Segunda-feira, 21 de Setembro de 2009

a volta de férias da lorena - a precisar de manutenção

 quem veio de férias foi a lorena que desaparecida à semanas resolveu dar noticias. como quase sempre o dar notícias foi mais ao estilo de um pedido de ajuda. ligou-me dizendo que tinha um problema, queria depilar-se (como eu e a “su”) em vez de rapar-se com lâmina como tinha feito recentemente por diversas vezes e queria saber onde podia ir. a hora já era alto tardia e assim de um minuto para o outro não dá para marcar depilação, tentei explicar-lhe mas ela insistia que queria naquele dia e a “su”, que estava comigo em casa diz – porque é que ela não vem até cá, podemos ajudá-la a fazer com cera fria.

ela aceitou de pronto e enquanto fomos ao supermercado comprar mais uma dose, não fosse a que tínhamos não chegar, a lorena chegou. então, que se passa? qual é a pressa? – perguntei eu – nenhuma, já devia ter feito e quanto maiores, pior! – respondeu ela simplesmente. sem mais explicações baixa rapidamente as calças de desporto que tinha vestidas e logo em seguida as cuequinhas e deitou-se no sofá onde já estava uma toalha como que a marcar o lugar. tens a certeza que queres fazer isto? – perguntei-lhe – porquê, vocês não fazem? qual é o mal? – perguntou ela. nenhum, anda lá, que a …… é um bocado chata, já devias saber disso – disse a “su” rindo.

primeira banda posta e a lorena aí sim perdeu um pouco a pose e perguntou – isso vai doer não vai? – humm, só um bocadinho – disse a “su”. pronta? – perguntou – sim, disse ela – e zás lá arrancou a “su” a primeira banda enquanto eu ajudava a segurar e a manter a pele esticada para doer menos possível. a lorena quase saltou do sofá gritando – isso dói davvero! calma – disse a “su”, as primeiras são sempre assim mas depois vais ver que passa logo - dizia-lhe enquanto punha a palma da mão sobre a virilha de onde tinha arrancado a banda – vês, saíram quase todos daqui – continuou – os teus pêlos até são fracos, vamos fazer isto num instante.

e se há coisa em que a “su” é boa é a transmitir confiança, talvez seja uma arte da profissão e a lorena lá se recostou novamente e se preparou para o outro lado. mais uns minutos e a chamada “linha do bikini” estava feita – e agora? – perguntou a “su” – agora o quê? – disse a lorena com cara de espanto – até onde vamos? – ah – disse ela – não, não quero assim, quero tudo feito! – tudo? – perguntei – sim, quero a fighetta toda. ok, tu é que mandas – diz a “su” ao mesmo tempo que mete “mãos à obra” preparando mais material. fui tentando ajudar como pude mas a tentação de ter as mãos literalmente em cima da “ratinha” da lorena estavam a perturbar-me embora estivéssemos a ser para lá de profissionais no procedimento, até que, ela resolve provocar a cena e respondendo à pergunta da “su” se estava a doer muito ela diz – se a …….. em vez de só carregar se massajar um bocadinho deve doer menos - e riu-se com aquele ar de safada dela. pensei para com os meus botões – ah é disso que queres, vais ver o que te espera! . na banda seguinte não segurei com tanta pressão como havia feito nas anteriores e o arrancar da mesma foi nitidamente mais doloroso, em vez disso e em vez de colocar a minha mão por cima acalmando a zona e sem mais perguntas enfiei-lhe o dedo indicador na vagina e comecei a fazer movimentos circulares no clítoris com o polegar ao mesmo tempo que lhe perguntava com alguma sacanice – é assim que está bom?sim, disse ela, está bom, mas podia melhorar! – queria perguntar de imediato “como” mas contive a pergunta e voltei a pensar para comigo o que lhe iria fazer a seguir. mais uma banda e desta vez foram dois dedos dentro dela até bem fundo fazendo-a abrir a boca seguidos do mesmo movimento do polegar e quando me preparava para parar e esperar por nova banda resolvi não parar e continuar, resolvi masturbá-la ao mesmo tempo que a “su” arrancava bandas e me lançava olhares de tesão ela gemia, gemia de dor e talvez também de prazer, a “su” já não se preocupava em ser tão “suave” com a depilação e percebia que naquele misto de gemidos havia muito prazer à mistura.

