Terça-feira, 23 de Junho de 2009

mini-férias escaldantes - sexta-feira (a manhã)

o pequeno-almoço da sexta-feira foi terrível, não consegui olhar directamente para eles, a cada vez que o fazia recordava imediatamente o sucedido na noite anterior, aquilo estava mesmo a tomar conta de mim. precisava de espairecer um pouco, aliviar a cabeça e apesar de termos ido todos juntos até à barragem, decidi aventurar-me num passeio a sós pelas margens enquanto eles foram passear no jetski.

o passeio, apesar de algo solitário, estava agradável, uma brisa fresca corria entre as árvores e ajudava a  refrescar um pouco o calor tórrido que mais uma se fazia sentir naquele dia. passeei um bom tempo por ali, nem tenho noção de quanto, mas talvez mais de 1 hora, decidi voltar e sem saber porquê fui arrancando pelo caminho pedaços de casca dos pinheiro que ia partindo aos pedacinhos à medida que ia andando, acho que foi a forma que encontrei para me entreter, o facto é que um (ou vários) desses pedaços tinham aquela espécie de cerne dos pinheiros que se cola às mãos e a tudo e que é muito difícil de tirar. o pó castanho das cascas do pinheiro com o cerne transformou-se rapidamente numa pasta castanha horrível que não conseguia tirar das mãos, apanhei um pouco de areia do chão e tentei esfregar um pouco para que saísse, parecia estar a resultar mas muito lentamente, fui repetindo o processo sempre que apanhava uma zona de areia mais limpa e quando já pouco restava daquela cola e era mais a sujidade decidi ir lavar as mãos a ver o que acontecia. entrei pelo meio das árvores e dirigi-me na direcção da água, pensava que estaria mais perto, ainda tive que andar uns 2 ou 3 minutos até chegar junto dela, mas, ao aproximar-me reparei que estava alguém, ouvia pessoas, decidi aproximar-me com cautela pois não sabia o que podia encontrar e mais a mais estava ali sozinha e sem a mínima noção da distância que faltava para retornar ao meu ponto de saída. fui andando, vagarosamente, aproximando-me e tentando espreitar por entre as árvores, ao chegar já bem perto percebi que era a “su” e o namorado no jetski e o meu primeiro pensamento foi “aconteceu alguma coisa e precisam de ajuda” o que me fez aproximar mais rapidamente para tentar ajudar mas mais 3 ou 4 passos de aproximação deram-me uma noção totalmente diferente, afinal ninguém precisava de ajuda, muito pelo contrário, a “su” estava a safar-se muito bem no acto de “abocanhar o membro do parceiro” e eu ali fiquei, congelada pela imagem, agarrada a um tronco de árvore e com a respiração retida. não sabia o que fazer, ir embora? e se me vêem aqui? vão por certo pensar que os ando a espiar, que mal! tentei lentamente afastar-me de forma a que fosse impossível verem-me, encostei-me ligeiramente a um outro tronco de forma a ter vista sobre o acontecimento, estava com medo mas a minha curiosidade vence quase sempre. a “su” chupava-o bem, com força, olhando-o nos olhos e ele deliciava-se com o acto até que ele se veio por cima da cara e cabeça dela, uma enorme quantidade do seu néctar continuava a jorrar e ela continuava a chupar e a besuntar-se com ele. depois do acto ela lavou a cara e cabeça na água da barragem, mas parecia que o néctar dele teimava em não sair do cabelo dela, mergulhou diversas vezes tentando minimizar o aspecto mas parecia não estar satisfeita com o resultado e pedia-lhe a ele que visse se ainda tinha ou não.

enquanto eles se entretinham a “apagar as provas do crime” e saí dali, afastando-me de fininho e voltando ao meu caminho de volta ao ponto de encontro. enquanto voltava lembro de ter pensado da “su” – “ela é mesmo boa de boca” – não só no feminino mas também no masculino e ou era falta de memória minha ou a sua “arte” para o assunto tinha melhorado com o tempo ;)

cheguei finalmente ao ponto de encontro, ainda não estava ninguém por lá, estendi a minha toalha e  fui dar um mergulho também, precisava de me lavar e refrescar e ao bikini também que uma mulher também não é de ferro e a manchinha de humidade já se começava a notar. estava eu estendida ao sol há alguns minutos quando me apareceram os 2. olhei-os como se não os visse há horas e perguntei – então, esse passeio, foi bom?sim, foi muito bom! – responderam-me ambos – já estava a ficar preocupada com a vossa demora… - ah é, já chegaste hà muito tempo? – sim, quer dizer, não muito!

querem ir dar mais uma volta vocês? – perguntou o namorado da “su” – sim - disse a “su” - bora lá!mas não estás cansada de tanta volta? – perguntei-lhe eu – não, andamos a passear e fizemos umas pausas – disse-me ela sorrindo.

