Quinta-feira, 22 de Outubro de 2009

troca de sms – o “x” tântrico

o telefone vibrou debaixo da secretária, uma sms acabava de entrar. fui ver, era da “su” e dizia – estou triste! :’( - respondi de pronto – o q aconteceu? e iniciamos aí uma catadupa de sms-vai, sms-volta :

 

- brigamos! :’(

 

- feio?

 

- sim, feio!

 

- e agora?

 

- agora não quero pensar nisso!

 

- almoçamos?

 

- nop, jantamos, pode ser?

 

- sim, claro, mas tu podes?

 

- posso, não me sinto bem, vou tirar a tarde!

 

- às 8?

 

- sim

 

- e olha… estou com saudades!

 

- saudades? dele?

 

- não tonta! De ti!

 

- de mim? isso quer dizer o q?

 

- isso mesmo! Que tenho saudades de ti e de nós!

 

- … compasso de espera… -

 

- ainda não percebeste? Estou com saudades de ti, do teu cheiro, do teu sabor, do teu calor! Quero fazer amor contigo!

 

- uau! Tu disseste “fazer amor”?

 

- sim, hoje não quero foder contigo, hoje preciso de “fazer amor” contigo!

- tou com saudades do nosso “x” tântrico*!

 

- … compasso de espera… -

 

- eu tb!

 

- … fim de troca de sms… -

 

 

* - “x” tântrico – nome dado por nós a uma posição utilizada só em momentos muito particulares em que encaixadas uma no outra, formando como que um “x” e com as ratinhas juntas uma com a outra efectuamos movimentos lentos e demorados, muito prolongados até que ambas atinjamos o orgasmo apenas por fricção das ratinhas uma na outra (sem mãos, dedos, línguas ou outros quaisquer objectos).

sinto-me: saudosa
banda sonora: david archuleta - crush
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:09

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009

triângulo inesperado

fui buscar a “su” ao emprego, tínhamos combinado ir jantar a casa dela, o namorado estava for a em trabalho há algum tempo e quando assim acontece recebo sempre um pouco mais de atenção (não é amiga?) ;). mal entramos em casa dela ela atirou com as coisas que trazia na mão para um cadeira e sentou-se pesadamente no sofá. estou que nem posso – disse ela – cansada? – perguntei-lhe – e não só – respondeu – curiosa como sempre perguntei – mas porquê, passa-se alguma coisa?passa, passa-se que não tenho “pau” há mais de uma semana e isto quando a gente se habitua a tê-lo quase todos os dias, vou-te contar, é pior que a droga – ri-me e perguntei – mas isso está assim tão mau mesmo?se está amiga, ando com uma tusa que até tenho a cona inchada de falta dele -  uma resposta mesmo à “su”. bem, que exagero! – disse eu – ah é, não acreditas, então olha! – disse ela tirando a saia e afastando as cuequinhas. olhei e realmente o clítoris dela parecia sair mais do que nunca de entre os lábios – não estarás com alguma infecção?qual infecção, qual quê? o medicamento que eu preciso sei eu bem qual é! – disse ela rindo às gargalhadas. ajoelhando-me um pouco junto dela não pude evitar a enfiar a minha cabeça entre as pernas dela e a dar-lhe um toque de língua, estava quente, muito quente. e a forma como ela trouxe a assunto a conversa percebia-se facilmente que estava “necessitada” de uma ajudinha.

entre esse toque de língua e começarmos a amassarmo-nos no sofá foi uma questão de segundos e nenhuma pareceu importar-se com o “cheiro a cueca” que emanava de ambas, também estava com vontade “dela”, assim, despreocupadamente, as duas, como antes.

na verdade a surpresa que nos estava reservada era muitíssimo maior do que estaríamos à espera e no “bem-bom” do momento nem nos apercebemos logo que, afinal, e ao contrário do que estávamos à espera, não estávamos totalmente sozinhas. ao fundo, atrás da porta do quarto, o namorado da “su” que tinha chegado de viagem 2 dias mais cedo que o previsto e tinha resolvido fazer-lhe a surpresa de não a avisar estava também ele a ter uma surpresa tão grande quanto a nossa e, escondido, observava-nos à distância sem fazer o mínimo ruído. até que ele com a coisa já “bem quente” resolveu sair detrás da porta e aparecer junto de nós e já de mastro de fora e bem erguido. apanhámos o susto das nossas vidas, saltamos como duas molas uma para cada ponta do sofá como que querendo esconder o impossível, a “su” ainda tentou dizer qualquer coisa como que querendo justificar o injustificável mas ele, sem dizer uma só palavras, colocou-lhe a mão em frente da boca mandando-a calar e em seguida enfiando em vez dele o mastro dele até ao fundo da garganta dela. imóvel fiquei no canto para onde saltei com as mãos tentando cobrir a ratinha descoberta e com os mamilos a saltarem por cima do soutien ainda por tirar. ela chupou-o, mas não como já vira em outras ocasiões, desta vez ele mandava, ele era o “todo-poderoso” e ela apenas uma mera serva e ele enfiava e enfiava-lhe o mastro até ao fundo fazendo-a quase sufocar até que parou e sempre sem dizer uma palavra a virou de quatro para ele e lhe enfiou de uma só vez o mastro na ratinha fazendo-a gemer “alto e bom som”, tremi e mexi no meu canto com aquela penetração e ele olhou pela primeira vez para mim retirando os olhos em seguida e olhando novamente 2 ou 3 segundos depois. fixou-me, tremi, o que iria ele fazer – pensava. fez-me sinal, fingi não perceber e ele fez novamente, sinal para me aproximar e sempre sem abrir a boca e a mesmo tempo que penetrava demorada e profundamente a “su” fez-me colocar de quatro também ao lado dela. a “su” nem me olhava, tinha o olhar fixo no assento do sofá como se estivesse em estado de hipnose, mal me coloquei como me indicou e guiou senti os dedos dele a invadirem-me a ratinha, não sei quantos, mas mais do que um com toda a certeza, enfiou-mos com fez com ela, com força e de uma só vez e pegando nos cabelos da “su” começou a aumentar a cadencia das penetrações repetindo o mesmo em mim com os dedos. senti a “su” a vir-se, a vir-se prolongadamente à medida que ela a cavalgava e lhe puxava pelos cabelos. parou, de repente, tão de repente como havia começado e olhei por cima do ombro esperando vê-lo a vir-se mas não foi isso que aconteceu, pelo contrário, empurrou a “su” para o sofá fazendo-a deitar de lado e quase de frente para mim, senti os dedos dele a saírem também de dentro de mim e sem tempo para me virar para ver o que se passava senti algo quente e molhada que me tocava, senti-o penetrar-me e tentei “fugir” mas ele agarrou-me com força e meteu-o até ao fundo, senti-me a dilatar toda por dentro e quase me vim com aquela estocada que me tocou até ao fundo, depois foram mais umas quantas penetrações longas e senti as mãos firmes a segurarem-me nas ancas com força e pensei – vai-me rebentar toda. cavalgou-me com força por uns meros segundos, o tempo suficiente para me vir e, como havia feito antes, saiu abruptamente de dentro de mim quase me fazendo vir de novo naquele “saltar de rolha” e sentando-me no meio das duas agarrou-nos nas cabeças e aproximou-as ao mastro dele.

quase sem sabermos nem como nem porquê começamos a lambe-lo e a chupá-lo as duas e segundos depois forço-nos novamente ao mesmo tempo e com os narizes colados uma na outra e com o mastro a separar-nos as bocas veio-se brutalmente soltando um jacto enorme nas nossas caras, bocas, testas, cabelo e tudo o mais que por ali havia, nesse momento fechei os olhos e quando os voltei a abrir após sentir o parar dos jactos a “su” olhava-me fixamente e sorriu com a cara cheia de esperma e com a língua tocando na minha e no mastro dele que agora começava a murchar, trocámos nessa altura um longa beijo de língua, melado e com sabor ao néctar dele que, inesperadamente, era agora também meu.