algumas dandas depois a depilação da fighetta estava completa, e bem vermelha, mas ela não parecia importar-se, nem sequer lembrar-se disso e empurrava-se contra os meus dedos tirando deles prazer. espera! – gritou a “su”, ainda não está completa, falta uma coisa! – olhei para ela com cara de espanto ao mesmo tempo que ela pegava nela e a fazia colocar-se de quatro, a lorena não ofereceu qualquer resistência nem sequer questionou qualquer procedimento. a “su” prepara mais material e pede-me ajuda – abre-a bem! – diz ela com uma banda na mão. afastei-lhe as nádegas o mais que pude e ela colocou-lhe a banda sobre o ânus fazendo-me sinal para continuar a masturbá-la o que fiz enquanto ela lhe arrancou aquele banda e mais uma outra em seguida. agora sim, serviço terminado! – diz a “su” com ar de glória – quase! - disse a lorena excitadíssima enquanto a puxava para junto dela e lhe punha as mãos sobre as mamas, a “su” foi em busca de um óleo para pôr para acalmar a pele e retirar os pequenos excessos de cera que ficaram enquanto eu continuava a masturbá-la enquanto lhe punha o óleo a “su” acabou por acariciá-la também “aqui” e “ali” e entre dar o trabalho por terminado e meter-lhe um dedo no rabinho mediou um segundo. eu já tinha a essa altura 3 dedos dentro dela e a “su” passou de 1 a 2 em duas pequenas estocadas, ela gemia que nem uma loba e acabou por se vir pouco depois.

ainda não refeita do orgasmo já a “su” perguntava – não queres ver como ficou? – quase que a arrastando até ao quarto mostrando-lhe o resultado final na porta do roupeiro, depois foi à carteira buscar um espelho de maquilhagem para que ela pudesse ver a totalidade da “obra”, a lorena sorriu, agradeceu e juntando as nossas cabeças demos um enorme beijo de língua a 3.

Antes de sair a “su” ainda lhe disse – olha lá, não te esqueças que nos fica a dever uma! – algo a que ela respondeu – eu sei, e tenciono pagar brevemente e com juros altos! ;)

sinto-me: bem
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:17

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quinta-feira, 16 de Abril de 2009

nem só piano se toca a 4 mãos – parte 2

(a continuação)

curiosa como sempre não resisti a espreitar descaradamente enfiando a cabeça entre os bancos para ver o que se passava. a lorena tinha de facto a mão entre as pernas do alberto e acariciava-o por cima dos jeans – uau – pensei – esta mulher é louca mesmo, aqui, agora em frente de todos – mas logo a aparente loucura daquele momento deu lugar à luxúria quando a lorena desapertou todos os botões dos jeans e expôs o pénis semi-rijo do parceiro fazendo os meus olhos quase saltar da cara. vês! – disse ela sorrindo com um olhar lascivo – “masturbazioni”! – enquanto continuava a acariciar o pénis do alberto que, a cada toque, se tornava visivelmente mais rijo e teso.

está muito seco! – disse ela ao mesmo tempo que desapertava o cinto de segurança e alcançava o pénis do alberto com a boca dando-lhe duas valentes chupadelas. ele continuava quase impávido, de olhos fixos na estrada tentando não se desconcentrar da condução.

já mais lubrificado e, principalmente, bem mais teso, a sessão de “mão” continuou com ele a espaços a não conseguir conter um ou outro gemido, eu não queria acreditar no que estava ali a acontecer e uma vez mais com todo o descaramento próprio da curiosidade, enfiei novamente a cabeça por entre os bancos e espreitei-os. a lorena ao ver-me riu-se novamente e disse-me – queres alguma coisa?olha que há que chegue para as duas! – retraí-me e como que me escondi atrás do banco do alberto mas logo senti uma das mãos da lorena à minha procura atrás do banco – anda cá! não te faças de tímida que eu sei que não és! – e dizendo isto puxa-me uma das mãos para a frente e faz-me sentir o membro viril do alberto. confesso que toda aquela envolvência estava apetecivelmente perigosa e aquele gesto foi o culminar de uma tesão latente, a partir desse momento, esqueci tudo, esqueci principalmente o pasquale que permanecia quieto e calado no cantinho do seu lugar como se não estive ali, tentando permanecer incógnito em toda aquela confusão. creio que apesar de o ter “esquecido”, a sua presença ali estava a apimentar ainda mais a coisa, sentia-me observada na minha intimidade e por um estranho, por um ilustre desconhecido, senti-me como se estive num peepshow daquele de amsterdão onde nós pagamos para espreitar pessoas a praticar algo de sexual, só que desta vez eu era uma dessas pessoas que faz o show (e nem sequer tinha cobrado bilhete).

a sessão a duas e quatro mãos durou alguns minutos mais até que o alberto deu sinal que se ia vir e a lorena rapidamente abocanhou o seu membro recebendo todo o seu “néctar” o qual engoliu na totalidade permanecendo por algum tempo mais lambendo-o por inteiro até devorar todos os resquícios.

