Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009

cartas dos leitores - barmaid para todo o serviço

Olá olá olá cara amiga, na sequência de algumas histórias de leitores que tenho lido por aqui resolvi contar-te uma que me aconteceu há uns bons anos, talvez uns dez anos mais ou menos. Nessa altura eu e um amigo e colega de trabalho trabalhávamos para uma empresa farmacêutica a fazer aquilo que vulgarmente se chama de propaganda médica.

Numa das nossas viagens diárias parámos já tarde num hotel da Ibis para dormir, deviam ser umas 11 horas ou mais da noite. O hotel parecia um deserto quando entrámos nem tinha ninguém no balcão e tivemos que esperar um pouco até que nos apareceu uma menina vestida de barmaid que falando com um sotaque claramente brasileiro nos pediu um minuto que a colega da recepção estava a tratar de algo importante mas que já nos viria atender. Entretanto ofereceu-nos o serviço de bar enquanto esperávamos. O meu amigo resolveu meter-se com ela mandando uns piropos suaves enquanto aguardávamos no bar pela recepcionista que entretanto chegou. Tratamos de tudo e subimos ao quarto e após a conversa habitual acerca do dia e o desenho da estratégia a seguir para o dia seguinte estávamos já deitados quando tocou o telefone do quarto.

Fui eu que atendi e percebi logo que era a menina do bar informando-nos que o bar iria fechar em dez minutos e que se quiséssemos algo seria a hora do ultimo pedido. Estranhei o telefonema e comentei-o com o meu amigo e ele, com a cara-de-pau de sempre pegou no telefone e ligou para o bar dizendo que queríamos umas bebidas mas que já estávamos prontos a dormir e se poderia levar ao quarto. Ela disse logo que sim e ele pediu três martinis seco. Três martinis seco perguntou-lhe a menina do outro lado, sim sim, isso mesmo, disse ele desligando.

Perguntei-lhe que raio de conversa era aquela dos martinis secos e ainda por cima três e ele disse-me nestas mesmas palavras que não irei mais esquecer então é lógico, três porque é um para mim, um para ti e outro para lhe oferecer a ela e martinis secos porque é o melhor aperitivo antes de uma cona molhada.

Quando ela subiu ao quarto ele abriu-lhe a porta só em boxers e disse-lhe que podia entrar, depois fez o jogo dele oferecendo-lhe o terceiro martini e dizendo-lhe que gostávamos que nos acompanhasse a bebê-lo, ela fez aquele jogo de que não podia beber em serviço e mais não sei o quê mas passados dois dedos de conversa percebia-se que estava interessada. Não era uma top model mas era uma miúda engraçada com umas bonitas pernas favorecidas pela saia curta e martinis bebidos o meu amigo resolveu ver o que estava no mini-bar dizendo que ainda estava com sede. Ela dizia que tinha que ir que precisava de fechar o caixa do bar e ele perguntou-lhe se tinha algum compromisso depois. Ela disse que ia para casa descansar e ele com a sua lábia do costume convenceu-a uma vez que tinha que ir fechar o bar a trazer uma garrafa de algo à escolha dela e a fazer-nos um pouco mais de companhia dizendo-lhe enquanto ela saía para não nos deixar muito tempo à espera.

Enquanto ela foi tratar do bar ficamos na conversa os dois e ele perguntava-me se já tinha comido alguém a dois. Disse que não e ele avisou-me logo, então tens duas hipóteses, ou alinhas ou vais dar uma volta que esta não me escapa. Mas eu não ia perder aquilo por nada, aliás, apesar da moleza que ela tinha dado antes eu estava convicto de que ela não iria subir mais e que iríamos os dois a ficar a ver navios. Mas fui eu que perdi essa aposta o que me valeria na altura ter que pagar a garrafa que ela trouxe passados nem quinze minutos. Uma garrafa de vodka e três copos foi o que trouxe e além do mais vinha perfumada de fresco, percebi logo que a aposta fora perdida mas que a noite iria ser ganha.

Brinde atrás de brinde e ela já dançava no meio do quarto iniciando uma espécie de striptease que se foi tornando mais quente à medida que a quantidade de álcool aumentava até que o meu amigo pegando na garrafa com ela já de joelhos no chão e a camisa aberta até meio e lhe deu um golo deitando directamente da garrafa que tinha um daqueles doseadores do bar directamente para a boca dela aberta aproveitando a posição acabamos por cercá-la um de cada lado e ela engolindo o golo a custo olhou em volta e viu-nos aos dois ali de pé e agarrou-nos logo o bicho com cada uma das mãos depois tirou-os para fora e começou a masturbar-nos aos dois ao mesmo tempo rindo quase loucamente e dizendo garota de sorte, tudo isto só para mim. depois foi-nos juntando e os dois em frente dela chupou-nos à vez ou ao mesmo tempo enfiando os dois caralhos na boca e depois dizendo vem me comer vem.

Tirou a roupa à pressa e subiu para a cama ficando de rabo voltado para nós e continuando a dizer vem meninos vem me comer a xaninha ao mesmo tempo que abria a cona com os dedos o meu amigo colocou uma camisinha e aproveitou logo a deixa para a começar a foder ao mesmo tempo que ela dizia isso menino fode gostoso fode. Depois olhou para mim e disse-me vem menino sobe aqui para chupar teu pau vem. Claro que fui e ele chupou-me e como me chupou balançada pelos empurrões que levava por trás até que se veio uma ou duas vezes e o meu amigo também. Enquanto ele tirava o preservativo ela dizia vamos trocar agora quero você moreninho na minha xaninha, o moreninho era eu, e eu tive que lhe fazer a vontade enquanto que o meu amigo se lavava e se preparava para mais. Ele sugeriu que a comêssemos os dois um em cada buraco mas ela recusou e disse espera um pouco que eu te dou uma outra coisa. E que coisa que foi, ele pediu-nos aos dois que a comêssemos juntos mas na cona dela, e com alguma ginástica foi isso que fizemos espetando os dois caralhos juntos na cona dela, ela gritava e dizia vai menino me arrebenta toda vai é isso que você quer não é o que ainda dava mais tesão à coisa. Mas juntos dentro dela quase não nos conseguíamos mexer e pouco depois acabamos por tirar fora e enquanto ela me chupava e me fazia vir para as mamas delas masturbava o meu amigo que se veio pouco depois sem avisar directamente para a cara dela.

Depois de se lavar, vestiu-se e saiu, no dia seguinte ao fazermos o check-out pensávamos ter algures uma garrafa para pagar e eu à espera para ver quanto é que isso me iria custar mas, afinal, nem sinais da garrafa nem sequer dos martinis. Nunca mais tive uma noite como essa mas também coisas dessas devem acontecer mesmo uma vez na vida e, como tu dizes, quando acontecem há que aproveitar.