 

consideração final: empresas de maquilhagem que me escutam, por favor, com uma certa urgência, um desmaquilhante capaz de retirar sem esforço esperma das pestanas no mercado, pode ser?

sinto-me: palavras para quê
banda sonora: the fray - you found me
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:07

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

mini-férias escaldantes – sábado - o último dia

depois da “vergonha” da noite de sexta-feira e do cansaço nada mais aconteceu de interessante e fomos todos deitar cedo “para cedo erguer” mas houve quem levasse o “dito” popular ainda mais à risca do que eu. ainda não eram 7 e meia da manhã quando me levantei para ir ao quarto de banho e já a cama do quarto da “su” gemia e rangia por todos os lados, espreitei, e a porta, como sempre, entreaberta, passei apressada mas não resisti a “deitar o olho” lá para dentro, a “su” montava o namorado como se de um touro mecânico se tratasse, ouvia a coxas dela a estalar quando batia nele de tal era o vigor da coisa.

ao entrar no quarto de banho pensei – estes abusam mesmo da sorte – e – de certeza que ela está a fazer de propósito só para me atiçarqualquer dia metem-se em trabalhos, à metem metem, oh se metem.

fiz o meu xixi e voltei para o quarto, ao passar percebi que ele não estava apenas a ser montado como um touro mecânico mas que estava também vendado, isso mesmo, com uma daquelas “coisas para tapar os olhos” que nos dão nos aviões para dormir-mos. retornei ao quarto e tentei voltar a dormir e não pensar mais no assunto mas o facto é que mais do que ouvi-los, o facto de saber que os podia ver estar a deixar-me demasiado curiosa e a curiosidade sempre foi um dos meus “pontos fracos”. saltei novamente da cama e fui “espiá-los”, com jeitinho ;) escondida atrás da porta, na sombra, conseguia ver a maior parte do que se passava dentro do quarto pois o sol já iluminava o quarto rompendo por entre a cortina da janela. e eis que ela saltou abruptamente de cima dele, assustei-me e devo ter feito algum ruído pois ela olhou directamente para a porta, sorriu como se me tivesse visto ou simplesmente percebido que estava ali a observá-los e começou a masturbá-lo com força e com ambas as mãos e a gritar  - vem-te! vem-te agora! vem-te todo para mim! quero-o todo!  - e, a verdade é não tardou até que um enorme jacto jorrasse do pénis dele para o ar caindo por cima deles e salpicando tudo em volta. mas alguns jactos menores se seguiram direccionados pela “su” para o seu peito e aquele néctar escorria-lhe agora desde o queixo até às coxas, chupou-o em seguida algumas vezes e lambeu-lhe a cabeça do pénis todo em volta. voltei a “esconder-me” no quarto pois se não saísse dali em breve iria ser apanhada.

passamos o dia nunca troca de olhares estranha como que ambas querendo dizer uma à outra algo que não dissemos era a nossa ultima noite por ali, as “mini-férias” estavam a acabar e era preciso voltar. mas para finalizar as nossas noites por ali tínhamos combinado jantar fora de casa e por isso o dia de sol acabou mais cedo para nos podermos preparar para a saída. estávamos as duas no quarto de banho a prepararmo-nos quando me lembrei de uma coisa – que estúpida que eu sou! – disse eu – o que foi? – perguntou a “su” ainda dentro da banheira – esqueci-me de lavar a roupa hoje de manhã e agora não tenho cuecas lavadas para vestire é esse o problema? pensei que fosse algo importante – diz a “su” – se quiseres empresto-te umas minha,  ou então… - ou então o quê? – podes sempre ir sem cuecas, não era a primeira vez – diz ela rindo-se e rematando logo em seguida – é isso mesmo, vamos as duas sem cuecas, pelos bons e velhos tempos, topas?

como se eu alguma vez não tivesse “topado” algum dos desafios da “su” olhei para ela e sorri tentando não pensar nas possíveis consequências de mais aquele acto de rebeldia adolescente entre duas mulheres já com idade suficiente para ter juízo.

o jantar decorreu com normalidade e só não me esqueci totalmente que estava, como estava ;) porque a “su”, já com uns copitos a mais da conta, começou a querer enfiar-me um dos pés por entre as pernas. ao chegarmos a casa já todos bem bebidos disse que me ia deitar ao que a “su” retorquiu dizendo para ficar ali mais um pouco com eles na sala, estava cansada e um pouco zonza e recusei e à medida que ia andando em direcção ao quarto e, sem saber bem porquê, saiu-me o comentário – durmam bem e não façam muito barulho! – ao que ela respondeu – porquê costumamos acordar-te é? se te acordamos pedimos desculpa! – continuou ela sempre em tom de gozo – não não, não faz mal, fechem é a porta que eu posso precisar de ir ao quarto de banho a meio da noite! – e mal saiu, pensei  - ups, acho que não devia ter dito isto – e realmente não devia porque a resposta foi feroz – a meio da noite ou já de manhã! – disse ela num tom de suspense – que queres dizer como isso?nada nada, é que nunca se sabe quando é que nos dá a vontade… de ir ao quarto de banho! nesse momento se tivesse um buraco iria por certo enfiar-me dentro dele, devo ter ficado de todas as cores e, pior que isso, não tive mais respostas para ela o que é muito mas muito mau sinal.

refugiei-me no quarto sem saber o que dizer, estava bêbada mas perfeitamente consciente e como tal, muitíssimo envergonhada com tudo aquilo, entrei, sentei-me cama e ali fiquei, imóvel, a “su” deve ter reparado que não fiquei bem e alguns minutos depois bate-me à porta perguntando isso mesmo. entrou e baixou-se ao meu lado – o que foi?que é que tens?ficaste assim com o que eu disse? – não sei! - disse eu quase a chorar – vá anda, desculpa, foi uma brincadeira parva, vem connosco para a sala, não vais ficar aqui isolada que eu não deixo! – e dizendo isto arrastou-me para a sala enquanto secava as lágrimas que me teimavam em cair pela cara sem que as pudesse controlar. sentou-me no sofá e sentando-se ao meu lado disse-me ao ouvido – esquece, não se passa nada, está tudo bem e estamos entre amigos, certo?

eles foram conversando e dizendo algumas piadas para aliviar o ambiente e passado algum tempo já estava a rir-me com eles o namorado dela a espaço lá foi dizendo que estávamos entre amigos e que se eu tinha algum problema podia contar sempre com eles e que já tinha ouvido falar tanto de mim que sentia que já nos conhecíamos à imenso tempo e essas coisas. entretanto ela foi buscar mais um copo com bebida e sentou-se num dos braços do sofá ao meu lado, olhou para mim, voltou a levantar-se e foi na direcção dele e ouvia dizer-lhe baixinho – não sais daí! voltou-se na minha direcção e sentou-se novamente no braço do sofá com o copo na mão, deu um golo e perguntou-me - queres? - tentei  alcançar o copo mas em vez disso ela encosta a boca dela na minha e despeja-me a bebida que tinha pela minha garganta engasgando-me e fazendo-me tossir, enquanto isso disse-me ao ouvido – bebemos do mesmo golo, ainda te lembras do que isso significa? é agora, o tudo ou nada, aperta ou larga, és tu quem manda!