Fitei o olhar por breves momentos no pasquale. permanecia quieto, imóvel e com os olhos mais esbugalhados que nunca. não disse uma única palavra, não esboçou um único gesto mas uma coisa não conseguiu de forma alguma esconder, o volume entumecido que quase rompia as suas calças.

confesso que tive vontade de o “aproveitar” de o provar, de o devorar também mas, afinal de contas, ele era apenas, e ainda, um ilustre desconhecido.

sinto-me: uau uau
banda sonora: yves larock - by your side
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:43

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Abril de 2009

nem só piano se toca a 4 mãos – parte 1

a páscoa é sempre uma época curiosa, é como que uma espécie de antecipação do verão e das férias e estão sempre todos desejosos de aproveitar esses dias para começar a preparar o verão. há até quem aproveite para estrear os bikinis novos e enfrentar a praia e ganhar um certo “bronze” antes do tempo, mesmo que a meteorologia ainda não seja a ideal para tais andanças.

depois há a “semana santa”, os almoços em família, os folares, as amêndoas e tudo o mais que é próprio da época.

mas, este ano, foi diferente, muito diferente mesmo. começando pela “su” que tirou férias e foi para maiorca curtir o namorado e ainda, o facto mais relevante, o alberto estava de volta e, desta vez, trazia consigo um amigo, o pasquale (ai o pasquale!) se o alberto não era nada de deitar fora, o pasquale era um verdadeiro “pão”, bonito, elegante e com aquele ar de “maldini” (ai o maldini, que tantos jogos de futebol equipa da italia me fez ver!). como diz a “su” é de “molhar a cuequinha” só de olhar!

tocaram-me à campainha estava eu refastelada no sofá quase a dormir – vamos fazer uma “road trip”, queres vir? – diz-me a lorena no intercomunicador – vão o quê? – perguntei eu ainda meia a dormir – fazer uma “road trip”! uma viagem de carro para mostrar aos “homens” o teu país e eu também conhecer um pouco mais, precisamos de uma “guia”, queres vir? – mas eu não tenho nada preparado! – não importa, mete alguma roupa numa mala e vem, estamos à tua espera!

e agora?! pensei por 2 segundos – “que se lixe, vou!” – enfiei à pressa meia-dúzia (talvez mais J) de peças de roupa sortida numa mala pois nem sequer sabia para onde íamos e se estava frio ou calor e desci o mais depressa que pude. ao descer é que pensei - e o carro? ela não tem carro! – mas mal pus um pé fora da porta percebi que essa situação estava resolvida – onde foste tu buscar esse carro? é teu? – perguntei eu – não! o alberto e o pasquale alugaram-no no aeroporto à chegada e por isso temos que o aproveitar! – pus a mala na bagageira e entrei no carro e já sentada perguntei – onde vamos? – ao que a lorena me respondeu – não sei, decides tu!eu?!

não estava nada à espera de ter que decidir num minuto o roteiro da viagem e a negociação demorou algum tempo. ok, não dá para irmos a todo o lado! – disse eu decidida - com os poucos dias que temos ou vamos para norte ou vamos para sul!qual é melhor? – perguntou a lorena – são diferentes, não posso dizer qual é melhor! – decidimos optar por um critério “distância vs locais para visita” e nesse capítulo ganhou o norte porque andando a mesma distância creio que há mais variedade e, acima de tudo, as coisas são mais próximas umas das outras e logo, dá para visitar mais locais.

apontei a direcção a seguir e lá fomos, a caminho da aventura, há muito que não me metia numa destas e aquela sensação de ter outra vez 20 anos estava a dar-me imenso gozo.

a certa altura na viagem e já em plena auto-estrada chamei a atenção do alberto para a velocidade pois achei que ele estava a andar a uma velocidade um pouco acima das nossas velocidades aproximando-se perigosamente daqueles valores que a polícia adora. ele respondeu-me o melhor que pôde que a culpa era da lorena que lhe estava a pôr a mão na virilha e que isso o estava a fazer carregar no acelerador. rimos todos dentro do carro mas pior que isso foi a resposta pronta da lorena que lhe disse que então se lhe fizesse um “pompini” o carro voava. para bom (italianês) entendedor o tal “pompini” era obviamente aquilo que designamos por “broche”. mas talvez nem tenha sido o facto de ela ter dito isso que me chamou mais à atenção, mas sim o facto de ela ter tido o à vontade para fazer tal comentário nem digo na minha presença mas mais na presença do pasquale. fiquei um pouco calada e ela, olhando para mim pelo retrovisor percebeu o que me ia no pensamento e disse – “amica” não te preocupes que o pasquale é da família – percebi que ali havia uma grande intimidade o que, afinal de contas, era bom para quebrar o gelo.

a viagem lá foi continuando e eu, como boa “guia” lá fui indicando o melhor que podia os locais e a sua importância histórica ou cultural. mas a dado momento fui interrompida por um gesto mais brusco do alberto – é ela novamente – disse ele. ai “ragazza, o que estás tu a fazer ao homem? – perguntei eu na brincadeira com ela – ao que ela me respondeu lacónica – “masturbazioni”

(to be continued)

sinto-me: uau
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:09

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quarta-feira, 8 de Abril de 2009

contribuições dos leitores

fiquei uma vez mais surpreendida com o carinho e amizade que alguns dos leitores do diário me transmitem via e-mail ou nos comentários que aqui deixam.

serve esta página para deixar os meus sinceros agradecimentos a todos eles e, muito especialmente, para vos revelar a todos mais uma contribuição via e-mail de uma leitora que se identifica como luana, cabo verdiana de ascendência e moradora algures na margem sul do tejo.

luana, tudo de bom para ti, e continuação desse espírito.