Beijios

Pedro

 

amigo pedro, nem sei o que diga da sua história mas para começar acho que me tem que enviar por e-mail o endereço desse ibis que eu quero passar por lá a saber se a tal empregada ainda lá trabalha ;) em segundo lugar já o disse e reafirmo, é isso mesmo, as oportunidades aparecem e acontecem a quem se propõe a elas.

beijinhos e obrigada por mais esta partilha

mm

sinto-me:
banda sonora: moony - i don't know why
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:24

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009

triângulo inesperado

fui buscar a “su” ao emprego, tínhamos combinado ir jantar a casa dela, o namorado estava for a em trabalho há algum tempo e quando assim acontece recebo sempre um pouco mais de atenção (não é amiga?) ;). mal entramos em casa dela ela atirou com as coisas que trazia na mão para um cadeira e sentou-se pesadamente no sofá. estou que nem posso – disse ela – cansada? – perguntei-lhe – e não só – respondeu – curiosa como sempre perguntei – mas porquê, passa-se alguma coisa?passa, passa-se que não tenho “pau” há mais de uma semana e isto quando a gente se habitua a tê-lo quase todos os dias, vou-te contar, é pior que a droga – ri-me e perguntei – mas isso está assim tão mau mesmo?se está amiga, ando com uma tusa que até tenho a cona inchada de falta dele -  uma resposta mesmo à “su”. bem, que exagero! – disse eu – ah é, não acreditas, então olha! – disse ela tirando a saia e afastando as cuequinhas. olhei e realmente o clítoris dela parecia sair mais do que nunca de entre os lábios – não estarás com alguma infecção?qual infecção, qual quê? o medicamento que eu preciso sei eu bem qual é! – disse ela rindo às gargalhadas. ajoelhando-me um pouco junto dela não pude evitar a enfiar a minha cabeça entre as pernas dela e a dar-lhe um toque de língua, estava quente, muito quente. e a forma como ela trouxe a assunto a conversa percebia-se facilmente que estava “necessitada” de uma ajudinha.

entre esse toque de língua e começarmos a amassarmo-nos no sofá foi uma questão de segundos e nenhuma pareceu importar-se com o “cheiro a cueca” que emanava de ambas, também estava com vontade “dela”, assim, despreocupadamente, as duas, como antes.

na verdade a surpresa que nos estava reservada era muitíssimo maior do que estaríamos à espera e no “bem-bom” do momento nem nos apercebemos logo que, afinal, e ao contrário do que estávamos à espera, não estávamos totalmente sozinhas. ao fundo, atrás da porta do quarto, o namorado da “su” que tinha chegado de viagem 2 dias mais cedo que o previsto e tinha resolvido fazer-lhe a surpresa de não a avisar estava também ele a ter uma surpresa tão grande quanto a nossa e, escondido, observava-nos à distância sem fazer o mínimo ruído. até que ele com a coisa já “bem quente” resolveu sair detrás da porta e aparecer junto de nós e já de mastro de fora e bem erguido. apanhámos o susto das nossas vidas, saltamos como duas molas uma para cada ponta do sofá como que querendo esconder o impossível, a “su” ainda tentou dizer qualquer coisa como que querendo justificar o injustificável mas ele, sem dizer uma só palavras, colocou-lhe a mão em frente da boca mandando-a calar e em seguida enfiando em vez dele o mastro dele até ao fundo da garganta dela. imóvel fiquei no canto para onde saltei com as mãos tentando cobrir a ratinha descoberta e com os mamilos a saltarem por cima do soutien ainda por tirar. ela chupou-o, mas não como já vira em outras ocasiões, desta vez ele mandava, ele era o “todo-poderoso” e ela apenas uma mera serva e ele enfiava e enfiava-lhe o mastro até ao fundo fazendo-a quase sufocar até que parou e sempre sem dizer uma palavra a virou de quatro para ele e lhe enfiou de uma só vez o mastro na ratinha fazendo-a gemer “alto e bom som”, tremi e mexi no meu canto com aquela penetração e ele olhou pela primeira vez para mim retirando os olhos em seguida e olhando novamente 2 ou 3 segundos depois. fixou-me, tremi, o que iria ele fazer – pensava. fez-me sinal, fingi não perceber e ele fez novamente, sinal para me aproximar e sempre sem abrir a boca e a mesmo tempo que penetrava demorada e profundamente a “su” fez-me colocar de quatro também ao lado dela. a “su” nem me olhava, tinha o olhar fixo no assento do sofá como se estivesse em estado de hipnose, mal me coloquei como me indicou e guiou senti os dedos dele a invadirem-me a ratinha, não sei quantos, mas mais do que um com toda a certeza, enfiou-mos com fez com ela, com força e de uma só vez e pegando nos cabelos da “su” começou a aumentar a cadencia das penetrações repetindo o mesmo em mim com os dedos. senti a “su” a vir-se, a vir-se prolongadamente à medida que ela a cavalgava e lhe puxava pelos cabelos. parou, de repente, tão de repente como havia começado e olhei por cima do ombro esperando vê-lo a vir-se mas não foi isso que aconteceu, pelo contrário, empurrou a “su” para o sofá fazendo-a deitar de lado e quase de frente para mim, senti os dedos dele a saírem também de dentro de mim e sem tempo para me virar para ver o que se passava senti algo quente e molhada que me tocava, senti-o penetrar-me e tentei “fugir” mas ele agarrou-me com força e meteu-o até ao fundo, senti-me a dilatar toda por dentro e quase me vim com aquela estocada que me tocou até ao fundo, depois foram mais umas quantas penetrações longas e senti as mãos firmes a segurarem-me nas ancas com força e pensei – vai-me rebentar toda. cavalgou-me com força por uns meros segundos, o tempo suficiente para me vir e, como havia feito antes, saiu abruptamente de dentro de mim quase me fazendo vir de novo naquele “saltar de rolha” e sentando-me no meio das duas agarrou-nos nas cabeças e aproximou-as ao mastro dele.

quase sem sabermos nem como nem porquê começamos a lambe-lo e a chupá-lo as duas e segundos depois forço-nos novamente ao mesmo tempo e com os narizes colados uma na outra e com o mastro a separar-nos as bocas veio-se brutalmente soltando um jacto enorme nas nossas caras, bocas, testas, cabelo e tudo o mais que por ali havia, nesse momento fechei os olhos e quando os voltei a abrir após sentir o parar dos jactos a “su” olhava-me fixamente e sorriu com a cara cheia de esperma e com a língua tocando na minha e no mastro dele que agora começava a murchar, trocámos nessa altura um longa beijo de língua, melado e com sabor ao néctar dele que, inesperadamente, era agora também meu.