(beber do mesmo golo de uma bebida alcoólica num beijo foi uma das “brincadeiras” ou melhor dizendo, pactos, que havíamos feito nos tempos de estudantes, significava que ia acontecer algo entre nós, normalmente sexo e que essa era a hora de dizer stop ou vai fundo, era, por assim dizer, um ponto de não-retorno, qualquer que fosse a resposta seria respeitada e nunca seria questionada, apertar a mão continuadamente equivalia a um não, o soltar equivaleria a um sim, sendo que qualquer que fosse a primeira resposta seria a definitiva)

se me recordo a ultima vez que havíamos feito isso fora há mais de 10 anos e naquele momento vieram-se à memória as todas as imagens desses tempos gloriosos e sorri – e o teu namorado? – não resisti em perguntar – não está cá! – disse ela. apertei ligeiramente na mão dela mas larguei logo em seguida dando-lhe o sinal verde que ela esperava. com um fulgor como se um vulcão tivesse entrado em erupção dentro dela começou a beijar-me e a percorrer-me freneticamente o corpo com as mãos, rapidamente desceu até às coxas e ajoelhando-se no chão frente ao sofá abriu-me as pernas e recordou-me nesse momento novamente que estava sem cuecas. enfiou-me a língua directamente na ratinha sentindo o meu gosto e brincando em seguida com o meu clítoris, estava excitadíssima, levantou-me as pernas apoiando-as nos braços do sofá e começou a meter-me os dedos na ratinha ao mesmo tempo que me chupava o clítoris fazendo-me gemer, meteu 1, depois 2 e 3 dedos na minha ratinha que latejava e se dilatava mais e mais a cada passagem, eu estava numa adrenalina imensa e não resisti a olhar por cima da cabeça dela para o namorado que sentado no sofá em frente permanecia boquiaberto, quase como congelado por tudo aquilo que se estava ali a passar. ela apercebeu-se disso e olhou também para trás na direcção dele havendo um troca de olhares de cumplicidade entre eles. naquilo continuamos por mais algum tempo até que eu atingi um bom orgasmo. passados alguns segundos levantei-me e deitei a “su” para trás no tapete da sala ficando com a cabeça quase aos pés do namorado, arranquei-lhe a roupa e cai-lhe de boca na ratinha que pingava já de tão molhada que estava, chupei-a e lambia lascivamente levantando de quando em vez os olhos para o namorado dela que quase babava. percebi segundos depois que ele se começava a tocar por cima das calças e como quem não quer a coisa numa lambidela ao ouvido da “su” disse-lhe isso mesmo. ela olhou para ele e disse – o que foi? queres alguma coisa? – vá tira-o para fora, tas à espera de quê? mas nada de misturas ok? – ele acenou que sim e num ápice baixou as calças e tirou o membro duro de dentro delas começando a tocar-se quase sobre as nossas cabeças, dediquei-me novamente à ratinha dela antes que se me dessem outros apetites e devorei-a o melhor que pude até ela atingir o orgasmo com o orgasmo dela o namorado também se quis vir e começou a masturbar-se com mais força mas logo ela lançou a mão ao membro dele e o apertou com força dizendo – ainda não! virando-se para mim perguntou-me – estás bem?estou! – disse eu – e agora? – disse ela fazendo sinal com a cabeça para o namorado – tu é que sabes! – disse-lhe eu – e ela pegando na minha mão levou-me até junto dela e colocou-me a minha mão com a dela no pénis do namorado e soltando a enorme pressão que fazia junto à cabeça começou a masturbá-lo com as nossas mãos juntas fazendo-o vir-se em menos de 5 segundos para os nossos corpos.

após esse momento, voltou a largar o pénis dele e a chegar-se a mim e lambeu-me os mamilos de onde também pingavam gotas do néctar do namorado e voltando-se para ele disse – espero que tenhas aproveitado e tirado o máximo deste momento porque não voltará a repetir-se!

e assim terminaram as nossas mini-férias.

sinto-me: deliciada
banda sonora: red hot chili peppers - the zephyr song
publicado por diariodeumamulhermadura às 11:38

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Março de 2009

uma massagem muito reconfortante

 
a conversa com a “su” acerca das últimas novidades dela não estava a dar em grande coisa, ela, ao contrário de sempre, estava pouco faladora e menos interessada ainda em abordar o assunto, entre desvios e curvas longas lá ia dando alguns “lamirés” do que se passava. e tu amiga, que se passa contigo? – pergunta ela – se era difícil disfarçar o meu estado para muita gente, para ela então era impossivel – estou cansada – disse eu da forma mais natural que pude – só cansada? – sim, cansada, muito cansada mesmo – queres uma massagem? – massagem? – sim, se queres uma massagem? já te esqueceste das minhas massagens quando chegavas a casa exausta? – sim, era verdade, quando em tempos morámos juntas e eu andava à procura de emprego a “su” sempre me sabia reconfortar com as suas massagens.

 

aceitei a massagem, mas antes um banho bem quente e o aquecimento do quarto ligado no máximo. saida do banho já ela tinha o quarto preparado, em cima da minha cama tinha estendidos uns enormes toalhões de banho que quase nunca uso por serem tão grandes, algumas velas e um pauzinho de incenso queimava também dando uma certa atmosfera de “relax”.

 

deitei-me totalmente nua por cima dos toalhões e percebi que também eles estavam aquecidos, a sensação foi óptima e melhorou ainda mais quando ela me começou a espalhar o óleo pelas costas e ombros – estás dura que nem uma pedra! – disse ela enquanto me tentava massajar junto ao pescoço e ombros – tenho andando muito tensa – pois, nota-se! mas agora relaxa, fecha os olhos e esquece tudo o que está à tua volta. senti-a parar um pouco e mexer em algo, era a música, estava num volume tão baixo que nem tinha dado por ela, agora sim eram audiveis uns sons da natureza, totalmente relax mesmo.

 

as suas mãos quentes e escorregadias deslizavam-me pelo corpo massajando-me a relaxando-me por inteiro, estava a saber-me mesmo bem, por momentos desliguei-me completamente da terra e apenas sentia o calor, o cheiro, a música e o toque. à medida que me foi massajando o corpo passou a usar mais as pontas dos dedos, massajando mais profundamente, completamente fora de mim soltei um gemido, ela sorriu, olhei para ela assustada como que acordando e pedindo desculpas sem saber exactamente do quê – chiuuu – disse ela – fecha os olhos e relaxa.

 

sentia descer-me pelas pernas até aos pés massajou-me os pés dando-me “choques electricos” pelo corpo todo, depois passou para as pernas e foi subindo pelas coxas. nunca me tocou perto da ratinha, descoberta e nua, mas nem precisou pois todo aquele relax e libertação estava a acordá-la sem que para isso fosse sequer preciso passar junto dela e ela sabia disso, afastou-se, mudou de perna massajando-me novamente junto aos pés e, lentamente, voltando a subir e subir até junto dela, mas, novamente, sem me tocar.

 

com jeito ajudou-me a voltar-me de barriga para cima, os meus mamilos acusavam claramente a excitação mas ela fingiu que nem percebeu, que nem notou. colocou mais óleo na mão e espalhou-o na minha barriga em movimentos circulares subindo depois com ambas as mãos em direcção as maminhas, mas, mais uma vez, desviou o caminho para os lados terminando junto das axilas, não continve mais um gemido naquela subida, massajou-me os braços e as mãos e em seguida voltou novamente às pernas de baixo para cima, como anteriormente tinha feito, ao subir pelas coxas senti arrepios enormes, quase orgasmos, sem que estive empenhada nisso a minha vagina pulsava por dentro e eu contraía-me e descontraía-me ao ritmo das massagens, tentava não pensar no assunto, relaxar apenas e libertar-me como ela me tinha dito, mas era difícil, se era difícil.

 

parou a massagem e entre-abri os olhos – já está perguntei? – chiuuu – disse ela de novo – relaxa, fecha os olhos, quando estiver pronta eu digo. reparei enquanto deitava novamente a cabeça que estava a pôr uma boa quantidade de óleo na mão, estava mesmo a encher a mão como se fosse uma concha. mal fechei os olhos sentia aquele óleo a escorrer-me pela ratinha e a mão dela a tocar-me como se fosse a mesma concha, sentia apenas a palma da mão dela lisa a espalhar o óleo que me escorria coxas abaixo, contraí-me imenso e cheguei a agarrar com força os toalhões, mas logo ela me massajou de novo os braços e me voltou a dizer – relaxa, esquece tudo, sente apenas a massagem.