Uma vez mais reafirmo que o diário, na sua categoria - “segredos dos leitores” - está aberto à participação de todos quantos, como a luana e a madura 50 nos queiram dessa forma presentear.

beijinhos e obrigada,

mm

 

sinto-me:
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:36

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 31 de Março de 2009

jogo do pepino

jogadoras: minimo 2 (quantos mais melhor)

 

nível de dificuldade: variável (mas proporcional ao nível de diversão)

 

material necessário:

- pepinos de diferentes tamanhos e/ou diâmetros;

- preservativos em boa quantidade.

 

duração: de 10 minutos a várias horas (o limite somos nós que o definimos)

 

juntem-se umas quantas amigas com o material acima descrito, junte-se uma conversa apimentada e talvez uns quantos copos de uma qualquer bebida espirituosa.

 

após preparação e aquecimento previo, dá-se início ao jogo que consiste em diversas variantes:

 

variante 1 - verificar quem consegue “esconder” a maior quantidade de um mesmo pepino, marcando-se o “record” no próprio pepino;

 

variante 2 - verificar quem consegue introduzir o pepino de maior diâmetro (neste jogo vão-se eliminando jogadoras até que reste apenas uma);

 

outras variantes – todas as possiveis e imaginárias (aceitam-se sugestões) ;)

 

 

nota importante: convém pensar previamente nos prémios para as vencedoras.

 

e mais não digo, ou talvez até diga, mas, seguramente, não será hoje ;)

sinto-me: divertida
banda sonora: banda sonora de um filme de acção
publicado por diariodeumamulhermadura às 13:07

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Março de 2009

sexo, whisky e jogos de cartas

a noite prometia animação, o “trio maravilha” estava novamente junto numa noite chuvosa de sábado, o filme que pensamos ver estava chato e sem graça e todas nós olhavamos fastidiosas umas para as outras mas sem que ninguém dissesse nada, até que, a “su” decididad como sempre, levantou-se e disse – este filme está uma seca! o que é que há que se beba? – rimos todas pusemos o dvd no stop e fomos ao pequeno armário que uso como bar para ver o que por lá encontravamos, enquanto a “su” me revirava o armário fui à cozinha buscar copos e gelo.

 

ah ah! – ouvi ao fundo a voz da “su” – então tu tinhas aqui isto e não dizias nada?mas isto o quê? – perguntei eu sem fazer a menor ideia do que ela teria encontrado que tinha motivado tal reacção. ela levanta-se atrás do armário e mostra-me uma garrafa de rótulo preto que não consegui identificar – o que é isso? – perguntei eu – isto é um jack daniels – diz ela – jack daniels? não me lembrava de ter nada disso aí, como é que isso aí foi parar?isso agora é que eu já não sei, mas está fechadinha.

 

abriu a garrafa do whisky e deitou nos copos com gelo, fizemos um brinde “à nossa” e demos um golo – ...da-se qui’sto é forte!  - diz a “su” – se é!e se misturassemos isto com qualquer coisa? – sim, mas com o quê?com whisky acho que coca-cola, não?sim, mas isso eu não tenho cá em casa! – espera, eu resolvo!

 

saiu porta-fora como o vento ficando eu e a lorena a olhar uma para a outra com os copos na mão, a lorena lá foi dando pequenos golos e dizendo que “não era assim tão mau”. passados alguns bons minutos voltou a “su” com uma garrafa de 1,5l de coca-cola – onde foste tu buscar isso? – perguntei eu - esquece, o que importa é que já temos!.

 

fizemos a mistura e ficou divinal ;) tão divinal que agora escorregava sem parar pelas goelas ;)

 

já com alguns brindes feitos e comprovados ;) surgiu a questão, e agora? o que vamos fazer? o filme não presta, precisamos de arranjar alguma coisa que possamos fazer as 3 – cartas! – gritou a “su”. a lorena encolheu os ombros e eu fui buscar um baralho que anda sempre algures lá por casa. ao que vamos jogar? – perguntei – de cartas só sei “sette e mezzo”– respondeu de pronto a lorena. olhamos uma vez mais umas para as outras e dissemos – certo, pode ser então, esse nós também sabemos.

 

enquanto eu efectuava a tarefa de retirar as cartas que não pertencem ao jogo do “sete e meio” a “su” lembrou-se de uma ideia brilhante das dela, a ideia consistia em cada rodada do jogo, quem perdesse tinha um “castigo” que seria beber uma certa dose do jack (copo de shot) e nesse não havia direito a misturas com outras bebidas, tinha mesmo que ser puro. aceitamos as regras e o jogo começou logo comigo e a lorena a bebermos 3 vezes consecutivas o “malfadado” castigo, fiquei logo com as orelhas a arder. o jogo continuou e a distribuição dos copos de bebida foi sendo mais equilibrada por todas as 3, no entanto, a “su” continuava a mais “sortuda” da mesa até que, à lorena couberam beber 5 ou 6 vezes seguidas e na última ela recusou-se a fazê-lo dizendo não conseguir beber tanto de seguida. ah, então, se não bebes, temos que arranjar outro “pagamento” – disse logo a “su” – e num ápice fez-se luz na minha cabecinha e disse de pronto – despe! – o quê? - disse ela?despe! quem não quiser beber tem que tirar uma peça de roupanem mais – disse logo a “su” naquele seu ar de quando uma diz “mata” a outra diz “esfola”. ela sorriu a aceitou a “punição” dizendo inclusivamente que estava até com imenso calor e tirou a camisola. o jogo continuou e a partir desse episódio, à medida que ia avançando mais foram as vezes em que alguém se recusou a beber e a preferir despir e não demorou muito até que estivessemos as 3 semi-núas sentadas no chão da sala.