 

consideração final: empresas de maquilhagem que me escutam, por favor, com uma certa urgência, um desmaquilhante capaz de retirar sem esforço esperma das pestanas no mercado, pode ser?

sinto-me: palavras para quê
banda sonora: the fray - you found me
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:07

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Terça-feira, 12 de Maio de 2009

os ares do campo

(a continuação)

foi uma cena impressionante, o alberto ria agora e soltava um audível - uuuuuuh! – como quem diz que foi algo alucinante até para ele, o pasquale estava visivelmente excitado e eu, bem, eu tinha os mamilos quase a romper-me o soutien de tão duros e as cuequinhas se não ensopadas pelo menos bem molhadinhas mas, na verdade, não sabia sequer o que fazer ou como agir perante tudo aquilo.

o alberto pegou entretanto na camera fotográfica para visualiazar as suas “obras de arte” e não resisti a espreitar também – uau!que maravilha de visões! – estavam um pouco claras demais mas davam perfeitamente para perceber todo aquele momento de grande sexualidade. enquanto passava as fotos uma a uma para as ver a todas senti uma mão tocando-me por baixo, virei-me rápida e abruptamente, era o alberto que me tinha tocado por baixo e se ria com o pasquale dizendo para mim em tom de riso – estás bem molhada!

não iria aceitar aquela provocação, como nunca aceito, pelo menos sem ripostar e sem demorar mais que uns 2 ou 3 segundos respondi de pronto – sim, estou e agora? qual de vocês é homem o suficiente para me tirar esta “fome”?  a principio ficaram algo embasbacados com tamanha resposta mas logo se acercaram de mim e olhando um para o outro disseram – somos os 2, tens coragem?

sem sequer pensar 2 vezes peguei no membro ainda semi-rijo do alberto e baixando-me abocanhei-o de uma vez só, sabia a sexo, sabia à ratinha da lorena e tudo isso me deixava ainda com mais tesão, chupei-o sem pedir permissão e enquanto isso o pasquale tirava a saia pelos pés, baixava-me as cuequinhas  e enfiava-me a língua entre os lábios da minha ratinha, lambeu-me toda por baixo incluindo o rabinho e começou-me a enfiar dedos dentro como se não fosse nada com ele, 1, 2 até 3. não aguentei um gemido profundo, parou um pouco e precebi que estava a colocar um preservativo, deitou-se de costas no tapete verde de erva e puxou-me para que me sentasse nele, assim fiz, montando aquele mastro duro e cavalgando-o enquanto continuava a chupar o alberto de pé ligeiramente encostado ao carro. carro onde permanecia a lorena, olhei para ela pelo canto do olho e estava sentada, mais acima e de novo de pernas abertas tocando-se à medida que nos olhava, desapareceu por uns segundos, percebi que fora à mala do carro buscar qualquer coisa - uma escova do cabelo?! para quê? – pensei eu enquanto continuava a minha cavalgada no pasquale e o sentia cada vez mais duro dentro de mim.

a escova, não era para pentear nada, até porque nada havia a pentear por ali mesmo ;) mas a lorena passou a usar o seu cabo redondo como masturbador, enfiando-a na ratinha até onde podia. senti que o alberto ia vir-se tirei a língua para fora e toquei-lhe levemente e apenas com a ponta por baixo do pénis dele até sentir um jacto de néctar quente sobre a minha boca, cara e queixo. não parei de cavalgar o pasquale, pelo contrário, agarrei-me às pernas dele e inclinando-me um pouco para a frente comecei a cavalgá-lo ainda com mais força e velocidade, senti-o gemer, senti que estava quase na hora, saltei de cima dele, arranquei-lhe o preservativo e masturbei-o, masturbei-o com força até ver um enorme jacto jorrar do membro dele e cair-me por cima das mãos escorrendo para a barriga dele.

estávamos todos satisfeitos, pelo menos assim me deu a entender, e sujos, limpamo-nos o melhor que pudemos com toalhetes húmidos, ajeitámo-nos e seguimos viagem, queríamos arranjar rapidamente um local onde ficar essa noite e estávamos todos a precisar de um banho e de descanso, mais do que qualquer outra coisa.

sinto-me:
banda sonora: pedro khima - dá-me sede
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:50

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Sexta-feira, 24 de Abril de 2009

madrugada "insana"

depois de um belo banho a cama esperava-nos mas estava longe de imaginar o que ainda se viria a passar. ainda não eram 5 da madrugada senti a lorena levantar-se e andar pelo quarto algum tempo.  acordada pelo passeio perguntei-lhe o que se passava e ele disse-me – tive um sonho! – certo, teve um sonho, eu também tenho muitos mas e porque estaria ela ali de pé aquelas horas, tentei explorar mais e saber o que se passava, aí ela contou-me que teve um sonho louco em que fazia sexo com o pasquale enquanto eu estava com o namorado dela. pensei por 1 segundo e disse-lhe – ok e agora, como te sentes face a esse sonho?não percebo o que dizes!como te sentes, o que fez sentir esse sonho, repulsa, angustia?não, tesão! – disse-me ela lascivamente.

pensei por mais uns segundo e disse-lhe – estás preocupada com o alberto?não sei, acho que não!então a questão agora é se vais ou não vais propor-lhes issoe tu?eu, o quê?estás comigo? – ri demoradamente tentando fazer o menor barulho possível e quando parei de rir disse-lhe – não aceitei vir à aventura?

pegou-me na mão e abrimos vagarosamente a porta do quarto, olhamos em volta a ver se estava alguém e batemos na porta do quarto em frente, o dos rapazes. batemos várias vezes até que sentimos que alguém finalmente se mexia lá dentro, uns segundos depois a porta abriu-se aparecendo o pasquale a perguntar o que se passava, não dissemos nada, entramos apenas e fechamos a porta – algum problema? – disse ele mais uma vez – sim, mas pequeno – respondeu a lorena. o alberto permanecia a dormir quase profundamente, ela chegou-se junto dele e disse-lhe ao ouvido algo como “meu amor, confia em mim”, ele sorriu com os olhos ainda semi-cerrados e a lorena tirou-lhe os shorts com que ele dormia, pegou-lhe no membro e disse-me olhando nos meus olhos - toma, é teu! em seguida acercou-se do pasquale que sem pestanejar aceitou aquele jogo e já deitado antevia o que se ia passar, tirou os shorts dele também e começou a chupá-lo. eu, recebendo o recado, comecei a masturbar o adormecido alberto e a chupá-lo também levemente, senti-o a reagir ao toque a começar a ganhar lentamente outra forma. a lorena chupava a bom ritmo o pasquale que já mostrava grande parte do seu “potencial”. alcançou um preservativo e colocando-o com alguma dificuldade no pasquale deu-me um também em seguida, retirou as cuequinhas e colocou-se em cima do pasquale pegando-lhe no membro e tentando colocá-lo à entrada da sua ratinha, cuspiu na mão e passou-a “nela” para a humedecer um pouco mais eu olhava-a enquanto masturbava o alberto e segurava o preservativo na outra mão, ainda por abrir.