 

à medida que a mão dela esfregava a minha ratinha sentia-a aumentar a temperatura, estava a ferver e sentia novamente uma espécie de “micro-choques electricos” que me faziam pulsar por dentro, senti uma das mãos a massajar-me a barriga e a subir para uma das maminhas e pela outra, os meus mamilos duros de excitação tentavam furar por entre os dedos dela, mas ela não deixava apertando-os ao máximo, também as minhas coxas começavam a afastar-se cada vez mais, levando com elas as “pontas da cortina” e expondo a minha “janela”. ela continuou, de mão em concha e dedos juntos apenas a massajar-me, mas assim mesmo o deslizar pelo meu clitoris também ele duro e excitado já era inevitável e mais que isso, constante, o calor aumentava ainda mais, o óleo parecia ferver e eu, quase sem querer comecei a ter orgasmos, pequenos orgasmos, ritmados, e progressivamente mais intensos e a meio de um deles ela enfia-me os dedos oleados ratinha a dentro, nem tive noção de quantos, mas percebi pela dilatação que foram muitos, mais até do que eu conseguiria aguentar mas a dilatação algo violenta fez-me vir novamente e os movimentos que se seguiram senti-os como nunca, senti-os bem dentro, mesmo dentro de mim, senti-a forçar um pouco mais e percebi que tinha metido mais um, tive uma reacção de querer levantar a cabeça mas ela logo me empurrou e disse-me no ouvido – relaxa e esquece tudo, lembras-te? assim fiz, sentia-me cheia como nunca o óleo fervia-me na pele e tornava toleravel algo que por certo seria noutra situação algo doloroso, relaxei, fechei os olhos e tentei esquecer-me de tudo enquanto ela continuava a penetrar-me com os dedos à medida que ia juntando mais e mais óleo, quase sem aviso tive um orgasmo sem comparação, intenso, quase violento, fazendo-me enroscar-me toda e ficar por uns belos minutos a pulsar por dentro.

 

quando finalmente conseguir voltar a mim a “su” olhou para mim e disse – agora sim, está terminada a massagem! – eu apenas sorri de olhos ainda meio fechados pois nem força tinha para os abrir, estava dormente, todo o corpo tremia. em seguida, aproximou-se de mim, deu-me um beijo e disse-me ao ouvido – independentemente do que venha ou não a acontecer nada nos separará, nada pode quebrar a união que há entre nós, serás sempre minha como eu sempre serei tua.

 

 

 

sinto-me: reconfortada
banda sonora: santos & pecadores - caixa dos segredos
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:21

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2009

um 2009 em grande

2009 era ainda “uma criança” com apenas 2 dias, desde o reveillon que nada sabia da lorena e do alberto que aproveitavam, sabe-se lá como, os últimos momentos antes da nova despedida.

 

também eu a aproveitar os meus últimos dias de férias (e que boas que foram) passeava relaxadamente de carro na marginal junto ao mar, estava um dia frio, ventoso e com cara de chuva a qualquer minuto. quanto ao vento, este já não era uma grande novidade, quando vou passear para esses lados ele está sempre ou quase sempre presente. senti o meu telefone vibrar em cima do banco do pendura, procurei um local para encostar o carro, afinal era apenas uma sms, do outro lado a lorena perguntava – o que fazes? – respondi de pronto – passeio de carro e vocês, estão bem? a resposta demorou a chegar e decidi voltar à estrada, continuei sempre pela marginal o mais possivel, por estranho que possa parecer adoro o mar em dias cinzentos, fica ainda mais misterioso e com um aspecto ainda mais poderoso que nos outros dias.

 

estava com fome, decidi parar e ir a um café comprar algo para comer, trouxe tudo comigo, não estava com paciência para me sentar em cafés sozinha além de que tinha deixado o carro apenas parado e não estacionado ali em frente.

 

ao chegar reparei numa nova sms no meu telefone (sim, tenho por mau hábito esquecer-me do telefone em cima do banco do carro, é até um dia...). era novamente a lorena que me respondia – nada, estamos aqui em casa, está frio para sair e além do mais estou “malessere”! – acabei por lhe ligar a perguntar que raio significa malessere”. após 2 minutos de conversa percebi que traduzindo “à letra” significa basicamente “estar mal” mas que o verdadeiro sentido em que é frequentemente usada essa expressão significa apenas – estar com o período! ;) (estamos sempre a aprender) ri e apenas disse em jeito de brincadeira que tinha sempre mais 2 buracos disponiveis ;)

 

continuei o meu passeio mas já em jeito de retorno a casa, o sol, que pouco apareceu durante todo o dia, já estava a dar mostras de se querer ir embora de vez, parei um pouco junto a uma falésia e saí do carro para ver o pôr-do-sol, é um momento que adoro mas que raramente tenho oportunidade de assistir assim, de frente para o mar vendo o sol esconder-se no horizonte. quando voltei ao carro tinha nova sms, ou melhor, uma mms, uma mensagem escrita acompanhada por uma imagem de anexo, a mensagem dizia apenas – queres? e qual não foi o meu espanto que ao abrir o ficheiro de imagem dou de caras com um pénis firme e hirto, como já dizia o outro. fiquei boquiaberta, não estava mesmo nada à espera daquilo, imagina que me tivesse a mostrar algo que estava a comer ou algo assim como é hábito, agora, aquilo foi, posso confessar, deveras surpreendente. fiquei até sem resposta, imagine-se, eu, sem resposta ;) fiquei alguns segundos a olhar para o telefone até que se fez luz na minha cabecinha e pensei – ah é isso! queres festa? então vais ter festa! e antes que pudesse pensar sequer duas vezes peguei no telefone coloquei-o à minha frente e abri a boca e estendi um pouco a língua como se estivesse digamos que a fazer algo, ouvi o clack eletrónico do telefone, virei-o e, perfeito, era mesmo aquilo, adicionar mensagem – aqui? enviar para – lorena – e lá foi ela, a mms ;)

 

nem precisei esperar muito tempo, alguns segundos depois tenho uma sms de volta dizendo – não tens mais nenhum lugar onde o queiras? esta italianinha estava mesmo a pedi-las e eu, como sempre, estava disponivel para lhe dar o “troco” que ela estava a pedir, e, mais uma vez, sem pensar duas vezes puxei as calças para baixo até aos joelhos, as cuequinhas fizeram-lhe companhia em seguida e com o telefone entre os joelhos abri-me o que pude expondo a entrada da minha ratinha e, clack outra vez. não ficou bem, muito tremida e escura, liguei o flash, e fiz mais uma foto, agora sim estava bem apesar de um pouco pálida ;) enviei de novo com a mensagem – aqui estaria mais quente e confortável e uma vez mais esperei pela resposta.

 

entretanto e como ela demorava, fui andando, com esta brincadeira já estava a ficar tarde e escuro e não sou grande fã de viagens longas à noite e sozinha. alguns minutos após ter iniciado a viagem recebi nova sms de resposta – sim, aí tudo fica melhor, até a minha língua! como estava a conduzir nem respondi, precisava de parar dali a pouco para meter combustível e teria então tempo para uma resposta como deve ser. mas ela não deixou, não demorou 2 minutos para que recebesse nova sms com o texto – então ficaste timida com a minha língua? não gostaste da minha oferta? acelerei um pouco mais para chegar à área de serviço e poder responder, antes mesmo de meter combustível encostei, agarrei no telefone e escrevi – timida, eu? por mim só se for a tua língua para começar e resto para acabar! ;)

 

ainda a bomba marcava pouco mais de € 5,00 já sentia o telefone lá dentro a vibrar, acabei de encher o depósito e fui pagar, com a excitação que aquela brincadeira me estava a dar tive receio de ler mais uma sms ou ver mais uma mms e atirar-me ao empregado quando fosse pagar ;)

 

de volta ao carro, li a sms dela que dizia apenas – onde estás? demoras? respondi – a caminho de casa, mais uns 15 a 20 minutos e já lá estou. do outro lado recebi apenas, então apressa-te que já estamos no café “da squinas” (era “café da esquina”).