 

o whisky começava já a fazer também bastante efeito e a animação era mais que muita, a cada nova rodada do jogo havia uma emoção latente para se saber se havia alguém que bebia ou alguém que despia mais qualquer coisa do pouco que restava ;). a garrafa também já ia bem avançada e já não faltava muito para que se acabasse a bebida, a lorena chamou a atenção para o facto enquanto enchia mais um copo para beber de um só golo seguido do desapertar do soutien e atirá-lo pelo ar para o outro lado da sala. ficámos apenas a olhar para a reacção dela que não tardou a explicar-se dizendo – assim pago já a próxima! – rimos todas. a esta altura o jogo já era mais uma desculpa para beber e despir do que propriamente o interesse principal e já ninguém se importava muito com as cartas que lhe cabiam em sorte até que a lorena voltou a perguntar – o que acontece quando acabar a garrafa?ok, vamos definir isso – disse a “su” parando de baralhar as cartas – quando acabar a garrafa, quem perder... é engarrafada! – quê? – dissemos as duas quase em coro – quem perder tem que foder a garrafa – disse ela alto e bom som acompanhando a explicação com os gestos próprio da actividade.

 

gerou-se uma certa apreensão na sala, ninguém disse nada por alguns momentos até que a lorena batendo com a mão na mesa disse – estou dentro! – que é como quem diz, “aceito”. e se elas já estavam no jogo eu não iria por certo ficar também de fora – mas esperem lá, só ganha uma, certo?então se só ganha uma quem das que perde é que fica com a garrafa?tens razão, não tinha pensado nisso, então, fazemos o contrário, quem ganhar a ultima rodada depois da garrafa vazia é quem fica com a garrafa. mas enquanto discutiamos o assunto, deu-se o mais do que inesperado, a lorena pegou na garrafa, deu os 2 ou 3 golos que faltavam para a acabar e, sentada no chão, abriu as pernas, afastou as cuequinhas e começou a apontar o gargalo à ratinha dela.

 

ficámos as duas sem palavras, parvas, olhando uma para a outra e ao mesmo tempo para ela que nos tinha “comido” às duas no jogo e já se preparava para reclamar, e de que maneira, o prémio final. corremos as duas para junto dela e resolvemos esquecer o assunto e ajudá-la a reclamar o prémio.

 

e que noite que foi essa, acabamos todas por ficar com parte do prémio, ou, pelo menos experimentar a coisa e, sabem que mais, até houve direito a registo fotográfico dessa noite, a ver vamos se ou para quando a revelação de mais esse “segredo do diário”.

sinto-me: alcoolicamente alegre
banda sonora: pink - sober
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:45

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2009

um 2009 em grande

2009 era ainda “uma criança” com apenas 2 dias, desde o reveillon que nada sabia da lorena e do alberto que aproveitavam, sabe-se lá como, os últimos momentos antes da nova despedida.

 

também eu a aproveitar os meus últimos dias de férias (e que boas que foram) passeava relaxadamente de carro na marginal junto ao mar, estava um dia frio, ventoso e com cara de chuva a qualquer minuto. quanto ao vento, este já não era uma grande novidade, quando vou passear para esses lados ele está sempre ou quase sempre presente. senti o meu telefone vibrar em cima do banco do pendura, procurei um local para encostar o carro, afinal era apenas uma sms, do outro lado a lorena perguntava – o que fazes? – respondi de pronto – passeio de carro e vocês, estão bem? a resposta demorou a chegar e decidi voltar à estrada, continuei sempre pela marginal o mais possivel, por estranho que possa parecer adoro o mar em dias cinzentos, fica ainda mais misterioso e com um aspecto ainda mais poderoso que nos outros dias.

 

estava com fome, decidi parar e ir a um café comprar algo para comer, trouxe tudo comigo, não estava com paciência para me sentar em cafés sozinha além de que tinha deixado o carro apenas parado e não estacionado ali em frente.