sentou-se nele e forçou um pouco a entrada, deslizando em seguida até meio, vi-a contorcer-se com uma certa expressão de dor e sei bem o que deveria estar a sentir. a mão que até aí segurava o membro do pasquale passou para o clítoris e ela tocava-se movimentos circulares enquanto se habituava ao tamanho, sentou-se até ao fundo lenta e progressivamente à medida que os movimentos no clítoris aumentavam de ritmo, nesse momento percebi exactamente como tinha estado e como e porquê me tinha sentido, ela estava perfeitamente cheia e começava agora a movimentar-se sentindo aquele pénis grande dentro dela. abri o preservativo e comecei a colocá-lo no alberto, ao desenrola-lo por completo ele abriu os olhos e antes que pudesse dizer algo sentei-me quase de uma só estocada nele, ele quase nem olhou para mim, olhava para a lorena que cavalgava o pasquale, trocou um olhar com ela e sorriu quase que para dentro passando em seguida as mãos pelo rosto como que testando se estaria mesmo acordado e a ver bem. em seguida, olhou para mim e sorrindo igualmente disse com uma enorme “lata” - ciao, che cosa stai facendo? – ao que eu respondi apenas vede, como quem diz, “espera que já vais ver” J

cavalguei-o sem remorsos nem grande carinho, queria dar-lhe prazer mas acima de tudo ter prazer, satisfazer-me, aproveitar aquele momento quase egoísta em que nós mulheres estávamos no comando e quase que subjugando os homens às nossas fantasias e desejos do momento.

atingi vários orgasmos, nenhum daqueles que me deixasse “fora de serviço” mas estava a ser bom, muito bom, o lorena urrava que nem um leoa e a cada urro sentia uma estucada forte do alberto, como que a tentar acompanhá-la, acabou por se vir quase junto com a lorena que estava agora deitada sobre o pasquale.

mas eis que o alberto se levanta, retira o preservativo e ainda semi-erecto e a pingar, coloca-se junto deles, encostou-se à lorena que o sentiu por trás, molhado e quente, virou-se o que pôde e sorriu-lhe, trocaram um enorme beijo de língua enquanto ela continuava a mexer-se mantendo o pasquale em acção que era o único do grupo que parecia ainda não se ter vindo. mas a maior surpresa estava para vir nos segundos que se seguiram, o alberto, subindo na cama colocou-se por trás da lorena e começou a provocá-la roçando-lhe o pénis no fundo das costas e na entradinha do rabinho até que ela o alcançou e apertou mas ele rapidamente tirou-lhe a mão e empurrando-a para a frente encostou-lhe a “cabecinha” e começou a forçar a entrada, ela quis dizer que não, mas desta vez foi ele que não lhe deu hipóteses e, lubrificado pelo próprio néctar, foi empurrando o pénis até começar a penetrar o rabinho da lorena. eu estava calada, sentada na cama, mas extasiada com o que os meus olhos viam, a lorena ia ser duplamente penetrada por aqueles 2 - ai ai, vão rasgá-la toda – pensei. mas ela aguentou aquele primeiro impacto e após alguns minutos foi ela própria que se começou a movimentar eu estava excitadíssima com tudo aquilo, parecia de facto um verdadeiro sonho e não fosse o facto de os podes ouvir, de lhes poder até tocar e falando em tocar, foi esse mesmo o impulso, tocar-lhe, pegar-lhes nos membros que se iam introduzindo em ambos os buracos dilatados da lorena que gemia como nunca.

profundamente excitada fiz algo que nunca antes tinha feito, deitei-me ao lado deles e masturbei-me, masturbei-me como se estivesse sozinha e eles não passassem de um filme pornográfico de muitíssimo alta definição e a 3 dimensões, ouvi o pasquale finalmente a atingir o orgasmo dando algumas estucadas fortes na lorena que se agarrava os lençóis com toda a força, o alberto esse aproveitou a deixa para aumentar o ritmo e já com o membro do pasquale fora da lorena acabou por se vir dentro do rabinho dela, não resisti a espreitar enquanto retirava o membro do rabinho dela – que buracão! – pensei para comigo – deves estar para lá de dorida minha amiga! mas era excitante, muito excitante vê-la assim quase arruinada por aqueles 2 mastros mas satisfeita, acabei por atingir também um orgasmo por masturbação completo por uma palmada da lorena na minha ratinha enquanto estava de olhos fechados a desfrutar o momento.

estávamos todos prontos era para um belo sono, mas, afinal, estava mesmo era na hora era de um bom banho e do pequeno-almoço.

sinto-me: deliciosamente ensonada
banda sonora: mafalda veiga - abraça-me bem
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:59

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Terça-feira, 21 de Abril de 2009

a noite de todas as loucuras

depois de um dia passado numa viagem com várias pausas para observar a paisagem, comer ou ir ao wc decidimos que era melhor parar e procurar um lugar onde passar a noite já que esta altura do ano é sempre muito procurada para férias e turismo e nós como bons aventureiros não tínhamos efectuado nenhuma reserva. circulamos lentamente pelas ruas com as cabeças fora do vidro procurando algo que nos indicasse um hotel e, de preferência, íamos começar a busca por algo não muito “chic” que o dinheiro não era muito.