 

viram-me chegar de carro e enquanto entrava para o parque aproveitaram e entraram comigo, mal olhei para eles não consegui deixar de esboçar um sorriso, reparei que estavam ambos bem agasalhados, perguntei se em italia não fazia frio ;) ao chegar em casa percebi os agasalhos, por debaixo da gabardina preta a lorena trazia apenas a lingerie, linda por sinal, e umas meias presas por um cinto de ligas :o o alberto debaixo do casaco desportivo comprido também só umas calças estilo fato de esqui e nada mais por baixo.

 

pedi-lhes 1 minuto para me lavar pois aquele passeio atribulado tinha-me deixado toda “melosa”, quando voltei à sala, já bem mais fresca e menos vestida reparei de pronto que os italianitos já se tinham adiantado e a lorena já tratava “de boca” o alberto. fiquei a observa-los por uns segundos até que a lorena me viu e me disse – vens ou só olhas? aproximei-me e sentei-me no sofá ao lado deles, a lorena mudou rapidamente de lado, sem me perguntar nada tirou-me as cuequinhas e começou a lamber-me toda de ponta a ponta enquanto masturbava o alberto que olhava deliciado para nós duas, depois passou a alternar entre chupadelas no alberto e lambidelas em mim numa espécie de teaser a nós 2.

 

anda, disse-me colocando-me de joelhos no sofá apoiada sobre o encosto, o alberto levantou-se também a pedido dela e perdi-o de vista, sentia apenas a mão dela que por baixo entre as minhas coxas continuava a massajar-me a ratinha e conseguia ouvir o barulho das chupadelas que estava a dar ao alberto nas minhas costas. senti-a afastar-me as nádegas e voltar a lamber-me mesmo na entradinha da ratinha, um compasso de espera e senti algo que percebi segundos mais tarde que era o pénis do alberto encostado em mim, senti a cabecinha a começar a entrar vagarosa e suavemente até estar toda dentro de mim, soltei um gemido profundo, sentia que a lorena estava a controlar a penetração dele, sentia a mão dela entre mim e ele era ela que estava a segurar no pénis dele e a controlar tudo.

 

ouvi um estridente clap de uma palmada forte mas não senti nada, apenas um estermecer, a lorena acabara de dar uma enorme palmada no rabo do alberto, era como que o sinal de partida, o soltar final das rédeas para ele poder “correr prado fora” e foi o que ele fez, começando a cavalgar por mim dentro com algum vigor e profundidade. mais uma palmada e mais ritmo, as palmadas sucediam-se e o ritmo aumentava a cada uma delas, a cavalgada estava a ficar intensa e apesar de estar confortável e a ter imenso prazer por momentos tive receio do que me pudesse acontecer, à mente vieram-me imagens muito recentes de um alberto algo “animalesco” mas, estava tão bom e eu prestes a vir-me que esqueci tudo, confesso até que me esqueci de quem estava por trás de mim, que esqueci a presença da lorena e a relação que existe entre eles e apenas disfrutei do “prazer carnal” que estava a ter. tive 2 orgasmos quase seguidos sem descanso pois nem o alberto e muito menos a lorena me deixaram descansar a cada palmada que ele levava sentia-o  penetrar-me até aos limites e tocar-me bem lá no fundo. após o segundo orgasmo decidi fazer algo que não fazia há muito, uma técnica há muito desenvolvida e aperfeiçoada, concentrei-me e contraí o mais que pude as paredes da minha vagina e assim me mative por alguns segundos, contraíndo e contraíndo, quase sem respirar, o resultado, o de sempre, fi-lo vir-se quase de imediato, a lorena, ao perceber o momento, puxou-lhe o pénis para fora e encostando-o à entrada da minha ratinha fê-lo inundar-me em jactos consecutivos, aliás, parecia que não ia parar mais. senti também nessa altura a língua dela por ali, tocando-me, quando me virei estava um verdadeiro “lago” atrás de mim e tinha as costas cheias do néctar do alberto até ao cabelo, a lorena estava também ela cheia do mesmo, no cabelo, na cara, na boca, por todo o lado, estavamos todas lambuzadas e a precisar de um banho mas felizes, acima de tudo, felizes.

sinto-me: no céu e no inferno
banda sonora: jack johnson & friends - upside down
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:59

link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

sem tempo para muitas histórias

 

 

espero que ao mesmo se possam sentir menos "lesados(as)" pela introdução de novos "segredos".

 

beijinhos

 

mm

 

sinto-me:
publicado por diariodeumamulhermadura às 08:56

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2009

o segundo dia – o grande teste

passei a noite a pensar naquela célebre frase da lorena e o que na verdade ela quereria dizer com aquilo, será que ela estaria verdadeiramente disposta a “tamanho altruísmo” ;). esta questão já vem de há muito, dos tempos de faculdade quando eu a “su” ficamos primeiro amigas e depois inseparáveis, chegamos a fazer reparos do mesmo género e a pensar em iguais coisas (partilhas) mas, na verdade, nunca o conseguimos verdadeiramente fazer e à luz da amizade especial e única que temos nunca o forçamos, simplesmente nunca nos sentimos verdadeiramente preparadas para partilhar dessa forma algo que era nosso, sem na verdade ser, um homem, um namorado.

 

por volta das 3 e meia da tarde dirigi-me a minha casa, a lorena tinha finalmente ligado a dizer que a “costa estava livre” ;) e dentro de minutos estaria tudo pronto para eu voltar ao meu espaço ;)

 

antes de entrar toquei à campainha e ela demorou um pouco até abrir a porta, será que estão realmente prontos? – pensei – pouco depois apareceu a lorena que veio entreabrir-me a porta. ao entrar percebi que estava ainda apenas em lingerie e de pronto lhe disse que só precisava de apanhar umas coisas e que voltava a sair para que eles se pudessem aprontar sem pressas. ela apressou-se a dizer que não e que estava assim apenas porque tinha acontecido um pequeno acidente com a roupa dela que se tinha molhado um pouco e que estava a secar mais uns minutos e já estava pronta, o alberto é que ainda estava no banho mas que também não devia demorar mais do que alguns minutos.

 

sentamo-nos então as duas no sofá um pouco à conversa, ela estava visivelmente “na lua” de excitação, pelos vistos a noite, e a manhã, tinham corrido mesmo muito bem. agradeceu-me a generosidade de lhes ter dado aquela oportunidade mais umas 100 vezes e garantiu que tinham cuidado bem da casa.

 

não resisti a perguntar se tinha sido bom, ela apenas disse – bom? foi maravilhoso! – rindo em seguida - só que pensar no bom que foi fico logo toda molhada! – rematou. demos as duas uma gargalhada.

 

e a vossa noite – perguntou ela – foi boa também? – sim, mas dormimos muito pouco, ficamos à conversa quase toda a noite. olha! - chegou-se a mim e dizendo-me ao ouvido – sabes o que o alberto adorou? – o quê? – perguntei eu já a 1000 de curiosidade como sempre – do meu novo estilo! – novo estilo? – perguntei sem perceber – sim, da minha como dizes “ratinia” radere – percebi rapidamente a que se estava a referir com o gesto que fez e ri com o “ratinia” dela, pisquei-lhe o olho e perguntei – mas ainda está boa? – sim, está! estão a começar a aparecer alguns pequeninos mas tudo bem, disse mostrando-me. espera!, eu ajudo-te! – que vais fazer? puxei da minha maravilhosa pinça milagrosa comprada em paris há séculos mas que é optima e perguntei, queres que te ajude a tirar só esses 2 ou 3 que já estão a ficar grandes? – se achas que podes fazer isso, por mim, tudo bem!