 

ao chegar reparei numa nova sms no meu telefone (sim, tenho por mau hábito esquecer-me do telefone em cima do banco do carro, é até um dia...). era novamente a lorena que me respondia – nada, estamos aqui em casa, está frio para sair e além do mais estou “malessere”! – acabei por lhe ligar a perguntar que raio significa malessere”. após 2 minutos de conversa percebi que traduzindo “à letra” significa basicamente “estar mal” mas que o verdadeiro sentido em que é frequentemente usada essa expressão significa apenas – estar com o período! ;) (estamos sempre a aprender) ri e apenas disse em jeito de brincadeira que tinha sempre mais 2 buracos disponiveis ;)

 

continuei o meu passeio mas já em jeito de retorno a casa, o sol, que pouco apareceu durante todo o dia, já estava a dar mostras de se querer ir embora de vez, parei um pouco junto a uma falésia e saí do carro para ver o pôr-do-sol, é um momento que adoro mas que raramente tenho oportunidade de assistir assim, de frente para o mar vendo o sol esconder-se no horizonte. quando voltei ao carro tinha nova sms, ou melhor, uma mms, uma mensagem escrita acompanhada por uma imagem de anexo, a mensagem dizia apenas – queres? e qual não foi o meu espanto que ao abrir o ficheiro de imagem dou de caras com um pénis firme e hirto, como já dizia o outro. fiquei boquiaberta, não estava mesmo nada à espera daquilo, imagina que me tivesse a mostrar algo que estava a comer ou algo assim como é hábito, agora, aquilo foi, posso confessar, deveras surpreendente. fiquei até sem resposta, imagine-se, eu, sem resposta ;) fiquei alguns segundos a olhar para o telefone até que se fez luz na minha cabecinha e pensei – ah é isso! queres festa? então vais ter festa! e antes que pudesse pensar sequer duas vezes peguei no telefone coloquei-o à minha frente e abri a boca e estendi um pouco a língua como se estivesse digamos que a fazer algo, ouvi o clack eletrónico do telefone, virei-o e, perfeito, era mesmo aquilo, adicionar mensagem – aqui? enviar para – lorena – e lá foi ela, a mms ;)

 

nem precisei esperar muito tempo, alguns segundos depois tenho uma sms de volta dizendo – não tens mais nenhum lugar onde o queiras? esta italianinha estava mesmo a pedi-las e eu, como sempre, estava disponivel para lhe dar o “troco” que ela estava a pedir, e, mais uma vez, sem pensar duas vezes puxei as calças para baixo até aos joelhos, as cuequinhas fizeram-lhe companhia em seguida e com o telefone entre os joelhos abri-me o que pude expondo a entrada da minha ratinha e, clack outra vez. não ficou bem, muito tremida e escura, liguei o flash, e fiz mais uma foto, agora sim estava bem apesar de um pouco pálida ;) enviei de novo com a mensagem – aqui estaria mais quente e confortável e uma vez mais esperei pela resposta.

 

entretanto e como ela demorava, fui andando, com esta brincadeira já estava a ficar tarde e escuro e não sou grande fã de viagens longas à noite e sozinha. alguns minutos após ter iniciado a viagem recebi nova sms de resposta – sim, aí tudo fica melhor, até a minha língua! como estava a conduzir nem respondi, precisava de parar dali a pouco para meter combustível e teria então tempo para uma resposta como deve ser. mas ela não deixou, não demorou 2 minutos para que recebesse nova sms com o texto – então ficaste timida com a minha língua? não gostaste da minha oferta? acelerei um pouco mais para chegar à área de serviço e poder responder, antes mesmo de meter combustível encostei, agarrei no telefone e escrevi – timida, eu? por mim só se for a tua língua para começar e resto para acabar! ;)

 

ainda a bomba marcava pouco mais de € 5,00 já sentia o telefone lá dentro a vibrar, acabei de encher o depósito e fui pagar, com a excitação que aquela brincadeira me estava a dar tive receio de ler mais uma sms ou ver mais uma mms e atirar-me ao empregado quando fosse pagar ;)

 

de volta ao carro, li a sms dela que dizia apenas – onde estás? demoras? respondi – a caminho de casa, mais uns 15 a 20 minutos e já lá estou. do outro lado recebi apenas, então apressa-te que já estamos no café “da squinas” (era “café da esquina”).

 

viram-me chegar de carro e enquanto entrava para o parque aproveitaram e entraram comigo, mal olhei para eles não consegui deixar de esboçar um sorriso, reparei que estavam ambos bem agasalhados, perguntei se em italia não fazia frio ;) ao chegar em casa percebi os agasalhos, por debaixo da gabardina preta a lorena trazia apenas a lingerie, linda por sinal, e umas meias presas por um cinto de ligas :o o alberto debaixo do casaco desportivo comprido também só umas calças estilo fato de esqui e nada mais por baixo.

 

pedi-lhes 1 minuto para me lavar pois aquele passeio atribulado tinha-me deixado toda “melosa”, quando voltei à sala, já bem mais fresca e menos vestida reparei de pronto que os italianitos já se tinham adiantado e a lorena já tratava “de boca” o alberto. fiquei a observa-los por uns segundos até que a lorena me viu e me disse – vens ou só olhas? aproximei-me e sentei-me no sofá ao lado deles, a lorena mudou rapidamente de lado, sem me perguntar nada tirou-me as cuequinhas e começou a lamber-me toda de ponta a ponta enquanto masturbava o alberto que olhava deliciado para nós duas, depois passou a alternar entre chupadelas no alberto e lambidelas em mim numa espécie de teaser a nós 2.