à segunda tentativa descobrimos um local óptimo, era mesmo no centro e com vista sobre os canais e, curiosamente, e apesar de vista privilegiada, nem era muito caro. marcamos um quarto para os ragazzi e outro para as ragazze, pois apesar da lorena por certo querer ficar com o alberto eu não iria ficar a dormir com o pasquale, certo?

após um rápido instalar nos quartos fomos directos à “janta”, entrámos numa churrasqueira ali perto, não os ia levar por certo a comer uma pizza J. e eles também queriam provar algo tipicamente português. mal entrámos no restaurante sentimos logo aquele aroma a carne grelhada. olhei por breves segundos para o menu que dizia – especialidade: grelhada na mista à casa – nem pensei duas vezes, venha a tal “grelhada mista” bem regada com sangria.

já não me lembrava o bem que se come no norte do país e como as “doses” são verdadeiras “doses”de comida (aliás, devo ter engordado uns 5 quilos nesses dias). comemos bem e bebemos igualmente, rumamos ao hotel já meios “zonzos”, pelo menos eu e a lorena estávamos claramente “alegres”.

tínhamos entrado no quarto há pouco tempo quando decidi tomar um banho a meio do qual ouvi a campainha tocar, fechei por momentos a torneira do chuveiro para ouvir o que se passava, não sabia quem era e apesar da português da lorena já ser muito aceitável podiam não a entender e ela precisar da minha ajuda, mas percebi que era o alberto e que falavam num italiano de tal maneira rápido que nem eu, que já estou algo treinada, percebi nadinha.

ao sair do banho ele já não estava e sentada na cadeira do quarto a lorena olhava para mim com um ar deveras assustador – que foi?aconteceu alguma coisa?não, nada!então porque estás a olhar para mim assim?não, nada, estava só a pensar! enrolada na toalha do banho e enquanto procurava na mala por umas cuequinhas no meio do amontoado de roupa que tinha feito à pressa perguntei – quem tocou à porta? ouvi a campainha quanto estava no banho!ah sim, foram os “ragazzi”, queriam saber se queríamos ir à rua para um “giro”!hummm, estou um pouco cansada, mas se quiseres vai com eles, eu fico aqui não, também não estou com vontade e como não conheço o lugar, melhor fazer a visita amanhã com luz!  e dizendo isto pegou no telefone e ligou para eles.

nem um segundo depois tocaram novamente à campainha – espera, disse eu! – ainda estou semi-nua! – vestindo à pressa o soutien enquanto ela ia à porta ver o que se passava. não deu tempo para mais e só de cuequinhas e soutien enrolei-me na toalha para eles poderem entrar. mas afinal era só o alberto, o pasquale tinha ido à rua ver o ambiente e tirar umas fotos junto à ria. não querem mesmo sair? – perguntou ele mais uma vez – não, estamos cansadas! – respondeu a lorena - então, vão já dormir? – retorquiu ele. a lorena olhou para mim e eu pensando disse – dormir, não, ainda estou um pouco “zonza” da sangria, expliquei por gestos!então que vamos fazer? – e antes que eu pudesse dizer alguma coisa a lorena pega numa almofada da cama e começa a bater-me com ela dizendo lotta dei cuscini”. não tive grande reacção mas à segunda ou terceira pancada tive mesmo que pegar numa e dar-lhe também com ela, parecíamos umas loucas, umas verdadeiras crianças a lutar com as almofadas e o alberto ali, sentado na cadeira do quarto a ver. nisto ela dá-me um empurrão para cima da cama e atirando-se sobre mim num misto de almofadas a voar e pernas as espernear ela diz-me ao ouvido - mi piace leccare il tuo figa” – que é como quem diz em italiano, traduzindo à letra – “adoro lamber a tua cona”.

a tesão explodiu num segundo naquele momento e antes que eu conseguisse fazer a minha própria tradução do que havia ouvido já ela me enfiava um “dedinho maroto” “nela”, excitando-me ainda mais. puxou-me as cuequinhas apenas para o lado e sem as retirar caiu de boca e língua nela lambendo-me de forma frenética e lasciva, sentia a ponta da língua percorrer-me o interior dos lábios e cair sobre o meu clítoris dando-me verdadeiros “choques eléctricos”, senti-me a ficar molhada, muito molhada e o recalcamento da vontade de tive no carro estava agora a vir à tona, o alberto permanecia imóvel, quieto, calado, como que invisível mas eu sabia que ele estava ali e ela também, percebia-se essa tensão no ar numa espécie de “jogo de sedução” em que ela lhe mostrava às claras como fazia comigo. pela primeira vez suspeitei que fora algo preparado e não tão espontâneo assim mas que a língua dela era uma maravilha era e a minha tesão era confessadamente muita.

vim-me pela primeira vez, forte, intensamente, segurei-me aos cabelos dela enquanto vivia aquele orgasmo como se fossem as rédeas de um cavalo selvagem a galope. fiquei imóvel por uns momentos, recuperando o fôlego, olhei pelo canto e vi o alberto ainda sentado na mesma cadeira, como uma estátua, a lorena despia-se, passou pelo alberto e com as cuequinhas dela na mão passou-as pela cara dele dando-lhas a cheirar, subiu para a cama e deitou-se na cabeceira e disse – agora é a minha vez! anda cá, vem, faz-me vibrar como só tu sabes! – percebi a certa teatralização que estava a fazer e que não era comum, dirigindo-se a mim queria na verdade atingir sim e ainda mais o alberto. virei-me, quase nem me levantei, rastejei somente por entre as suas pernas e ao chegar no ponto mordi-lhe o clítoris – gritou! – por certo mais de prazer que de dor pois a mordidela nem foi forte mas o alberto quase saltou da cadeira e ela gostou disso, se gostou, percebeu que estava na “onda” dela e isso deu-lhe ainda mais “corda” para continuar. já bem envolvidas uma na outra e com a minha língua a fazê-la gemer senti um barulho, tentei olhar mas não consegui ver grande coisa, reparei no entanto que o alberto se tinha levantado da cadeira mas não consegui vislumbrar onde estaria.

continuei a devorar a ratinha molhada e gostosa da lorena que gemia a bom gemer e se contorcia dando-me a entender que estaria prestes a vir-se, senti novo barulho de gente a mexer-se no quarto e consegui a muito esforço reparar que o alberto estava de novo sentado na cadeira como se nada fosse, como se nunca se tivesse dali mexido sequer. a lorena atingiu o orgasmo e apertou-me contra ela fazendo o meu nariz quase penetrar por inteiro na sua vagina pulsante. senti algo que não consigo explicar mas senti que algo se estava a passar nas minhas costas e tentei virar-me mas a lorena puxou-me com força para ela, segurando-me a cabeça e impedindo-me de me virar no preciso momento em que senti uma forte e algo brusca penetração, senti-me a ser invadida, quase rompida por algo que não sabia o que era ou quem era, senti-me a ser quase rasgada por algo duro e volumoso e a lorena não parava de me segurar com força. a penetração foi completa, como se algo fosse introduzido até ao fundo da minha ratinha e tivesse parado ali mesmo. respirei fundo tentando “encaixar” aquele volume que me tinha invadido e que não podia ver o que era, sentia-me a latejar por dentro, sentia-me toda dilatada e com a minha ratinha a tentar ganhar elasticidade para tamanho volume introduzido assim de uma só vez como um comboio num túnel.

