro, canalizador, pizzaboy, etc)
sexo com animais
sexo com objectos bizarros
sexo com objectos sexuais volumosos
  
pollcode.com free polls
vestida para seduzir
calca e blusa bem justinha
calcao e top com muita lycra
mini-saia
decote generoso
lingerie e saltos altos
com a roupa que viemos ao mundo
a roupa nao importa, o olhar e fatal
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 1
homem
mulher
casal
grupo de amigos
grupo de amigas
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 2
menor de 18 anos
de 18 a 25 anos
de 26 a 35 anos
de 36 a 45 anos
de 46 a 55 anos
mais de 55 anos
  
pollcode.com free polls

posts recentes

apenas mais uma “explicaç...

a noite de todas as loucu...

posições

aconteceu – no wc do empr...

sem tempo para muitas his...

novidades no diário

a luxuriosa lembrança da ...

surpresa sexual por via p...

quem é a "mulher madura"?...

a colega italiana – novos...

leitores do diário

Offshore Jones Act
Offshore Jones Act Counter

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

leitores online

Users Online

segredos do diário

prémios do diário

Photobucket
blogs SAPO

subscrever feeds