 

anda, disse-me colocando-me de joelhos no sofá apoiada sobre o encosto, o alberto levantou-se também a pedido dela e perdi-o de vista, sentia apenas a mão dela que por baixo entre as minhas coxas continuava a massajar-me a ratinha e conseguia ouvir o barulho das chupadelas que estava a dar ao alberto nas minhas costas. senti-a afastar-me as nádegas e voltar a lamber-me mesmo na entradinha da ratinha, um compasso de espera e senti algo que percebi segundos mais tarde que era o pénis do alberto encostado em mim, senti a cabecinha a começar a entrar vagarosa e suavemente até estar toda dentro de mim, soltei um gemido profundo, sentia que a lorena estava a controlar a penetração dele, sentia a mão dela entre mim e ele era ela que estava a segurar no pénis dele e a controlar tudo.

 

ouvi um estridente clap de uma palmada forte mas não senti nada, apenas um estermecer, a lorena acabara de dar uma enorme palmada no rabo do alberto, era como que o sinal de partida, o soltar final das rédeas para ele poder “correr prado fora” e foi o que ele fez, começando a cavalgar por mim dentro com algum vigor e profundidade. mais uma palmada e mais ritmo, as palmadas sucediam-se e o ritmo aumentava a cada uma delas, a cavalgada estava a ficar intensa e apesar de estar confortável e a ter imenso prazer por momentos tive receio do que me pudesse acontecer, à mente vieram-me imagens muito recentes de um alberto algo “animalesco” mas, estava tão bom e eu prestes a vir-me que esqueci tudo, confesso até que me esqueci de quem estava por trás de mim, que esqueci a presença da lorena e a relação que existe entre eles e apenas disfrutei do “prazer carnal” que estava a ter. tive 2 orgasmos quase seguidos sem descanso pois nem o alberto e muito menos a lorena me deixaram descansar a cada palmada que ele levava sentia-o  penetrar-me até aos limites e tocar-me bem lá no fundo. após o segundo orgasmo decidi fazer algo que não fazia há muito, uma técnica há muito desenvolvida e aperfeiçoada, concentrei-me e contraí o mais que pude as paredes da minha vagina e assim me mative por alguns segundos, contraíndo e contraíndo, quase sem respirar, o resultado, o de sempre, fi-lo vir-se quase de imediato, a lorena, ao perceber o momento, puxou-lhe o pénis para fora e encostando-o à entrada da minha ratinha fê-lo inundar-me em jactos consecutivos, aliás, parecia que não ia parar mais. senti também nessa altura a língua dela por ali, tocando-me, quando me virei estava um verdadeiro “lago” atrás de mim e tinha as costas cheias do néctar do alberto até ao cabelo, a lorena estava também ela cheia do mesmo, no cabelo, na cara, na boca, por todo o lado, estavamos todas lambuzadas e a precisar de um banho mas felizes, acima de tudo, felizes.

sinto-me: no céu e no inferno
banda sonora: jack johnson & friends - upside down
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:59

link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009

novidades no diário

olá a todos,

 

bem sabem que costumo pouco dirigir-me a vós, leitores, directamente, até porque um diário é isso mesmo, algo que escrevemos para "ninguém" ler.

 

hoje venho aqui apenas para vos dizer que, finalmente, consegui trazer algumas novidades para o diário e como o natal há muito que passou, aqui fica essa espécie de prenda para todos quantos leitores(as) do diário se interessarem.

 

obrigada, beijinhos e voltem sempre que desejarem,

 

mm

sinto-me:
banda sonora: queen - we are the champions
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:33

link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

o uso dos dildos - resultados finais

olá a todos, bem sei que o meu diário anda um bocadinho "parado" como alguns de vós afirmam e me fazem chegar essa "reclamação", mas acreditem que é bom sinal, é sinal que estou a preparar algo diferente e, espero, melhor.

 

hoje venho dar-vos conta dos resultados de mais uma dúvida existêncial, perguntava aos leitores deste diário se já usaram vibradores ou dildos e como, ou, se nunca o fizeram, se pensam vir a fazê-lo.

 

Estes foram os resultados das vossas respostas:

 

 - com 36%, saindo vencedor, ficou o "não, mas penso vir a fazê-lo";

 

 - logo seguido do "sim, em ambas as situações" com 21%, ou seja, já usaram e esse uso foi tanto a "solo" como com companhia;

 

 - no terceiro lugar com 19%, ficou o "sim, mas exclusivamente com o parceiro(a)";

 

 - e, por fim, ficaram empatados no último lugar com 12% as respostas "não, nem penso vir a usar" e o "sim, sozinho(a)", ou seja, são tantos aqueles que nunca usaram esse tipo de objecto como os que o usam exclusivamente para o prazer a "solo".

 

deixadas as conclusões fica o meu obrigada a todos que participaram e participam nas minhas "dúvidas", até breve.