percebi que a lorena não me ia deixar ver o que se passava e que portanto pouco mais tinha a fazer senão esperar para perceber o que se passava, passou-me pela cabeça que o alberto me tivesse introduzido algum objecto, algum dildo volumoso na ratinha, mas não sentia calor, era algo quente, será que ele me estava a penetrar com o próprio pénis? – pensei – mas já não era a primeira vez que o sentia e apesar de bem dotado não me lembrava de alguma vez ter sentido algo assim a não ser na minha primeira vez, na minha primeira penetração. respirei fundo mais umas quantas vezes e senti que havia agora movimento, estava a sua penetrada num movimento pendular lento mais contínuo e a cada movimento sentia-me toda por dentro, sentia a minha ratinha a vibrar, a dilatar e contrair a cada passagem, sentia-me cheia, verdadeiramente cheia, sentia o fundo da minha ratinha a ser pressionada a cada penetração mais profunda num misto de dor mas prazer até que senti a lorena mexer-se e libertar-me um pouco mais a cabeça olhei de lado e vi o alberto, despido e de pé ao lado da cama e a lorena esticando-se para o alcançar e chupar, mas, se o alberto, estava ali de lado, quem me estava a penetrar e com o quê foi a duvida que rapidamente se acercou de mim, não resisti e olhei por entre as pernas por debaixo do corpo, vi um corpo de homem balançando-se nas minhas costas, e só nesse momento me lembrei do pasquale, era ele, só podia ser ele, tentei levantar a cabeça mas senti a mão da lorena rapidamente a baixar-ma contra a cama – ok – pensei – se não queres que veja eu faço-te a vontade. decidi então desfrutar apenas daquele momento e aproveitar. ao meu lado a lorena já estava de quatro, como eu, e atrás dela o alberto penetrava-a tal como o pasquale me fazia a mim, sincronizados, como se todos fossemos peças de uma mesma máquina, aguentei o mais que pude e vi-me umas três vezes antes dele puxar rapidamente o “monstro” para fora e, arrancando bruscamente o preservativo, fazê-lo jorrar abundantemente daquele néctar quente nas minhas costas, percebi que o alberto também estava no ponto e a lorena virou-se, inclinou a cabeça para trás e recebeu o néctar dele pelo queixo, peito, barriga, escorrendo abundantemente que nem uma cascata e juntando-se numa pequena poça no vale formado pelas suas coxas juntas e encostadas à barriga.

virei-me finalmente e vi o pasquale, estava suado e com um aspecto satisfeito, ainda algo firme olhei demoradamente o pénis dele, era de facto enorme, quase monstruoso mas tinha servido na perfeição para a minha satisfação. levantei-me da cama e senti vários pingos escorrerem pelas minhas costas e rabo e caírem no chão do quarto, dirigi-me a ele e peguei-lhe, ainda estava duro, não resisti a tocar-lhe e a acariciá-lo, parecia um brinquedo novo para mim, comecei a efectuar movimentos masturbatórios, levemente, a minha mão quase não conseguia envolvê-lo, senti que esta a tornar-se ainda mais firme e isso excitou-me, empurrei-o contra a parede e comecei a masturbá-lo com força e a um ritmo alucinante, cheguei mesmo a usar as duas mãos masturbando-o o mais rápido que pude, senti-o gemer, gemia cada vez mais alto e eu sentia a pele dele a ferver na minha mão mas eu queria mais, queria tudo, queria fazê-lo vir-se novamente com as minhas mãos, olhei para a lorena e para o alberto que trocavam olhares entre si ao mesmo tempo que nos olhavam, estiquei uma mão para ela à medida que o pasquale gemia mais e mais e eu sentia que se aproximava o momento desejado, ela, pegando-me na mão ao de leve, trocou um longo beijo de língua com o alberto e um ultimo olhar “cumplice” antes de se ajoelhar a meu lado e partilhar aquele membro juntando uma mão dela à minha. senti que ele se ia vir, senti o pulsar dele e colei a minha cara à da lorena em frente dele enquanto ele se vinha num novo jacto que nos invadiu as caras às duas, trocámos um beijo entre nós, de caras e bocas pingando daquele néctar. depois ela levantou-se e abraçou-se ao alberto que lhe abriu os braços e sorriu.

(to be continued)

sinto-me: maravilhada
banda sonora: jason mraz - i'm yours
publicado por diariodeumamulhermadura às 12:28

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Terça-feira, 31 de Março de 2009

jogo do pepino

jogadoras: minimo 2 (quantos mais melhor)

 

nível de dificuldade: variável (mas proporcional ao nível de diversão)

 

material necessário:

- pepinos de diferentes tamanhos e/ou diâmetros;

- preservativos em boa quantidade.

 

duração: de 10 minutos a várias horas (o limite somos nós que o definimos)

 

juntem-se umas quantas amigas com o material acima descrito, junte-se uma conversa apimentada e talvez uns quantos copos de uma qualquer bebida espirituosa.

 

após preparação e aquecimento previo, dá-se início ao jogo que consiste em diversas variantes:

 

variante 1 - verificar quem consegue “esconder” a maior quantidade de um mesmo pepino, marcando-se o “record” no próprio pepino;

 

variante 2 - verificar quem consegue introduzir o pepino de maior diâmetro (neste jogo vão-se eliminando jogadoras até que reste apenas uma);

 

outras variantes – todas as possiveis e imaginárias (aceitam-se sugestões) ;)

 

 

nota importante: convém pensar previamente nos prémios para as vencedoras.

 

e mais não digo, ou talvez até diga, mas, seguramente, não será hoje ;)

sinto-me: divertida
banda sonora: banda sonora de um filme de acção
publicado por diariodeumamulhermadura às 13:07

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Março de 2009

sexo, whisky e jogos de cartas

a noite prometia animação, o “trio maravilha” estava novamente junto numa noite chuvosa de sábado, o filme que pensamos ver estava chato e sem graça e todas nós olhavamos fastidiosas umas para as outras mas sem que ninguém dissesse nada, até que, a “su” decididad como sempre, levantou-se e disse – este filme está uma seca! o que é que há que se beba? – rimos todas pusemos o dvd no stop e fomos ao pequeno armário que uso como bar para ver o que por lá encontravamos, enquanto a “su” me revirava o armário fui à cozinha buscar copos e gelo.

 

ah ah! – ouvi ao fundo a voz da “su” – então tu tinhas aqui isto e não dizias nada?mas isto o quê? – perguntei eu sem fazer a menor ideia do que ela teria encontrado que tinha motivado tal reacção. ela levanta-se atrás do armário e mostra-me uma garrafa de rótulo preto que não consegui identificar – o que é isso? – perguntei eu – isto é um jack daniels – diz ela – jack daniels? não me lembrava de ter nada disso aí, como é que isso aí foi parar?isso agora é que eu já não sei, mas está fechadinha.