 

baixei-me junto dela e afastei-lhe um pouco as cuequinhas, puxei um primeiro pelito, não tendo reacção perguntei se tinha doído – não, nem senti! – puxei mais 2 ou 3 visivelmente maiores e perguntei, tens mais? – espera! retirou as cuequinhas e abriu um pouco os lábios e disse – podes ajudar-me a tirar esses mais dentro? engoli em seco - aquela visão rosada é sempre deslumbrante e é dificil ficar-lhe indiferente mas tentei manter o meu “profissionalismo” ao máximo até porque ao contrário de outros tempos, agora ela tinha o namorado ali mesmo ao lado no wc.

 

ok, terminei, vê se está bom! – sim, acho que está optimo! por dentro está bom? – perguntou ela? e eu sorrindo não me lembrei de outra coisa, num ápice dei-lhe uma lambidela bem dentro da ratinha e disse – está optima! rindo em seguida! -capricciosa – disse ela – não perdes uma possibilità! e não perco mesmo J

 

e agora? – disse ela - agora o quê? – perguntei eu – vês, assim deixaste-me excitada – excitada? – sim! – disse ela ao mesmo tempo que me pegava na minha mão e a levava até à ratinha dela – engoli em seco uma vez mais. olha o alberto que deve estar ai a chegar – disse-lhe eu algo constrangida, mas ela respondeu – deixa, ele já sabe! – mas percebendo a minha hesitação concluiu –não faz mal, não te preocupes, eu entendo que não te sintas à vontade. era mais do que evidente que ela já conhecia as minhas fraquezas e mais do que isso, já sabia explorá-las, antes que pudesse dizer mais alguma coisa já eu estava de lingua bem enfiada na  “ratinia” dela.

 

passados alguns segundo ouvi-mos a porta do wc abrir-se e senti-a nesse mesmo momento saltar de susto e querer “fugir-me” mas nesse momento fui eu que a segurei firme - “não havia problema não era, então agora daqui não sais” – pensei eu para comigo própria. senti-a de olhos colados na entrada da sala onde esperava ver no próximo segundo o alberto a aparecer, mas não apareceu, passados mais alguns segundos continuou sem aparecer e a adrenalina a mais de 1000 de ambas relaxou um pouquinho. ouvi-a dizer baixinho – foi-se vestir!

 

continuei vigorosamente a chupá-la a lambê-la, notei que ao contrários de outros momentos, estava totalmente silenciosa, mordia os lábios e engolia como podia os seus habituais gemidos, estava molhadissima e ainda mais excitada pela adrenalina daquele momento, senti-a prestes a atingir o orgasmo e a perder levemente o controlo sobre um ou outro gemido que mesmo que ligeiramente se tornava audivel e veio-se mesmo, cerrou os olhos, mordeu fortemente o lábio inferior e apertando-me a cabeça entre as coxas de tal forma até quase me asfixiar.

 

quando finalmente levantei a cabeça do meio das suas coxas, o susto! e a vergonha! o alberto estava ali mesmo, a 2 metros de nós, semi-nú, com uma toalha enrolada em volta da cintura, pasmado, congelado, trocamos olhares sucessivos entre todos sem dizermos uma única palavra durante vários minutos, ou se calhar foram apenas segundos mas que pareceram uma eternidade, a lorena estendeu o braço para ele e ele deu um passo de uns 2 centimetros em frente - venuto amore mio – disse ela, estendendo-lhe uma vez mais o braço, aproximou-se lenta e vagorosamente dela, reclinada no sofá e visivelmente ainda a disfrutar do orgasmo que lhe tinha proporcionado.

 

olhando os 2, mantive-me calada o tempo todo, imóvel, sentada no chão. chegado junto dela, ela pega-lhe no braço e vai deslizando a mão dela até ao cotovelo dele sempre sem perderem o olhar fixo um no outro, e é então que ela passa a mão para a cintura dele e passando suavemente na parte da frente da toalha disse – amore mio, che è questo? – foi aí, e apenas nesse momento que notei que realmente algo de volumoso se passava dentro da toalha do alberto ;)

 

trocaram mais um olhar já mais expressivo e algo sorridente e é então que ela alcança dentro da toalha o membro erecto do namorado e o começa a acariciar em movimentos masturbatórios sem no entanto o mostrar e foi então que ela própria se admirou com algo que sentiu e enfiando rapidamente a cabeça dentro da toalha disse - wow, che bellezza - è buono? è per voi – respondeu o alberto.

 

o alberto tinha aproveitado o tempo no wc não só para fazer a barba mas para rapar de igual modo os seus próprios pêlos púbicos dedicando a “obra” à lorena. ela sorriu e agora sim puxando o belo membro do namorado para fora colocou-o na sua boca e começou a chupá-lo de ponta a ponta, eu ali fiquei, sem dizer nada, até parecia que não estava lá, eles pareciam ignorar a minha presença e a lorena depois do orgasmo que tinha recebido e do “presente” do namorado estava agora a retribuir-lhe a oferta.

 

ela realmente sabia o que fazia, confesso que me senti pela segunda vez principiante na “arte” ao vê-la deliciar-se com o pénis do alberto que ficava visivelmente cada vez mais duro e maior. e assim, bem duro e firme ela meteu-lhe a boca e foi descendo, lenta e progressivamente até praticamente lhe tocar com os lábios no tronco, ela, literalmente, engoliu-lhe todo o pénis até à garganta durante vários segundos, depois veio o meu susto, ela parecia que ia vomitar, ao retirar a boca um mar de líquidos mais ou menos gosmentos invadiu tudo mas ela não se preocupou, retirou os excessos e continuou a chupá-lo vigorosamente, ele parecia estar a adorar a coisa e começava a gemer e foi que então que ela parece ter-se lembrado da minha presença, olhou-me e sorriu com o pénis dele dentro da boca depois olhou para ele e fez sinal com a cabeça. esticou-me o braço e segurou-me na mão puxando-me para junto deles, deixou o pénis do namorado por uns breves segundos e disse-me ao ouvido – queres juntar-te a nós?

 

pensei por breves segundos e perguntei – posso? tens a certeza? – sim, claro! sorrindo-me e puxando-me mais para eles. em seguida retirou a boca novamente do pénis do alberto e continuando a masturbá-lo beijou-me, trocámos um longo beijo de língua enquanto ela o masturbava, fiquei excitadissima e aí realmente com vontade em participar mas não quis agir, tinha meda de ser mal interpretada ou recebida apesar da oferta mas a lorena agiu por mim e pegando no pénis do namorado encostou-mo à boca. acedi, abri a boca e deixei-o entrar, chupei-o levemente como que me habientando a ele mas logo ela me levou uma das mãos e me fez agarrá-lo com força como que me dizendo “estou a oferecer-to, agarra-o” e assim fiz, comecei a chupá-lo de uma forma mais relaxada e ritmada ela entretanto movimentou-se e foi para trás dele, olhei e percebi que estava a lamber-lhe toda a zona que vai dos testiculos ao anús e ele parecia adorar a sensação, senti-o “saltar” e percebi que ela lhe tinha introduzido a ponta de um dedo no rabinho e lhe lambia os testiculos ao mesmo tempo que movimentava o dedo em circularmente.

 

percebi-o a gemer mais vigorosamente e a forçar mais o pénis dentro da minha boca, a lorena também percebeu e juntou-se rapidamente a mim, ele estava para se vir, ela segurou-lhe no pénis e masturbava-o dentro da minha boca, perguntou-me ao ouvido se havia problema – disse de pronto que não. voltámos a beijarmo-nos numa troca frenética de línguas enquanto as nossas mãos juntas masturbavam o alberto que se veio naquele preciso momento num gemido profundo soltando vários jactos consecutivos do seu nectar que nos invadiram as caras e as bocas ao mesmo tempo que nos beijávamos.