 

sinto-me: ansiosa
banda sonora: within temptation - memories
publicado por diariodeumamulhermadura às 02:14

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Novembro de 2008

a luxuriosa lembrança da “su”

a noite estava terminada e bem terminada, pensavamos nós, e os brinquedos já bem limpos e desinfectados, preparavam-se para ser guardados até próxima oportunidade, mas eis que a “su” num dos seus habituais rasgos de criatividade resolve pegar no “brinquedo novo” e diz ela – esperem aí! ainda falta testar uma coisa! – ficamos ambas a olhar para ela como que a pensar do que é que ela se havia lembrado agora.

 

sentada no sofá e já com o “dito” numa mão e o frasco do lubrificante na outra via os olhos dela brilharem de emoção, algo em grande ela estava a preparar, mas o que seria?

 

untou o dildo com lubrificante e depois olhou-o bem de frente como que dizendo – és meu! em seguida retirou as cuequinhas e atirou-as na minha direcção, pegou nele e começou a introduzi-lo na ratinha, eu e a lorena permaneciamos de pé, estupefactas e surpreendidas, o que seria que ela ia fazer que ainda não tivesse sido feito?

 

à medida que ela ia introduzindo o dildo, masturbando-se e vibrando com ele fomo-nos aproximando dela como que atraídas pelo suspense do que se iria passar, sentamo-nos bem junto a ela, no chão e ficamos a observar a cena como se de um filme se tratasse.

 

até ali nada de muito novo ou especial se tinha passado, mas o melhor ainda estava para vir, com o dildo bem enfiado dentro dela sentia à procura da outra ponta e era isso mesmo que ela queira, alcançou-a e pensei para comigo mesmo - olha, afinal ela quer testar também a “dupla penetração”, mas percebi rapidamente que me tinha enganado, ao contrário do que tinha pensado, ela não estava a tentar testar a dupla penetração, ou melhor, estar até estava, mas de uma outra forma, ela estava a tentar penetrar-se com ambas as pontas na ratinha, uma dupla penetração vaginal J

 

não estava a ser fácil e olhei para a lorena como quem diz – vamos ajuda-la? – ela percebeu o meu olhar e passou logo à acção, apesar de ela já estar bem dilatada e lubrificada o dildo era grande, ou melhor, ficava larguissimo com os dois pénis lado-a-lado mas nada que uns empurrõezitos mais fortes à mistura com a lingua da lorena no clitoris dela a estimular e excitar mais a coisa não resolvessem e finalmente entrou, entrou todo, ficou com amabas as pontas enfiadas na ratinha a forçarem a entrada, nessa altura ela gemia a bom gemer e pouco mais podiamos fazer do que mexer levemente no dildo agora quase dobrado ao meio. a cada toque ela gemia e agarrava-se com toda a força no sofá, ela estava realmente muito dilatada e o dildo naquele posição estava constantemente a força-la nesse sentido.

 

acabou por atingir o orgasmo alguns segundos depois e com as enormes contracções do mesmo expulsar o dildo do seu interior, estava com um buracão enorme na ratinha, nem a quando daquela brincadeira com a mão a tinha visto tão dilatada e, ao mesmo tempo, tão satisfeita ;)

sinto-me: especial
banda sonora: 3 doors down - away from the sun
publicado por diariodeumamulhermadura às 08:31

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

dúvidas existenciais

fantasias sexuais ja realizadas
sexo anal
sexo bi-sexual
sexo com 2 mulheres ou 2 homens
sexo com 1 casal
masturbacao em grupo (homens)
masturbacao em grupo (mulheres)
sexo em grupo
swing (troca de parceiros)
sexo em locais publicos
sexo na internet (webcam)
sexo com assistencia
gravar sexo em video
fotografar durante sexo
dupla penetracao
mulher com mais de 2 homens
homem com mais de 2 mulheres
sexo com desconhecido(a)
sexo com prestador de servicos (carteiro, canalizador, pizzaboy, etc)
sexo com animais
sexo com objectos bizarros
sexo com objectos sexuais volumosos
  
pollcode.com free polls
vestida para seduzir
calca e blusa bem justinha
calcao e top com muita lycra
mini-saia
decote generoso
lingerie e saltos altos
com a roupa que viemos ao mundo
a roupa nao importa, o olhar e fatal
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 1
homem
mulher
casal
grupo de amigos
grupo de amigas
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 2
menor de 18 anos
de 18 a 25 anos
de 26 a 35 anos
de 36 a 45 anos
de 46 a 55 anos
mais de 55 anos
  
pollcode.com free polls

posts recentes

a volta de férias da lore...

nem só piano se toca a 4 ...

nem só piano se toca a 4 ...

contribuições dos leitore...

jogo do pepino

sexo, whisky e jogos de c...

um 2009 em grande

novidades no diário

o uso dos dildos - result...

a luxuriosa lembrança da ...

leitores do diário

Offshore Jones Act
Offshore Jones Act Counter

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

leitores online

Users Online

segredos do diário

prémios do diário

Photobucket
blogs SAPO

subscrever feeds