 

abriu a garrafa do whisky e deitou nos copos com gelo, fizemos um brinde “à nossa” e demos um golo – ...da-se qui’sto é forte!  - diz a “su” – se é!e se misturassemos isto com qualquer coisa? – sim, mas com o quê?com whisky acho que coca-cola, não?sim, mas isso eu não tenho cá em casa! – espera, eu resolvo!

 

saiu porta-fora como o vento ficando eu e a lorena a olhar uma para a outra com os copos na mão, a lorena lá foi dando pequenos golos e dizendo que “não era assim tão mau”. passados alguns bons minutos voltou a “su” com uma garrafa de 1,5l de coca-cola – onde foste tu buscar isso? – perguntei eu - esquece, o que importa é que já temos!.

 

fizemos a mistura e ficou divinal ;) tão divinal que agora escorregava sem parar pelas goelas ;)

 

já com alguns brindes feitos e comprovados ;) surgiu a questão, e agora? o que vamos fazer? o filme não presta, precisamos de arranjar alguma coisa que possamos fazer as 3 – cartas! – gritou a “su”. a lorena encolheu os ombros e eu fui buscar um baralho que anda sempre algures lá por casa. ao que vamos jogar? – perguntei – de cartas só sei “sette e mezzo”– respondeu de pronto a lorena. olhamos uma vez mais umas para as outras e dissemos – certo, pode ser então, esse nós também sabemos.

 

enquanto eu efectuava a tarefa de retirar as cartas que não pertencem ao jogo do “sete e meio” a “su” lembrou-se de uma ideia brilhante das dela, a ideia consistia em cada rodada do jogo, quem perdesse tinha um “castigo” que seria beber uma certa dose do jack (copo de shot) e nesse não havia direito a misturas com outras bebidas, tinha mesmo que ser puro. aceitamos as regras e o jogo começou logo comigo e a lorena a bebermos 3 vezes consecutivas o “malfadado” castigo, fiquei logo com as orelhas a arder. o jogo continuou e a distribuição dos copos de bebida foi sendo mais equilibrada por todas as 3, no entanto, a “su” continuava a mais “sortuda” da mesa até que, à lorena couberam beber 5 ou 6 vezes seguidas e na última ela recusou-se a fazê-lo dizendo não conseguir beber tanto de seguida. ah, então, se não bebes, temos que arranjar outro “pagamento” – disse logo a “su” – e num ápice fez-se luz na minha cabecinha e disse de pronto – despe! – o quê? - disse ela?despe! quem não quiser beber tem que tirar uma peça de roupanem mais – disse logo a “su” naquele seu ar de quando uma diz “mata” a outra diz “esfola”. ela sorriu a aceitou a “punição” dizendo inclusivamente que estava até com imenso calor e tirou a camisola. o jogo continuou e a partir desse episódio, à medida que ia avançando mais foram as vezes em que alguém se recusou a beber e a preferir despir e não demorou muito até que estivessemos as 3 semi-núas sentadas no chão da sala.

 

o whisky começava já a fazer também bastante efeito e a animação era mais que muita, a cada nova rodada do jogo havia uma emoção latente para se saber se havia alguém que bebia ou alguém que despia mais qualquer coisa do pouco que restava ;). a garrafa também já ia bem avançada e já não faltava muito para que se acabasse a bebida, a lorena chamou a atenção para o facto enquanto enchia mais um copo para beber de um só golo seguido do desapertar do soutien e atirá-lo pelo ar para o outro lado da sala. ficámos apenas a olhar para a reacção dela que não tardou a explicar-se dizendo – assim pago já a próxima! – rimos todas. a esta altura o jogo já era mais uma desculpa para beber e despir do que propriamente o interesse principal e já ninguém se importava muito com as cartas que lhe cabiam em sorte até que a lorena voltou a perguntar – o que acontece quando acabar a garrafa?ok, vamos definir isso – disse a “su” parando de baralhar as cartas – quando acabar a garrafa, quem perder... é engarrafada! – quê? – dissemos as duas quase em coro – quem perder tem que foder a garrafa – disse ela alto e bom som acompanhando a explicação com os gestos próprio da actividade.

 

gerou-se uma certa apreensão na sala, ninguém disse nada por alguns momentos até que a lorena batendo com a mão na mesa disse – estou dentro! – que é como quem diz, “aceito”. e se elas já estavam no jogo eu não iria por certo ficar também de fora – mas esperem lá, só ganha uma, certo?então se só ganha uma quem das que perde é que fica com a garrafa?tens razão, não tinha pensado nisso, então, fazemos o contrário, quem ganhar a ultima rodada depois da garrafa vazia é quem fica com a garrafa. mas enquanto discutiamos o assunto, deu-se o mais do que inesperado, a lorena pegou na garrafa, deu os 2 ou 3 golos que faltavam para a acabar e, sentada no chão, abriu as pernas, afastou as cuequinhas e começou a apontar o gargalo à ratinha dela.

 

ficámos as duas sem palavras, parvas, olhando uma para a outra e ao mesmo tempo para ela que nos tinha “comido” às duas no jogo e já se preparava para reclamar, e de que maneira, o prémio final. corremos as duas para junto dela e resolvemos esquecer o assunto e ajudá-la a reclamar o prémio.

 

e que noite que foi essa, acabamos todas por ficar com parte do prémio, ou, pelo menos experimentar a coisa e, sabem que mais, até houve direito a registo fotográfico dessa noite, a ver vamos se ou para quando a revelação de mais esse “segredo do diário”.

sinto-me: alcoolicamente alegre
banda sonora: pink - sober
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:45

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2009

fora da hora de expediente

hoje tinha algo para contar ai meu diário, tinha, e tenho, mas algo surpreendente aconteceu entretanto e apesar de não ser assim tão significativo como isso, achei que deveria dedicar-lhe a página de hoje, até porque, ando meia adoentada e logo sem muita vontade de me dedicar à escrita no “papel virtual”.

 

há uns bons tempos atrás dei-vos conta de uma “suspeição” minha acerca da “cafona” da minha patrõa, aliás, nem se pode dizer que foi uma suspeição porque eu tive mesmo certeza daquilo que ouvi. falo da tal chamada telefónica de carácter sexual, pois bem, ontém, aconteceu muito pior.

 

com algumas pessoas de “fim-de-semana prolongado” estes dias têm sido pouco movimentados pelo escritório e ontem, meia adoentada (reflexos do carnaval) acabei por sair um pouco mais cedo que o costume, ela ficou. já estava à algum tempo em casa quando percebi que não tinha o meu telefone, fui procurá-lo ao carro e nada, na mala muito menos, lembrei-me que só podia ter ficado no escritório e precisava mesmo dele porque tinha lá um número de telefone de uma pessoa a quem precisava ligar “sem falta”.