 

cheias do seu néctar até ao cabelo trocámos ainda diversos beijos e a lorena lambeu-me toda a cara depois chupou ainda algum restante do pénis do alberto e ofereceu-mo de novo para eu chupar o que fiz sem hesitar.

 

fui uma experiência única, nunca antes realizada desta forma e fiquei altamente surpreendida com o altruísmo e a coragem da lorena em oferecer sem medos o namorado, foi uma prova de confiança na minha pessoa que poucas teriam a coragem de ter e isso ficou-me gravado desde esse dia. a lorena entrou numa nova esfera da minha caixa de pandora, a esfera que até este dia só tinha sido atingida pela “su”.

 

quanto ao alberto, confesso que gostei, que tinha até saudades de “um homem” e de um bom pénis, mas confesso igualmente que tudo o que fiz fi-lo sem conseguir dirigir-lhe o olhar uma só vez, dito assim soa um pouco a “objecto” mas é essa a verdade, ainda não atingi esse nível que considero supremo e quase inatingivel, mas, e para começar, foi, como dizem os brasileiros, “bom demais”.

 

depois de mais um banho para todos (invidualmente) ;) e de eles saírem não resisti a ligar à “su” a contar o que tinha acontecido, ela ficou verde de inveja mas, como lhe disse, era preciso ter calma, o natal ainda mal tinha começado.

 

 

p.s.: peço a todos desculpas pelos atrasos registados na actualização do diário, mas desta vez a culpa foi do sapo que, vá-se lá saber porquê, me tem impedido de inserir novos posts.

sinto-me: diabólica
banda sonora: bob sinclar - give a little love
publicado por diariodeumamulhermadura às 01:57

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Terça-feira, 4 de Novembro de 2008

a mais poderosa das “máquinas de prazer”

o que são os chamados fetiches? como surgem? e porquê? estas são dúvidas que sempre me assaltaram desde o final da adolescencia e por toda a vida adulta. será que todos nós temos “desejos secretos”? e se temos porque é que não os conseguimos resolver? será que os fetiches foram feitos para ser sempre cumpridos ou alguns servem apenas para “puxar” pelas nossas mentes e estimular a nossa sexualidade.

 

como muita gente, eu, tenho vários, muitos, como já disse aqui uma vez, parece que quantos mais “cumpro” mais aparecem, como uma espécie de puzzle de 2000 peças que ao ser completo nos faz querer partir de imediato para um de 3000 ou 4000. será que o ser humano é insatisfeito por natureza? ou querer conhecer mais não significa que estamos insatisfeitos mas que simplesmente somos curiosos e sedentos de experiencias novas?

 

um desses fetiches que, recorrentemente, me assaltava a mente e me levava a pensar se alguma vez o iria cumprir tem a ver com esse dilema universal - o sexo é para ser unicamente a 2 ou haverá espaço para 3 ou, quem sabe, até mais?

 

há alguns anos atrás descobri uma forma de exorcisar alguns desses fantasmas que recorrentemente me levavam a pensar em mais gente na minha vida, convem referir que, na altura, tinha um namorado fixo e uma vida que posso considerar estável, se bem que vista à luz dos dias de hoje era um pouco “enfadonha”. ;)

 

numa conversa com o meu namorado na altura contei-lhe que tinha recorrentemente esse “sonho” que se tornava “desejo” que ter sexo com mais pessoas mas que, na realidade, e bem acordada, não me imaginava sequer a fazê-lo e ele então descobriu algo que me ficou profundamente marcado, descobriu uma forma de termos sexo a 2 mas, virtualmente, acompanhados por mais pessoas.

 

não, não falo de nada “internético”, aqui a virtualidade foi outra, apagamos todas as luzes do quarto deixamos apenas a porta aberta e a luz do corredor ligada criando uma ambiencia de pouquissima mas de alguma luz, depois ele abriu a porta do roupeiro que na altura tinha um enorme espelho no interior e ali mesmo começou a penetrar-me por trás de encontro ao espelho, no inico não percebi, mas depois ele pegou-me na cabeça e encostou-me bem ao espelho, o que vi? eu própria, e ele, ambos semi-reflectidos no espelho, percebi o que ele me quis mostrar, parecia que tinha na minha frente uma outra mulher a ter sexo com um outro homem, bem na minha frente, bem colada a mim, com a cara dela na minha, com a boca dela na minha e com as maminhas dela nas minhas, entrei no jogo, esqueci-me que era eu e comecei a imaginar aquela mulher e aquele homem ali, comecei a ouvir os seus gemidos que afinal eram os nossos mas que importa, comecei a beijar-lhe aquela boca que era minha e a tocar-lhe as maminhas, mas, o curioso de tudo isto é que, na realidade, isso me excitou, me despertou a líbido e me fez ter um enorme prazer, e, no exacto momento do meu namorado se vir, peguei-lhe no pénis teso e fi-lo vir-se para o espelho onde partilhei do seu nectar com a minha amiga virtual.

 

desse dia e desse acontecimento retirei uma conclusão irrefutável, a mente humana consegue ser não só uma poderosa máquina de sonhos, mas igualmente uma poderosíssima máquina de prazer, basta que a saibamos usar.

 

sinto-me: nostálgica
banda sonora: jorge palma - encosta-te a mim
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:21

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

plug and play (big) adventures

olha lá, o que vais tu fazer com isso agora? – diz a “su” para mim na saída da loja – vou guardar e oferecer-to no natal! – respondi eu ainda com algum mau génio. eh lá que ela está mesmo brava hoje! calma amiga, foi só uma pergunta. é que a mim estava-me mesmo a apetecer experimentar o meu ;) és louca! agora! como? – ela aproxima-se de mim e diz-me ao ouvido – queres ir até minha casa para vermos se isto é mesmo bom ou não? – arrepiei-me toda, ela sabe perfeitamente que falar-me assim ao ouvido é “muita maldade” derreto-me toda. olhei para ela, ri-me, respirei fundo e disse – bora lá! ;)

chegadas a casa dela a “su” não está cá com meias medidas, baixa as calças mesmo na entrada da porta, tira a camisa já no sofá e que nem uma criança com um brinquedo novo vai de abrir o pacote. quanto fechei a porta e olhei para ela já ela estava só de soutien e cuecas com um sorriso lascivo de volta do saco. eu não acredito! já estás assim? – não vou perder mais tempo, desde que pus as mãos nisto na loja que estou “cheia de tesão” para o experimentar ;)

ai amiga, desculpa! – o que foi? que é que aconteceu? – abri o teu sem querer, são iguais por fora e agora? – agora olha “abriu vai ter que enfiar”! – disse eu rindo que nem uma doida aproveitando as deixas da “su”. quê? tu é que tás louca! onde é que eu tenho cona para uma “bisarma” dessas? – quero lá saber! é o destino! não o querias no natal ele vingou-se e quis-te a ti agora! ;)

mas estás a falar a sério? ok, se não queres se quer tentar não vou ser eu que te vou obrigar, certo? fogo! sabes que não gosto que me fales assim! alem de que quem faz esse papel sou eu e não tu. pois é amiga, a vida dá muitas voltas e chegou a hora de provares um pouco dos teus “feitiços” ;) ok, aceito o desafio, dá cá isso! e pegando no enorme plug ficou ali a olhar para ele. ai ai e agora? espera, vou buscar um pouco do óleo johnsons para ver se ajuda.

plug bem besuntado de óleo passei-lho para a mão e disse, é agora! cala-te, eu sei que é agora! – disse ela nervosa. acho que nunca a tinha visto assim nervosa por iniciar uma experiencia mas percebo perfeitamente pois eu também estava e “não era nada comigo”.