depois de devidamente equipadas lá fomos novamente com ela a conduzir. não fomos muito longe, andamos ali por perto mas mais pelo centro da barragem a velocidade lenta, não havia ninguém aquela hora por ali, estava tudo já a almoçar. olhei para o cabelo dela e vi que ainda tinha uma certa “marca do crime” e não pude evitar de virem à memória novamente aquelas imagens e num certo impulso encostei-me mais a ela e segurei-me em volta das ancas ao que ela reagiu dizendo – estou a ir depressa demais? estás com medo?não, porquê? – perguntei eu – nada, então são saudades minhas disse ela rindo! – quê? não percebi! – disse eu – disse que então estavas com saudades minhas – fiquei um pouco envergonhada com o comentário, mas não me fiquei e respondi – se fossem saudades tuas era assim – disse eu fazendo um gesto de lhe pegar nas mamas coisa impossível de fazer com o colete que tínhamos vestido. rimos as duas. mas aquele momento funcionou novamente como um certo “quebra gelo” entre nós, fazia tempo que não estávamos assim juntas e as coisas tinham mudado bastante, não sabia qual era a posição dela face a mim naquele momento e aquela brincadeira entre nós deu para “clarificar” um pouco que apesar das mudanças ainda havia a nossa ligação. esse momento deu-me coragem para avançar e passei-lhe as mãos das ancas para as virilhas, ela riu e disse – olha lá, olha lá! o que para mim foi a mesma coisa do que um “não me importo nada”. e não demorou até que vencesse o obstáculo do bikini dela e enfiasse os dedos dentro do bikini dela tocando-lhe a ratinha, ela reagiu novamente com um – ui, ui! – e eu, por aí fui seguindo “às apalpadelas”  tocando-lhe e massajando-lhe o clítoris e passeando-lhe os dedos entre os lábios. a coisa foi aquecendo e sabendo eu que ela devia estar já “quentinha” da sessão anterior ataquei enfiando-lhe 1 dedo na ratinha (porque não dava mais) e fui alternando entre a vagina e o clítoris até que ela se veio em plena barragem.

depois ela vira-se para mim e diz-me - anda, vamos trocar de posição que levas tu a mota para lá – percebei o que ela queria mas disse de pronto – nem pensar, não sei conduzir isso, fica para outra altura – seguimos viagem até ao ponto de encontro que a fome já era muita, no real sentido.

sinto-me: esfomeada
banda sonora: andré sardet - um mundo de cartão
publicado por diariodeumamulhermadura às 09:41

link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Alberto (luso) a 23 de Junho de 2009 às 13:37
Olá! há já alguns dias que não vinha aqui, e deparo-me com umas aventuras escaldantes! eu não disse que o ar da natureza espevita!?!
Agradável surpresa essa tua faceta de Voyeur! E o que mais virá para aí com a tua amiga Su ....
Beijinhos!
PS: Bikini sexy!!!

De A.S. a 24 de Junho de 2009 às 14:41
Ui ui que curioso que estou!!!
Até já me apetecia......um banho frio.

Keep going
A.S.

comentar post

perfil

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

dúvidas existenciais

fantasias sexuais ja realizadas
sexo anal
sexo bi-sexual
sexo com 2 mulheres ou 2 homens
sexo com 1 casal
masturbacao em grupo (homens)
masturbacao em grupo (mulheres)
sexo em grupo
swing (troca de parceiros)
sexo em locais publicos
sexo na internet (webcam)
sexo com assistencia
gravar sexo em video
fotografar durante sexo
dupla penetracao
mulher com mais de 2 homens
homem com mais de 2 mulheres
sexo com desconhecido(a)
sexo com prestador de servicos (carteiro, canalizador, pizzaboy, etc)
sexo com animais
sexo com objectos bizarros
sexo com objectos sexuais volumosos
  
pollcode.com free polls
vestida para seduzir
calca e blusa bem justinha
calcao e top com muita lycra
mini-saia
decote generoso
lingerie e saltos altos
com a roupa que viemos ao mundo
a roupa nao importa, o olhar e fatal
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 1
homem
mulher
casal
grupo de amigos
grupo de amigas
  
pollcode.com free polls
quem le este diario? parte 2
menor de 18 anos
de 18 a 25 anos
de 26 a 35 anos
de 36 a 45 anos
de 46 a 55 anos
mais de 55 anos
  
pollcode.com free polls

posts recentes

quando até o porno corre ...

não morri, não fugi, ando...

Cartas dos leitores - Um ...

ainda há coisas boas na v...

troca de sms – o “x” tânt...

a sauna (pouco) privativa

concurso do “diário” – dá...

cartas dos leitores - bar...

triângulo inesperado

a volta de férias da lore...

leitores do diário

Offshore Jones Act
Offshore Jones Act Counter

arquivos

Julho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

pesquisar

 

leitores online

Users Online

segredos do diário

prémios do diário

Photobucket
blogs SAPO

subscrever feeds