 

meti-me no carro e voltei lá para buscá-lo, é verdade que reparei no carro da patrõa no parque mas nem estranhei porque ela por vezes deixa lá o carro durante dias. entrei e dirigi-me ao meu posto de trabalho para confirmar se tinha o telefone onde pensava. encontrei-o como pensava e quando já estava novamente de saida ouvi barulho vindo do gabinete da patrõa, estranhei, ou melhor, na verdade amendrontei-me com as letras todas pois não via a luz acesa mas o barulho e a conversa que ouvia, sem no entanto perceber o conteúdo, vinha mesmo de lá. o meu primeiro pensamento foi logo – está alguém cá dentro a roubar alguma coisa! – e agora? o que faço? mas enquanto decidia o que fazer pensei de novo, mas eu entrei com a chave, a porta estava trancada, um ladrão não iria arrombar a entrada e depois fechá-la depois de estar cá dentro e dada a altura não me parece que pudesse entrar por uma janela até porque não há janelas, apenas vidros e não são fáceis de partir, digo eu.

 

nesse pensamento resolvi aproximar-me da porta para tentar ouvir melhor o que se passava. ouvi claramente a voz dela, mas estava diferente, estava num tom muito meigo que não é nada habitual. como ia saber o que se passava, não podia simplemente abrir a porta para espreitar. e foi então que me lembrei da cortina, atrás de onde trabalho existe uma cortina dessas de laminas verticais habituais nos escritórios que fecha apenas um pequeno canto de um vidro que dá para dentro do gabinete dela, não sei para que serve, mas está, como sempre esteve, fechada, aliás, quase tapada com uma estante situada atrás de mim, mas, no topo, talvez desse para ver o que se passava.

 

armada em “espia” subi à minha cadeira e tentei espreitar pelo canto da cortina, dava para ver que afinal havia alguma luz no escritório, mas apenas o candeeiro da secretária ou algo semelhante, de resto não conseguia ver nada dali, tinha que ser do lado oposto para evitar o sentido das laminas da cortina que me tapavam a vista. com mil cuidados continuei a minha tarefa sem pensar sequer nas consequências que poderia enfrentar se fosse apanhada naquela tarefa. espreitei pelo outro lado e, aí sim, dava para ver um pouco, e do pouco que dava para ver percebi claramente que não estava sozinha, que estava acompanhada por um homem, homem esse que, sentado na cadeira dela disfrutava da boca dela, isso mesmo, ela estava a fazer-lhe  o chamado “broche”. nem acreditei no que os meus olhos viam, aquela “velha enrugada” estava em pleno escritório a fazer “horas extra” de acção bocal.

 

por ali fiquei, constantemente a lutar com a gravidade e com os sapatos que não tirei com receio da necessidade de uma “fuga rápida”. até que ela se levantou e pegando-o pela mão levou-o para o outro canto da secretária e com isso, lá se foram os meus esforços de “mirone” por “água a baixo”.

 

desci da cadeira e antes de sair ainda passei o ouvido novamente pela porta de onde saiu um audivel – hummm a tua língua sabe tão bem!

 

antes que fosse apanhada, saí tentando não fazer o minimo ruído que fosse e rumei a casa pensando que realmente a vida é mesmo uma caixinha cheia de surpresas. quanto ao homem, não conheci, nem sequer o consegui ver bem, mas, pelo aspecto, é bem mais novinho que a “velharia”. acho mesmo que nesta história foi a avózinha que acabou por comeu o lobo-mau. ;)

sinto-me: sei lá
banda sonora: alesha dixon - the boy does nothing
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:39

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009

aconteceu – no wc do emprego (continuação)

e não é que ela cumpriu a promessa e voltou mesmo. ainda o relógio não marcava 12:30 já ela lá estava, cumprimentou-me como se não me visse há pelo menos 12 século e perguntou se a “chefa” estava. entrou para falar com ela e apesar de estarem mais 3 pessoas na sala ainda conseguiu com um gesto e um olhar apontar-me novamente para a porta do wc. senti um arrepio de cima a baixo. acho que as férias lhe fizeram mal, ou demasiado bem, se antes andava, como diz a “su”, e passo a citar: com ela a pinchar; agora parece que afinal a fera que havia dentro dela despertou ainda mais e estava de garras mais afiadas que nunca.

 

ao sair, minutos depois, ainda conseguiu atirar-me um “xoxo” e a passar a porta e sem se voltar fez-me aquele sinal tão dela e que bem conheço que quer dizer qualquer coisa como – se precisares de alguma coisa, liga-me!

sinto-me: carnavalesca
banda sonora: andré sardet – adivinha quanto gosto de ti
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:44

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

sem tempo para muitas histórias

 

 

espero que ao mesmo se possam sentir menos "lesados(as)" pela introdução de novos "segredos".

 

beijinhos

 

mm

 

sinto-me:
publicado por diariodeumamulhermadura às 08:56

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

dúvidas existenciais

fantasias sexuais ja realizadas
sexo anal
sexo bi-sexual
sexo com 2 mulheres ou 2 homens
sexo com 1 casal
masturbacao em grupo (homens)
masturbacao em grupo (mulheres)
sexo em grupo
swing (troca de parceiros)
sexo em locais publicos
sexo na internet (webcam)
sexo com assistencia
gravar sexo em video
fotografar durante sexo
dupla penetracao
mulher com mais de 2 homens
homem com mais de 2 mulheres
sexo com desconhecido(a)
sexo com prestador de servicos (carteiro, canalizador, pizzaboy, etc)
sexo com animais
sexo com objectos bizarros
sexo com objectos sexuais volumosos
  
pollcode.com free polls
vestida para seduzir
calca e blusa bem justinha
calcao e top com muita lycra
mini-saia
decote generoso
lingerie e saltos altos
com a roupa que viemos ao mundo
a roupa nao importa, o olhar e fatal
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 1
homem
mulher
casal
grupo de amigos
grupo de amigas
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 2
menor de 18 anos
de 18 a 25 anos
de 26 a 35 anos
de 36 a 45 anos
de 46 a 55 anos
mais de 55 anos
  
pollcode.com free polls

posts recentes

cartas dos leitores - bar...

triângulo inesperado

os ares do campo

madrugada "insana"

a noite de todas as loucu...

jogo do pepino

sexo, whisky e jogos de c...

fora da hora de expedient...

aconteceu – no wc do empr...

sem tempo para muitas his...

leitores do diário

Offshore Jones Act
Offshore Jones Act Counter

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

leitores online

Users Online

segredos do diário

prémios do diário

Photobucket
blogs SAPO

subscrever feeds