colocou o plug no chão e ele de imediato ficou colado com a tal ventosa, ok, vamos a isto mas com jeitinho! – disse ela falando para o plug ;) tirou as cuequinhas e com os dedos engordurados do óleo passou na entradinha da ratinha, colocou um pé de cada lado do plug e baixou-se colocando-se de cócoras com a ponta do plug apontada à ratinha, baixou-se mais deixando que ele começasse a entrar devagarinho. até entrou um bom bocado, mais do que estava à espera. então, que tal? – perguntei eu? – não está mal, é grosso que se farta mas desliza imenso e é macio. e lá foi tentando baixando-se e levantando-se em movimentos lentos. olha, sabes que mais! – diz ela – isto nem é assim tão difícil, esta posição é que me mata, está muito baixo. tentamos pensar numa solução para pôr o plug mais alto e mudamo-lo para o canto da mesinha de centro, assim estava bem melhor. sentada no sofá apreciava agora directamente de frente a cena, ela estava a safar-se bem mais uns centímetros e o plug desaparecia dentro dela. estás a gostar? – perguntei eu – hum hum respondeu ela acenando com a cabeça e já gemendo e foi então que ela se sentou literalmente em cima dele e o “engoliu” por completo, quase saltei do sofá mas ela parecia estar a adorar, apenas gemeu mais forte e continuou a “cavalgar” o plug agora com bastante mais força e ritmo.

passou-me o nervosismo também a mim e comecei a ganhar “tesão” também assistindo a tudo aquilo, ajoeilhei-me junto dela e lambi-lhe o clítoris enquanto ela cavalgava, sabia a óleo mas não se pode ter tudo ;) ela olhou para mim e sorriu olhando para o saco como que me dizendo “tens ali um se quiseres”. percebi o “toque” e decidi experimenta-lo, mal me dirigi ao saco ela riu-se novamente e acenou que sim novamente com a cabeça. sentei-me no sofá em frente dela e apenas tirei as cuequinhas pois estava de saia e peguei no “médio” começando a passa-lo na minha ratinha molhando-o com o meu próprio liquido que se soltava abundantemente da minha ratinha, realmente eram muito mais lisos e macios que o vibrador e não demorou muito até que o introduzisse dentro de mim e começasse a desliza-lo num vaivém ritmado dentro de mim enquanto olhava para a “su” a cavalgar o “gigante”. quase sem querer meti-o todo dentro, deslizava mesmo muito bem  ;) a “su” estava a vir-se gritando e gemendo dando-me a entender que a “coisa” estava muito boa para o lado dela, deitei-me e relaxei desfrutando ao máximo do meu.

passados alguns minutos senti uma mão a tocar-me, era a “su” pegando no meu plug e a meter-mo com mais força para dentro, retirou-o e caiu de boca em mim chupando-me o clítoris e lambendo-me bem fundo, senti um daqueles míni-orgasmos de antecipação muito bons (adoro). senti-a novamente a meter-me o plug mas percebi rapidamente que não era o mesmo. abri os olhos para ver o que se estava a passar e tentei agarrar-lhe a mão – está quieta! – gritou ela – não estavas bem como estavas? – deita-te e aproveita – olha que tu tem cuidado! – disse eu a medo – claro que sim, relaxa, estou só a brincar um bocadinho com este para o sentires.

e brincadeira vai, brincadeira vem que fui sentindo a minha ratinha a dilatar mas como não me estava a doer não dei importância, estava a senti-lo deslizar bem e isso estava a dar-me imenso prazer, num segundo senti um ultimo alargamento e um súbito relax na pressão, olhei e percebi que ela me tinha metido o “gigante” todo na ratinha sem que eu tivesse percebido, sorri e disse-lhe – tu és tramada! já estás satisfeita? – ainda não disse-me ela passando a fazer movimentos circulares com ele todo enfiado dentro e a chupar-me o clítoris ao mesmo tempo. senti rapidamente um calor a tomar conta de mim e breves segundos depois explodi num enorme orgasmo, senti-o todo, a minha vagina contraía-se mas como estava tão cheia senti todas as contracções internas de uma forma bem mais notória e diferenciada.

trocamos um beijos e dissemos quase ao mesmo tempo  - muito bom! rimos em seguida. a caminho do banho diz-me a “su” – gostaste da tua compra? quando queres experimenta-lo no rabo?

não respondi sequer.

sinto-me: no céu
banda sonora: ez special - alguém como tu
publicado por diariodeumamulhermadura às 10:47

link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Julho de 2008

o sexo e a areia nas virilhas

uma frase de uma “nova” colega de trabalho fez-me reflectir sobre um assunto que toda a gente fala mas que das duas, uma, ou nunca experimentaram ou então são muito resistentes.

isso mesmo, o “sexo na praia”, isto porque ela me perguntou no outro dia quando ia de férias e eu disse – está quase, mais umas semanas para a praia ao que ela respondeu – uh, verão, calor e sexo na praia! sei que ela o disse na brincadeira mas a verdade é que toda a gente fala de “boca-cheia” do sexo na praia, pois eu digo, eu já experimentei e, não gostei nada! é um facto, não gostei! não do sexo e muito menos da companhia que era óptima, mas da sensação em si, areia por todo o lado (principalmente em zonas onde ela não deveria entrar) e frio, muito frio.

decidi reflectir sobre o assunto e cheguei à conclusão de que o sexo na praia só pode ser uma invenção tropical ou seja, para praticar em locais onde o calor abunda mesmo durante a noite, é que apesar de a areia ter sido muito desconfortável o pior acho que foi mesmo a sensação de humidade da areia fria que me invadiu até aos ossos. conclusão, não desfrutei nada como deveria e o que seria à partida um óptimo estimulante transformou-se numa enorme frustração e numa péssima experiencia, a não repetir, pelo menos para mim, mas, se calhar, o problema é meu, é que sou muito friorenta e prefiro sem sequer hesitar uma manta fofinha em frente a uma lareira no inverno à areia de uma qualquer praia mesmo que o tempo seja bom.

ainda bem que praia não significa só areia e há outros locais muito interessantes para “acasalar” (como diz a “su”) mas isso ficará para outra página deste diário, razão para dizer – não perca o próximo porque nós também não! ;)

 

sinto-me: desiludida
banda sonora: allanis morissette - underneath
publicado por diariodeumamulhermadura às 08:21

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

dúvidas existenciais

fantasias sexuais ja realizadas
sexo anal
sexo bi-sexual
sexo com 2 mulheres ou 2 homens
sexo com 1 casal
masturbacao em grupo (homens)
masturbacao em grupo (mulheres)
sexo em grupo
swing (troca de parceiros)
sexo em locais publicos
sexo na internet (webcam)
sexo com assistencia
gravar sexo em video
fotografar durante sexo
dupla penetracao
mulher com mais de 2 homens
homem com mais de 2 mulheres
sexo com desconhecido(a)
sexo com prestador de servicos (carteiro, canalizador, pizzaboy, etc)
sexo com animais
sexo com objectos bizarros
sexo com objectos sexuais volumosos
  
pollcode.com free polls
vestida para seduzir
calca e blusa bem justinha
calcao e top com muita lycra
mini-saia
decote generoso
lingerie e saltos altos
com a roupa que viemos ao mundo
a roupa nao importa, o olhar e fatal
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 1
homem
mulher
casal
grupo de amigos
grupo de amigas
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 2
menor de 18 anos
de 18 a 25 anos
de 26 a 35 anos
de 36 a 45 anos
de 46 a 55 anos
mais de 55 anos
  
pollcode.com free polls

posts recentes

troca de sms – o “x” tânt...

triângulo inesperado

mini-férias escaldantes –...

uma massagem muito reconf...

um 2009 em grande

sem tempo para muitas his...

o segundo dia – o grande ...

a mais poderosa das “máqu...

plug and play (big) adven...

o sexo e a areia nas viri...

leitores do diário

Offshore Jones Act
Offshore Jones Act Counter

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

leitores online

Users Online

segredos do diário

prémios do diário

Photobucket
blogs SAPO

subscrever feeds